quinta-feira, 24 de julho de 2008

Review: Interactivist (Canker)


Já lá vão onze anos desde que, em Leiria, nasceram os Canker Bit Jesus. Felizmente, mudaram de nome e agora respondem apenas por Canker. E dizemos felizmente porque, hoje em dia ter um nome com três palavras é quase sinónimo de se ser uma banda metalcore. E, ainda bem que os Canker não o são. Apesar de o seu som também não ser nada fácil nem de catalogar nem de descrever. Poderão ser classificados como uma banda de metal moderno, sem preocupações estilísticas e que criam o que as suas almas e cabeças ditam. Posto assim, resta concluir que 10 dos 97 (!!) temas que compõe este álbum de estreia (ao qual se somam três maquetes e um ep), são muito complexos, feitos de intricadas estruturas de composição. Os restantes 86 servem para qualquer coisa mas apenas têm silêncio, com excepção do 97º que apresenta uma faixa escondida que pouco ou nada adianta ao anteriormente apresentado. Não se trata aqui de metal progressivo, mas alternativo. Como se os Rage Against The Machine e os Red Hot Chilli Peppers se misturassem com texturas grunge ao qual se adicionaram pitadas de Tool pincelados, aqui e ali, por apontamentos Muse. Perceberam? Bem para perceberem só mesmo ouvindo este disco cheio de fantástica canções e que decerto mostrará ao mundo como se consegue fazer, em Portugal, trabalhos de grande criatividade longe de modelos pré-estabelecidos ou modas passageiras. Os momentos doces alternam com violentos ataque de fúria, quase sempre controlada e muito bem gerida. Os vocais, momentaneamente chegam a rondar o teatral, como acontece em Cold Gate e em Marcha Pra Morte. A respeito deste tema totalmente cantado em português, refira-se que é um dos melhores do álbum com umas vocalizações soberbas numa faixa cheia de ritmo e melodia a partir de uma base acústica. Outro destaque para o tema final, Loko Loko Man, onde os Canker mostram como fazer fusão em evolução. O tema nasce de um ritmo reagge para ir crescendo e desembocar num quase death metal. Simplesmente fantástico. Para além destes temas, outros destaques podem ser indicados em Mirus, Error Is The Man, The Miscalculations Of The Photophobia ou Dancing With The DBDs, num álbum coerente, bem produzido e que marcará, se lhe derem oportunidade, a história do metal em Portugal.


Tracklisting:
Accusations
Cold Gate
Unstable
Regeneration
Mirus
Error Is The Man
The Miscalculations Of The Photophobia
Marcha Pra Morte
Dancing With The DBDs
Loko Loko Man


Lineup: Icecream (bateria), Gomes (baixo), Spined (guitarra), Marciano (vocais)

Myspace: www.myspace.com/cankerband

Edição: Autor


Nota VN: 15,5 (3º)

Sem comentários: