quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Entrevista com Adamantine

Cruzar o thrash metal old school com uma veia mais moderna do género e com lições de história do nosso povo e da nossa cultura parece à primeira vista algo difícil de concretizar. Mas os Adamantine, provaram que não é impossível graças ao EP de seis temas onde os gloriosos momentos do thrash de Metallica ou Testament são glorificados e onde alguns momentos importantes da nossa história são elevados. André Bettencourt, vocalista e guitarrista, explica-nos tudo.
Para iniciarmos, podiam apresentar os Adamantine?
Saudações! Antes de mais obrigado à Via Nocturna pela entrevista. Adamantine é uma banda de Thrash Metal de Lisboa, formada em 2007. Penso que o nosso som se enquadra um pouco na nova vaga de Thrash Metal, embora tenhamos um som bastante próprio e tenhamos uma vertente épica, que está ligada com as letras de teor lusitano. Apesar dos três anos de vida, apenas em Março de 2010, lançámos o primeiro registo intitulado Downfall of Adamastor.

Quais são os vossos objectivos com este trabalho?
O objectivo principal deste trabalho foi essencialmente de promoção à banda. Nós fizemos uma edição independente, que saiu do bolso de cada um, com o objectivo de poder dar a ouvir as nossas músicas com alguma qualidade sonora e produção, para os seguidores que nos vêem ao vivo e para fans no geral. Vendemos um número considerável de cópias e penso que a exposição que pretendíamos, pelo país, tem sido positiva, no entanto, ainda há muita gente por conquistar. Nunca pusemos a hipótese de mandar este trabalho para editoras ou tentar um contrato, pois desde o inicio não tínhamos esse objectivo. Isso será algo a fazer agora com o próximo trabalho.

Como decorreu o processo de gravação?
Correu tudo muito naturalmente. Estávamos certos do que queríamos e bastante bem preparados p
ara gravar. Uma vez que dispúnhamos de tempo para gravar sem pressões, foi possível fazer melhoramentos e alterações, em algumas partes dos vocais, bateria e até solos. Foi um processo bastante criativo e penso que todos estavam a caminhar para o mesmo sentido. À medida que íamos gravando, discutíamos hipóteses e adicionávamos pormenores que enriquecessem as faixas em si. No final fiquei bastante satisfeito com a produção old school que lhe conseguimos dar. Para um primeiro registo, representa bem o que Adamantine é ao vivo, baterias rápidas, riffs pesados e vocais furiosos rasgados.

Em termos musicais os Adamantine baseiam-se muito no thrash old school. Como vêm este ressurgimento do género?
Para mim pessoalmente é óptimo. Eu gosto de todos os subgéneros dentro do metal, mas para mim o thrash é o principal. Mesmo antes do ressurgimento, já tinha em mente fazer uma banda de thrash que invocasse o bom thrash old school, ao estilo das bandas que ouvia em miúdo e que adoro ainda hoje. No entanto, a nova vaga de thrash começou um ou dois anos antes de eu começar a minha banda também. Por um lado é óptimo porque o estilo está outra vez a ser mais ouvido e falado mas por outro lado é mau, porque podemos ser confundidos, como mais uma banda apenas, que segue a moda do que se faz no momento. Não se trata nada disso. Fazemos thrash por gosto e se existirem mais bandas a fazer thrash assim, então óptimo. Gosto de muitas das novas bandas que por ai andam e penso que algumas são bastante promissoras como Warbringer, Evile, Bonded by Blood, etc.

As comparações com Metallica dos primórdios começam a fazer-se ouvir. Incomoda-vos essa comparação?
Depende. Por um lado é grandioso e bastante positivo ser comparado a Metallica dos primórdios, sendo eu um grande fan de Metallica, assim como os restantes membros. Hoje em dia, penso que Adamantine, evoluiu bastante e já não estamos tão colados nesse tipo de sonoridade. Trabalhamos imenso para conseguir um estilo próprio e para ter um leque variado de influencias, que nos distancie dos Metallica, ou dos Testament ou de outra qualquer banda de Thrash mais comum para os ouvintes.

Em termos líricos parece haver uma preponderância para a história da nossa nação (Downfall Of Adamastor ou Viriat’s Betrayal). Que outras temáticas trazem os Adamantine?
Bom, este Ep acabou por ser bastante épico, por causa dos temas que fazem referencia à história portuguesa e lusitana, como são exemplo os temas em cima referidos. Também abordamos temáticas politicas, sociais, ou temas obscuros como está presente no tema Voodoo. Exi
stem vários temas que queremos explorar e que serão abordados no próximo registo, como vingança, traição, solidão e um dos mais controversos, a religião.

Como decorre o processo de escrita nos Adamantine?
Bom normalmente eu componho a maior parte dos riffs de guitarra, depois começo a montar a estrutura com o Emídio na bateria e juntos delineamos os pormenores e a composição geral das faixas. A voz e os solos são sempre as últimas coisas a fazer. Penso que no geral o processo é bastante comum, levamos as nossas ideias e é no estúdio que as trabalhamos em conjunto, sempre com o objectivo de enriquecer a faixa ao máximo.

Entretanto ficaram sem baterista. Já há novidades a esse respeito?
É realmente complicado manter um line up consistente hoje em dia. O Fred teve de deixar a banda por razões pessoais, mas já encontramos um substituto. Emidio Ramos (Shadowsphere) é o novo baterista de Adamantine. Ele é excelente como músico e como pessoa. Trouxe muita energia positiva de novo à banda e estamos bastante entusiasmados a tocar ao vivo e a compor novo material.

O que está a ser preparado para apresentar Downfall Of Adamastor ao vivo?
Nós temos tocado o Ep na íntegra ao vivo e continuaremos a tocar com o máximo entusiasmo, sempre a dar o máximo de nós a quem nos vê, isso será sempre garantido. No entanto estamos neste momento já a compor material novo que deveremos começar a tocar em breve ao vivo. Por isso, existem muitas surpresas para breve.

E outros projectos para o futuro, há algo que nos possam adiantar?
Estaremos a trabalhar em novo material para o próximo álbum, enquanto continuamos com os gigs agendados até ao final de 2010. Entrámos este mês em estúdio para começar a ensaiar e compor essas faixas novas. Iremos gravar um novo single, em Outubro, para mostrar a nova formação da banda e o que se poderá esperar do sucessor de Downfall Of Adamastor. Portanto é só ficarem atentos ao Myspace da banda, pois as novidades estão para breve. Convido todos os leitores a aparecerem num concerto de Adamantine e a viver o thrash connosco! Thrash and Devastate!!

Sem comentários: