domingo, 1 de março de 2009

Entrevista com Haven Denied

Em 2007 o seu álbum homónimo foi considerado, em Via Nocturna, álbum do ano. Depois de um hiato de mais de um ano soubemos que os Haven Denied estavam de novo em estúdio, com novos temas e a preparar mais um álbum. Tudo motivos mais que suficientes para chegarmos à fala com um confiante mas pragmático Simão Vilaverde.

A primeira questão é obrigatória: onde têm andado vocês depois do lançamento do excelente álbum homónimo (Disco do Ano Via Nocturna em 2007)?
Depois de uma pausa forçada de um ano devido a ausência do nosso baterista, voltamos ao activo no passado verão. Esse ano sabático abriu caminho a algumas mudanças na banda, tanto a nível musical (composições), como de postura da banda perante as vicissitudes do meio artístico em que nos inserimos; permitiu-nos a adopção de uma filosofia de trabalho mais descontraída, mas também mais natural e autêntica.

Sei que ocorreram algumas mudanças na vossa formação. Como decorreu esse processo e qual o line-up actual?
Na mesma altura em que decidimos voltar ao trabalho o nosso teclista, por razões profissionais, decidiu sair da banda. Começamos então à procura de um novo teclista, desta feita com o objectivo de encontrar alguém que alem do teclado também tocasse guitarra. A escolha natural recaiu no Miguel Silva, que já vinha a acompanhar o nosso projecto desde há alguns anos.

Estão, neste momento em pleno acto de gravação do 2º álbum. O que nos podem adiantar a esse respeito e como está a decorrer todo esse processo?
Em relação ao novo álbum, podemos desde já adiantar que as gravações estarão completas a meio do ano. Com vista à reunião das condições necessárias para esta nova produção musical, começamos por fazer um grande investimento em material, dado o capital que fomos acumulando. Assim, é-nos possível afirmar hoje que conseguimos. Conseguimos com este trabalho afirmar mais a nossa identidade artística num conjuntura sistemática de produção e composição.

Ouvindo o tema que foi disponibilizado parece que os Haven Denied estão mais directos e crus. Será assim?
Sim, é verdade. Pensamos que à medida que se caminha num verdadeiro sentido e se vão deixando cair os essenciais mas também ofuscadores preconceitos e estereótipos, as coisas fluem naturalmente para formas simples e minimalistas, como que de o capturar da essência se tratasse. Não se trata de nada calculado ou previsto, mas apenas da constatação da realidade que a nós mesmos, muitas das vezes, acaba por nos surpreender. Mais uma vez gostaríamos de realçar a simbiose que tem de existir no evoluir de todas as áreas do conhecimento que se têm de conjugar na criação de um trabalho deste género. A par da evolução musical esteve uma evolução na produção musical e produção áudio, bem como nos métodos de ensaio e de trabalho em geral.

Que expectativas têm para este trabalho?
Se há alguma coisa que o meio artístico alternativo nos ensinou é a não ter expectativas. O que podemos fazer é simplesmente trabalhar, produzir musica que achamos ter qualidade, o que vier de bom será bem-vindo, mas não é algo em que contemos.

Um dos aspectos mais particulares da vossa sonoridade é a voz, completamente atípica. É um dos factores nos quais vocês investem ou surge naturalmente?
A voz surge naturalmente. Não estamos, nem nunca estivemos preocupados com o facto de ser atípica, nunca o procuramos nem tentamos suprimir. O que nos guia é o bom gosto e na voz, tal como nos restantes instrumentos, há uma mistura enorme de influências e referências que produz algo a que gostamos de chamar único. E no fundo isso é a nossa essência.

Em meados de Março irão regressar aos palcos e logo na vossa cidade. Como está a ser preparada essa noite?
Com o cuidado e dedicação que qualquer trabalho e objectivo, que envolve directa ou indirectamente o nosso nome e daqueles que nele se revêem, merece.

Obrigado.
Obrigado nós pelo reconhecimento do nosso trabalho.

1 comentário:

Anónimo disse...

Bem, bem... Que mais dizer?
Vós sois surpreendentes! Mesmo.
Mereceis o Firmamento. Parabéns!

(Está quase, o concerto!)