Review: Marylin (Saracen)

Marylin (Saracen)
(2011, Escape Music)

Apesar de os irmãos Bendelow já andarem nisto desde os anos 70 e de os Saracen já existirem desde os inícios dos anos 80, foi nome do qual nunca ouvimos falar. E agora que este trabalho nos chega às mãos, devemos afirmar que, afinal de contas, já os devíamos conhecer há muito. Marylin é, como tudo indica, um trabalho conceptual sobre a vida de Marylin Monroe. Até aqui nada de novo. Deve ter havido milhares de bandas/cantores que cantaram sobre a senhora. Mas os Saracen trazem algo de verdadeiramente novo e vibrante: o seu hard rock abrangente, ricamente trabalhado e magistralmente interpretado. Ao nível da composição, Marylin, é simplesmente brilhante e para além desta qualidade, a banda socorreu-se de um conjunto de convidados que apresentam soberbos desempenhos. Falamos da grande revelação da voz norueguesa Issa, da poderosa vocalista americana Robin Beck e do sensacional Steve Overland. Adicionado ao nível de excelência demonstrado pelos Saracen, estes convidados ajudam a elevar o potencial de Marylin a um patamar inesquecível. Para enriquecer ainda mais, a presença de um saxofone que em alguns momentos (Norma Jean e Hold On) acaba por desempenhar um papel fundamental. Em dueto, Beck e Overland fazem da balada AOR Who Am I soar com um sentimento de tal forma forte que chega a arrepiar. Uma balada que, surpreende, a meio pela variação que nos leva para linhas claramente Deep Purple onde nem falta o mágico Hammond. Já em Love Like A Razorblade, a banda cria um blues de forte emotividade com um solo de uma beleza superior. Essa pincelada bluesy volta a surgir na outra balada, Like Going Home, para em temas como Whither The Wind Blows, Make This Body Work e Break The Spell a banda apostar em fortes estruturas hard rock, na linha de Raimbow ou Triumph. Pelo meio dois temas acústicos (Hold On e Not For Sure), mostram toda a capacidade que os Saracen tem para se reinventar, trilhando caminhos bem diversificados e criando diversas ambiências, qual delas a melhor conseguida. Em resumo, se procuram um disco de hard rock de classe superior, aqui está, eventualmente, a melhor proposta dos últimos anos. Uma obra prima verdadeiramente obrigatória.

Tracklist:
01.              Norma Jeane
02.              Whither The Wind Blows
03.              Hold On
04.              Make This Body Work
05.              Who Am I
06.              Love Like A Razorblade
07.              Break the Spell
08.              Not For Sure
09.               Like Going Home
10.              Unfinished Life
11.              Marilyn

Line up:
Steve Bettney – vocais
Paul Bradder – teclados
Richard Bendelow – baixo
Paul Gibson – bacteria
Rob Bendelow – guitarras
Snake Davis - saxofone

Internet:

Edição: Escape Music

Comentários