sábado, 29 de março de 2008

Review: 8 Days... And A Crushed Chest


Os Before The Torn são mais um recente nome do panorama metalcore nacional e este trabalho inclui os quatro temas que já haviam sido editados em formato EP há dois anos, com o título genérico de Behind Every Treason aos quais adicionaram três novas composições. São influenciados pela escola sueca de death metal com alguma melodia nos riffs de guitarra e pela escola norte Americana do hardcore ao nível dos vocais. Esta junção permite criar um conjunto de temas possantes, sem serem realmente brutais, mas com uma sonoridade muito compacta, conduzidos por uma secção rítmica potente, precisa e versátil. Outra das suas características são as mudanças de ritmo, alternando passagens extremas com doces momentos, quase sempre instrumentais. Ao nível da composição nota-se que a banda cresceu desde 2006, pois os três últimos temas são mais elaborados e por isso mais interessantes, terminando com Through Fire And Hell, para nós a melhor faixa do trabalho. Infelizmente esta proposta é demasiado homogénea o que faz com que todos os temas surjam muito parecidos uns com os outros, nomeadamente na primeira parte. Todavia a atender ao desenvolvimento mostrado, pode estar aqui a germinar mais um importante nome do peso nacional.

Tracklisting:
The Day We Died
Coming To An End
Behind Every Treason
Bleeding For Better Days
The Hardest Winter
Rising From Within
Through Fire And Hell

Lineup: Guilherme Henriques (vocais), Bernardo Gavino (bateria), Nuno Marques (guitarra), Bruno Matos (baixo), João Cruz (guitarra)

Myspace: www.myspace.com/beforethetorn

Nota VN: 12,00 (5º)

Playlist de 28 de Março de 2008

1ª hora:

Heaven In My Heart (Neal Morse)
Og Du Vil Vide (Lumsk)
Passing By (Angra)
My Selene (Sonata Arctica)

Flashback da semana: The Spaghetti Incident? (Guns n’Roses)
Since I Don´t Have You

Strange Affair With The Night (Forgotten Suns)
Silently (Vanden Plas)
Ponto de Não Retorno (Mata-Ratos)
Dirty Window (Metallica)

2ª hora:

Top Loud! Radiobroadcast

Fatalidad (Qwentin)
Wish (Secrecy)
Liberator (Viron)
Little 15 (Eternal Deformity)
Farewell (Urban Tales)
A Sorrow To Kill (To-Mera)
Eagles Flying (Dawnrider)
Stained With Sin (Brainstorm)
Circus Parade (If Lucy Fell)
Age Of Shadows (Ayreon)
Shelter From The Rain (Avantasia)

sexta-feira, 21 de março de 2008

Playlist 21 de Março de 2008

1ª hora:

The Abandoned (Ava Inferi)
Cosmic Revelations (Luca Turilli)
Envision (After Forever)
Home Of The Knave (Falconer)
Waves Of Visual Decay (Communic)
In The Presence Of Enemies Pt. 1 (Dream Theater)

Flashback da Semana: The Ultra Violence (Death Angel)
Final Death

Outra Rodada (Mata-Ratos)

2ª hora:

Fly To The Sun (Sandalinas)
Love And Hate (Urban Tales)
Rush Hour Baby (Stonerider)

Disco da Semana: Frozen Circus (Eternal Deformity)
The Force Of Your Heart
Unholy Divine
Little 15
Crime
So Silent
Lovelorn

Liberator (Viron)
Weaving The Incantation (Amorphis)
Dark Sky Above (Theriomorphic)

quarta-feira, 19 de março de 2008

Review: Volcano (Kneeldown)


Os Kneeldown são um daqueles colectivos a quem parece que tudo corre mal: são sucessivas mudanças de line-up, despejos da sala de ensaios, mudanças nas vidas pessoais, perda de apoios. Parece que tudo acontece. Mas eles são lutadores e a prova disso está neste EP de 5 temas produzidos pela própria banda e masterizados por Nexion K dos Re:Aktor que sucede a 06:51 AM, editado em 2003. E o que se pode dizer é que, ao longo destes cinco longos temas somos fustigados por uma descarga de thrash metal que ora aponta na direcção de Pantera ora se afasta para beber na fonte hardcore. Basicamente, e de uma forma simplista, podemos afirmar que no instrumental são thrash metal e na parte vocal, claramente hardcore. Mas há mais. Muito mais. Ritmos tribais e alucinantes experiências sónicas tão características de uns Tool podem ser encontrados em Incisions ou Brochure. Por outro lado a costela alternativa de uns Rage Against The Machine está presente em Medula, assumidamente o melhor tema deste trabalho. Em suma, uma proposta poderosa com um som muito forte e demolidor mas que por vezes parece, principalmente em termos de bateria, não ter a melhor captação. Ainda assim, uma boa alternativa para os amantes do género.

Tracklisting:
Incisions
Brochure
Medula
Shyknees
Misunderstood


Lineup: Mau (bateria), Nã (guitarra), Phur (vocais)

Website: http://www.kneeldown.net/

Myspace: www.myspace.com/kneeldown

Nota VN: 12,67 (4º)

Review: Shrouded Divine (In Mourning)


Shrouded Divine marca a estreia de mais um colectivo sueco de melodic death metal e a atender pelo press release, as criticas tem sido bem positivas. Ora bem, o que este quinteto faz até que nem é nada de transcendental. À sua costela claramente death metal, adicionam alguns apontamentos progressivos e algumas linhas melódicas especialmente ao nível do trabalho de guitarra. Daí que não percebamos muito bem tanta euforia. O colectivo consegue, nomeadamente nos temas mais longos (The Shrouded Divine, By Others Considered e The Black Lodge), criar momentos assinaláveis porque os arranjos são mais elaborados e acima de tudo porque Tobias Netzell mostra que também consegue cantar. Mas cantar mesmo! É que a parte vocal é o grande calcanhar de Aquiles dos In Mourning: usam e abusam dos guturais quando se prova, principalmente nos dois primeiros temas citados, que há ali muito potencial por explorar ao nível dos vocais limpos. Resultado: uma série de temas todos vocalizados da mesma forma que criam uma sensação de rotina. E em termos instrumentais a monotonia também não ajuda. Mesmo com a inclusão de apontamentos árabes (em Amnesia) ou a introdução de momentos ligeiramente alternativos ao jeito de In The Woods… (em The Black Lodge) o trabalho acaba mesmo por ser salvo por os já citados temas longos.


Tracklisting:
The Shrouded Divine
Amnesia
In The Failing Hour
By Others Considered
Grind Denial
The Art Of A Mourning Kind
The Black Lodge
Past October Skies (The Black Lodge Revisited)


Lineup: Tobias Netzell (guitarra, vocais), Bjorn Pettersson (guitarra), Tim Nedergard (guitarra), Pierre Stam (baixo), Crille Netzell (bateria)

Website: http://www.inmourning.net/

Myspace: www.myspace.com/un_mourning

Edição: Aftermath Music (http://www.aftermath-music.com/)

Nota VN: 12,67 (23º)

segunda-feira, 17 de março de 2008

Playlist 14 de Março de 2008

1ª hora:

Our Town (O.S.I.)
Body Breakdown (Dragonforce)

Flashback da Semana: Imaginations From The Other Side (Blind Guardian)
Another Holy War

Entrecosto Emocional (Mata-Ratos)

Entrevista: Miguel Newton (Mata-Ratos)

2ª hora:

Scary Zone (Edu Falaschi)
Lost (Krypteria)
The Toy Master (Avantasia)

Disco da Semana: Zebra Dance (If Lucy Fell)
Fire Exits
Marie Antoinette
Dolores
La Decadence
Eyes On The Road
She Dies


The Glory Of A New Day (To-Mera)
Tervaskanto (Korpiklaani)

quinta-feira, 13 de março de 2008

Entrevista Mata-Ratos

É já amanhã, dia 14, que os Mata-Ratos vão conceder uma entrevista ao programa Via Nocturna. O inicio está marcado para as 21:30 horas e pode ser ouvida nos sitios do costume: 90.5, 100.8 ou em http://www.rrt.pt.vu/

Review: Pray (Crematory)


Os últimos anos não têm sido muito felizes para os Crematory. Ansiosos por experimentação e por alargarem os seus horizontes musicais, entraram em campos onde não foram muito bem sucedidos. Era tanta a vontade de inovar e de explorar que sacrificaram, inclusive, o seu próprio prestigio. Eventualmente estigmatizados pelos fracassos recentes, os germânicos, para este seu novo trabalho, refugiaram-se em sonoridades mais próximas de Illusions, ainda hoje um ícone do metal gótico. E em boa parte conseguem-no, gravando um álbum forte, denso e negro qb, contrastando com a luminosidade emanada pela capa. Mesmo assim, ainda lhes sobra algum tempo para piscar o olho a outras vertentes como a experimentação em Just Words ou o prog sinfónico em Burning Bridges, um dos melhores momentos do álbum, juntamente com Sleeping Solutions, Pray, Remember ou Say Goodbye. E estas incursões são feitas sem o mínimo beliscão no poder e densidade de Pray, um trabalho onde as máquinas são deixadas para um plano que nem chega a ser secundário e onde as guitarras ganham um novo fôlego. Com os teclados frios, sombrios e envolventes o gótico na sua vertente mais pesada volta a fazer ouvir-se nos Crematory. Com ou sem rezas e intervenções divinas, o que é verdade é que estes Crematory são bem vindos!



Tracklisting:
1. When Darkness Falls
2. Left the Ground
3. Alone
4. Pray
5. Sleeping Solution
6. Just Words
7. Burning Bridges
8. Have You Ever
9. Remember
10. Say Goodbye


Lineup: Felix (Vocais), Matthias (Guitarra e Vocais), Harald (Baixo), Katrin (Teclados), Markus (Bateria e programações)

Website: http://www.crematory.de/

Myspace: www.myspace.com/crematorymusic

Edição: Massacre (http://www.massacre-records.com/)

Nota VN: 15,50 (7º)

quinta-feira, 6 de março de 2008

Playlist 07 de Março de 2008

1ª hora:

The Poet And The Pendulum (Nightwish)
Passing Dead End (Visions Of Atlantis)
Sisters Of The Light (Xandria)
Love In Vain (David Readman)
Beyond The Eyelids (Riverside)

Flashback da semana: State Of Euphoria (Anthrax)
Out Of Sight Out Of Mind

Inocente O Doente (Mata-Ratos)
Stealing Society (System Of A Down)

2ª hora:

And I Am Suffering (Virgin Black)
The Scythe (Elvenking)

Disco da semana: 01011001 (Ayreon)
Age Of Shadows
Connect The Dots
Web Of Lies
Unnatural Selection
E=MC2

Fashioned From Dust (Agent Steel)
At Sixes And Sevens (Sirenia)

Review: Carved In Stone (Rage)


Peter Wagner pode ser considerado como um dos mais proeminentes nomes da cena metálica internacional. Ao longo dos anos construiu uma carreira assente em parâmetros de qualidade e rigor impares que culminam, até agora, nesta obra que promete, à semelhança do seu título, ficar gravada nas pedras para a posteridade. E se houve momentos altos na carreira do germânico, este é, seguramente, um deles. Wagner deixa de fora, salvos raros e fugazes apontamentos, a Lingua Mortis Orchestra e isso leva a que a música do trio atinja patamares de brilhantismo que, apesar das sucessivas aproximações em álbuns anteriores, nunca tinham sido alcançados antes. E isto porque a música se torna mais speedada, mais thrashada, mais directa, mais crua, sem perder a capacidade de criar grandes canções, com melodias memoráveis e refrões orelhudos. Independentemente da voz rude e rouca de Wagner não ser muito harmoniosa, o facto é que as melodias criadas são, de facto, extraordinárias. O trabalho de guitarra de Victor Smolski é brilhante. A bateria de Andre Hilgers é dinâmica, precisa e, em momentos, poderosa. E estes eram alguns argumentos que se perdiam um pouco com o uso excessivo da orquestra. Ainda assim, ela aparece fugazmente, como se disse, na melodia introdutória da faixa de abertura, Carved In Stone, um dos temas mais fortes do álbum e no final, em Lord Of Flies, um tema completamente atípico. Porque? Porque nos apresenta teclados à lá King Diamond, coros que podiam pertencer aos Rhapsody Of Fire, tudo numa música orquestrada e que no fundo até acaba por soar a … Rage! (ACC)


Tracklisting:
01. Carved In Stone

02. Drop Dead!

03. Gentle Murders

04. Open My Grave

05. Without You

06. Long Hard Road

07. One Step Ahead

08. Lost In The Void

09. Mouth Of Greed

10. Lord Of The Flies


Lineup: Peter Wagner (vocais, baixo), Victor Smolski (guitarra, teclados), Andre Hilgers (bateria)

Website: http://www.rage-on.de/

Myspace: www.myspace.com/rage

Edição: Nuclear Blast (http://www.nuclearblast.de/)

Nota VN: 17,17 (5º)

segunda-feira, 3 de março de 2008

Review: Critical Chaos (Primordial Melody)


Trás-os-Montes nunca foi particularmente conhecido pela sua produção metálica. Se bem que a cena tenha vindo a mudar na última década muito por culpa de Guilhermino Martins e dos seus ThanatoSchizo. Este é, aliás, o homem que produziu a estreia dos Primordial Melody (Primel para ao amigos, naquele que deve ser o único caso de um nickname na história da música!), colectivo flaviense. Critical Chaos é, definitivamente, um trabalho na linha death metal, mas muito mais próximo da escola sueca que propriamente da norte-americana. As vozes guturais estão lá em grande parte do tempo mas o instrumental pesado, não é tão demolidor nem tão rápido como normalmente acontece. Isto porque a secção rítmica é muito versátil e porque as guitarras criam muitas e boas harmonias. O exemplo mais flagrante surge no tema de abertura, Dreams About A Surrouded Soul, onde os Primel conseguem criar melodias ao nível da guitarra (quer ritmo quer, muito principalmente, no solo) e ao nível vocal com a inclusão de uma voz limpa muito boas. Por falar em voz limpa, ela aparece em momentos pontuais mas consegue criar um efeito interessante, principalmente, como acontece em Long Way You Run, quando o quinteto arrisca, e bem, fazer a junção dos dois tipos vocais. Outro momento alto é a calma All This Is A Lie, uma malha muito boa, despida quase por completo de distorção e que tem um potencial enorme até para hit radiofónico, necessitando, talvez, algumas correcções ao nível vocal. No fundo este Critical Chaos apresenta muitas das virtudes e defeitos da grande maioria das estreias dos jovens colectivos: algumas ideias (bastantes, até!) interessantes mas que precisam de algum tempo para amadurecerem e serem limadas algumas arestas. O fundamento está lá. É preciso, agora, evoluir e crescer. (PC)



Tracklisting:
Dreams About A Surrounded Soul
Long Way You Run
The Vengeful Man
All This Is A Lie
By Your Hands

Lineup: João Cancelinha (vocais), Bruno Faustino (baixo), Diogo Silva (guitarra), Filipe Nobre (guitarra e vocais), Francisco Silva (bateria)

Myspace: www.myspace.com/primordialmelody

Nota VN: 13,50 (3º)