segunda-feira, 27 de agosto de 2007

Review: The Divine Conspiracy (Epica)


Quando há cerca de cinco anos Mark Jansen abandonou os After Forever após a edição de duas obras-primas, Prison Of Desire e Decipher, muita gente terá posto em causa a sanidade mental do vocalista/guitarrista. Agora, o tempo parece dar razão ao Sr. Jansen. Desde 2003 que as duas bandas têm trilhado um percurso deveras semelhante: ambas lançaram dois álbuns e um não-álbum (o EP Exordium no caso dos After Forever, a banda sonora The Score, no caso dos Epica), e ambas entram em 2007 com a mudança da Trasmission para a Nuclear Blast e com novo álbum em mãos. E o que se pode dizer é que os Epica ganham, claramente, por 3-1, só perdendo no caso dos não-álbuns! Ou seja, Mark Jansen parecia adivinhar o que ia acontecer. Ou então a sua influência era tanta que a sua banda inicial não aguentou a sua ausência. Tudo isto para dizer que, de facto, os Epica voltam a superar os After Forever (grupo) e The Divine Conspiracy é mais valioso que After Forever (álbum). Todos os argumentos que fizeram de The Phantom Agony e Consign To Oblivion marcas de glória de um género, claramente em saturação, voltam a estar presentes. Os Epica misturam como ninguém partes orquestrais, coros, metal gótico, metal progressivo, sublimes vocais femininos, agonizantes vocais masculinos escapando incólumes à tal saturação a que se fazia referência. Índigo, a curta e fabulosa introdução dá o mote para setenta e cinco minutos de música ora poderosa ora calma, ora liderada pelos grunhidos de Mark Jansen, ora adocicada pela subtil melodia de Simone Simons, ora guindada a um patamar inimaginável por coros majestosos. Se se quiser procurar um ponto de comparação, pode afirmar-se que The Divine Conspiracy estará mais próximo de The Phantom Agony pela potência imprimida pelas guitarras e pela bateria e pelo desempenho em grande escala de Jansen, ao contrário do que acontecia em Consign To Oblivion onde os temas eram mais melódicos e onde as despesas das vocalizações estavam quase todas concentradas em Simone Simons. De resto, volta a saga The Embrace That Smothers, com mais três partes (já a 7ª, 8ª e 9ª) que havia começado ainda no tempo dos After Forever com o prólogo e as primeiras três partes a poderem ser ouvidas em Prison Of Desire.


Nota VN: 17,67 (10º)

Sem comentários: