Review: Dawn Of The Sociopath (Echidna)

Dawn Of The Sociopath (Echidna)
(2011, Rastilho Records)

Se Insidious Awakening tinha provocado um bruahh de espanto com a qualidade que uns novatos de nome Echidna apresentavam, três anos depois já não existe esse estado de admiração mas de respeito. Respeito pelo trajeto que a banda portuense tem vindo a seguir e respeito pelo crescimento e amadurecimento que já demonstra. Dawn Of The Sociopath, o seu novo trabalho, mostra-nos uns Echidna com o seu death metal poderoso, com riffs demolidores, bateria arrasadora e vocais demoníacos. Aparentemente este é um disco menos exuberante que a estreia, muito principalmente porque a dupla de guitarristas já não faz solos eternos. Agora a sua preocupação é um maior trabalho coletivo, em que o desempenho das guitarras acaba por se centrar mais em pormenores no trabalho de base, bem patentes em temas como Comanded By Demons ou, muito principalmente, Dawn Of The Sociopath. Isso significa que os Echidna apresentam um trabalho mais forte, mais compacto e mais maduro, onde são capazes de explorar as sonoridades mais extremas e conjuga-las com interlúdios (dois) calmos na forma, mas densos e negros nos conteúdos nas suas apresentações narradas. Com a inclusão de um novo vocalista, Bruno Capela, a banda aposta, pela primeira vez, num trabalho conceptual que se baseia na evolução do rescendo de violência na mente se um sociopata, um assunto que se assume plenamente em temas como Violent Compulsion ou Obscuring My Reason. A produção voltou a estar a cargo de Daniel Carvalho, tendo a masterização sido realizada pelo influente Jens Bogren (Amon Amarth, Soilwork, Opeth) nos não menos influentes Fascination Street Studios, naquele que é um digno sucessor da sua promissora estreia.

Tracklist:
01 Synaptic Entropy
02 The Antagonist
03 Violent Compulsion
04 Comanded by Demons
05 Agon
06 Obscuring My Reason
07 Sentient Nightmare
08 Dawn of the Sociopath
09 Bloodlust
10 Catharsis
11 The Fallout

Line up:
Bruno Capela – vocais
David Doutel – guitarras
Miguel Pinto – baixo
Pedro Lima – guitarras
Tiago Cardoso – bateria

Internet:

Comentários