terça-feira, 9 de abril de 2013

Entrevista: Code Of Silence

A partilha pelo lado mais tradicional do heavy metal levou a que Paul Logue e James Murray tivessem a ideia de criar uma banda de músicos principalmente escoceses. Assim nasceria uma das revelações desta primeira metade de 2013: os Code Of Silence. Não sendo exclusivamente escoceses, até porque o vocalista é o brasileiro Gus Monsanto, isso não impede de o objectivo de criar bom e eterno heavy metal não fosse conseguido com a estreia Dark Skies Over Babylon. James Murray, baixista e membro fundador falou a Via Nocturna do projecto e do seu primeiro álbum.
 
Olá James, obrigado por esta entrevista! Podes falar um pouco da razão do nascimento do projeto Code Of Silence? Que objetivos vos nortearam?
Paul Logue dos Eden’s Curse é um meu amigo muito próximo e um dia decidimos que deveríamos tentar criar uma nova banda de músicos principalmente escoceses. Encontramos John Clelland para bateria e Scott McLean para as teclas na Escócia, e esforçamo-nos para encontrar um vocalista e um guitarrista adequado. Paul conhecia Ben e Gus e por isso perguntou a ambos se estavam interessados e eles concordaram em participar. Assim nasceu Code Of Silence. Os nossos objetivos foram realmente criar o melhor disco que podíamos e estamos todos muito felizes com ele.
 
E como a banda nasceu sobre dois escoceses com a intenção de juntar músicos escoceses, como aparece um vocalista brasileiro?
Paul conhecia Gus desde o Melodic Rock Fest nos EUA há alguns anos e quando procurávamos um vocalista Paul sugeriu Gus. Então, ouvi o trabalho de Gus com os Revolution Renaissance, Adagio, etc e achei magnífico. Paul perguntou ao Gus se ele estava interessado em juntar-se à banda e, felizmente, ele aceitou e entrou praticamente de imediato o que tem sido muito bom como Gus a bordo.
 
E também um virtuoso na guitarra, certo? Como descobriram Randall?
Mais uma vez o Paul conhecia Ben e já tinha sido manager dele durante cerca de um ano. Por isso, quando começámos a procurar um guitarrista brilhante, o nome de Ben foi mencionado, entramos em contato com ele e ficou encantado por participar. Ele é um músico e um executante simplesmente excecional. Um real talento!
 
Mas todos os membros de Code Of Silence têm outras bandas? Isso não afeta a gestão dos concertos?
Nem todos os membros dos Code Of Silence têm outras bandas. Eu não toco em mais nenhum lado a não ser em Code Of Silence e o mesmo se passa com Ben. Gus, John e Scott têm outras bandas, mas realmente não afeta a nossa disponibilidade para tocar ao vivo. Na verdade, de momento já estamos a marcar concertos para tocar em setembro.
 
Dois anos depois, aqui está ele, o vosso primeiro álbum. Como decorreu todo o processo? Estão totalmente satisfeitos com o resultado final?
O processo de composição e gravação do álbum decorreu muito bem e na verdade foi um processo relativamente fácil como todos a darmo-nos muito bem e todos nós acabamos por fazer o nosso melhor. Como banda estamos muito satisfeitos com o resultado final e sentimos que é um álbum de estreia extremamente forte, com grandes faixas e um ótimo som.
 
E um álbum com uma forte influência do metal melódico. Era essa a vossa intenção desde o início?
Eu não diria que tínhamos a intenção de o tornar num álbum de metal melódico. Apenas escrevemos as músicas, introduzimos nele as nossas capacidades e o que temos é o que está no disco. Especificamente não pretendíamos ser este ou outro tipo de banda. Acho que isso se reflete no nosso som uma vez que temos elementos de metal melódico, power metal, metal progressivo, hard rock etc. Acho que realmente Code Of Silence é a soma de todas as inspirações musicais de todos nós.
 
Dark Skies Over Babylon tem um tema comum, os Cavaleiros Templários. Podes descrever-nos um pouco da temática do disco?
Bem, o álbum em si é temático e foca os Cavaleiros Templários e as Cruzadas, entre os séculos XI e XII. O álbum aborda as experiências desses cavaleiros - as suas privações e atribulações, bem como as suas dúvidas e os seus motivos. Na realidade, o álbum é uma viagem. Todas as canções, com exceção de Knights Of The Crimson Cross, também podem ter outros significados e cada canção é interpretativa e pode ser vista como canções separadas a respeito de temas como depressão, perda, amor e positividade. Assim, o ouvinte pode interpretar as músicas de muitas maneiras como desejar. Isto foi deliberado. Queríamos um conceito, mas também queríamos que houvesse espaço suficiente para os ouvintes interpretarem as músicas como desejassem.
 
A canção Tame The Tempest esteve disponível para download gratuito. Foi um presente para os vossos fãs? Ainda está disponível?
Sim, neste momento, essa faixa ainda está disponível para download gratuito e sim é um presente para os fãs, mas também para aqueles que podem querer ouvir um pouco mais de nós e querem explorar um pouco mais os Code Of Silence.
 
Sendo este um lançamento da Mausoleum Records, o que te pergunto é se já tinham o álbum todo pronto quando assinaram?
Nós assinamos com a Mausoleum com o álbum todo gravado, misturado e masterizado. No entanto, ainda havia muito para fazer, como o artwork, a embalagem, a promoção etc. Então a Mausoleum colocou-nos em contato com Didier Scohier da Artco e todo o trabalho artístico foi feito. Depois, juntamente com a editora trabalhámos a embalagem e o resto. Assim, embora tivéssemos o álbum totalmente gravado e misturado ainda tínhamos muitas coisas para fazer em conjunto com a Mausoleum e posso acrescentar que tem sido ótimo trabalhar com eles.
 
Li algures que todo o stock de CD’s já foi vendido! Isso é verdade? É incrível, não?
Bem o stock que nós, banda, tínhamos foi vendido muito rapidamente e aqui no Reino Unido parece estar a vender-se muito bem através de lojas como a Amazon. Agora, claro que nesta altura não tenho nenhuma ideia do número de vendas, mas é promissor. Dedos cruzados!
 
Já têm alguma tournée planeada?
Bem, temos um festival aqui no Reino Unido chamado Skyfest a 21 de setembro onde os cabeça de cartaz são os Pretty Maids… portanto estamos realmente ansioso para isso. Estamos também a tentar adicionar algumas datas adicionais em torno da data do Skyfest, portanto, fiquem atentos.
 
A terminar, queres acrescentar algo mais para os nossos leitores?
Gostaria apenas de dizer muito obrigado por lerem este artigo e espero que um dia, em breve, possamos ver e tocar ao vivo para vocês. Enquanto isso obrigado pelo teu apoio e desejamos a todos o melhor.

Sem comentários: