sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Review: Dia a Dia (Kit Cat)

Dia a Dia (Kit Cat)
(2009, Edição de Autor)


Este é um momento histórico neste espaço: pela primeira vez comentamos o trabalho de um colectivo oriundo da nossa terra. Sim, já abordamos os Bulldozer que, não sendo de Moimenta da Beira, têm alguns elementos de cá, mas estes Kit Cat são nados e crescidos na nossa vila. E o que dizer deste Dia a Dia e dos Kit Cat? Em primeiro lugar referir que não é todos os dias que uma banda com pouco mais de três anos de existência grava uma demo com doze temas e quase… oitenta minutos de música! Só este facto já era suficiente para nos admirarmos com a capacidade criativa da banda. Mas ainda se torna mais relevante se atendermos que os quatro Kit Cat têm entre… 13 e 15 anos! Quanto a este álbum, puramente demonstrativo do trabalho da banda, inicia-se de forma excelente com o tema Sofrimento Perpétuo I, onde os coros épicos iniciais se transformam num portento do rock/metal progressivo que coloca, desde logo a bitola bem alta. Infelizmente para o jovem colectivo moimentense, esses níveis tão elevados só por mais três vezes são alcançados: em Hora II, Lágrimas e Dia a Dia. A primeira pelo sentimento carregado de negro desde as iniciais badaladas da torre da Igreja (e aqueles la-la-la são soberbos!); o segundo com um fantástico solo final de guitarra muito na linha do que Lanvall faz nos seus Edenbridge; e o tema-título pela fusão que consegue criar entre ambiências bluesy/fado/orientais. Pelo meio os Kit Cat vão desfilando um conjunto de temas bem arranjadinhos, cheios de interessantes melodias com uma assinalável influência pop, com solos bem estruturados e excelentemente executados, mas que pecam pela repetição da mesma fórmula: a alternância entre momentos lentos com a predominância da guitarra limpa com outros mais furiosos, plenos de energia e com a distorção a fazer a sua aparição. Quem também não ajuda muito é a componente lírica onde o uso e abuso de temas como os amores e desamores fica mais próximos de um Tony Carreira que propriamente de uma banda de rock. Por outro lado e não querendo ser cruel, importa referir que a componente vocal é a menos bem conseguida do colectivo. Aconselha-se muito trabalho neste sector, porque com a capacidade criativa, com o talento que já demonstram e com a margem de progressão que ainda têm, os Kit Cat são um nome a ter em conta no futuro do rock feito em português. Mas há aspectos que precisam ser revistos: a voz é, claramente, um deles. Assim como é a gramática (não podem surgir erros de português no folheto do CD, pois não?) e, eventualmente, um nome mais apelativo. Força, rapazes.

Tracklist:
1. Sofrimento Perpétuo I
2. Manhã
3. Amor Sem Sentido
4. Hora II
5. Uma História Escondida
6. Lágrimas
7. Nada a Perder
8. Dia a Dia
9. Rosas de Amor
10. Entre Dois Lados
11. Entre a Espada e a Parede
12. Sofrimento Perpétuo II

Line up: José Diogo Dias (guitarra e voz), Rafael Mendes (guitarra), Filipe Ferreira (baixo), João Pedro Santos (bateria)

Myspace:
www.myspace.com/bigkitcat
Edição: Edição de autor
Nota VN: 14,4 (22º)

1 comentário:

susana disse...

http://www.monstersgame.com.pt/?ac=vid&vid=19092898