quinta-feira, 11 de abril de 2013

Entrevistas: BIV And The Mnemonics

A zona que deu ao mundo o thrash metal, a Bay Area, prepara-se para revelar um dos seus mais bem guardados segredos numa área completamente diferente: os BIV And The Mnemonics que regressam com o segundo trabalho, The Pace, um conjunto de canções de grande qualidade. Ben Lang, membro fundador, guitarrista e vocalista, apresenta o colectivo e fala da evolução do quinteto.
 
Olá Ben, obrigado por responderes a Via Nocturna. Antes de mais, podes apresentar os BIV And The Mnemonics?
BIV And The Mnemonics é uma banda indie-rock/alt-folk de San Francisco e temos vindo a fazer shows e a ganhar fãs na Bay Area e em toda a Califórnia nos últimos quatro anos. Somos um grupo de cinco elementos composto por Jessie Alsop nos teclados, eu e Evan Wardell nas guitarras, Dan Paggi no baixo e Landon Moblad na bateria. As tarefas vocais são divididas uniformemente entre o grupo.
 
A primeira coisa estranha na vossa banda é o nome. Por que The Mnemonics? E o que é BIV?
Tomado à letra, Roy G Biv é um "dispositivo mnemónico" para as cores no espectro de luz visível (vermelho, amarelo alaranjado, verde, azul, anil e violeta). Pensamos ser um inteligente jogo de palavras incorporar tudo no nome da nossa banda e que o estilo longo poderia evocar a mesma sensação de Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band ou algo similar. O nosso nome original era Roy G Biv & The Mnemonics que posteriormente foi encurtado um pouco para o que é agora Biv And The Mnemonics
 
The Pace é já o vosso segundo lançamento. De que forma marca a vossa evolução enquanto pessoas e músicos desde a vossa estreia?
O nosso primeiro álbum, The Orange Blue, foi gravado e produzido inteiramente por os dois membros fundadores dos BIV And The Mnemonics, Dan Paggi e eu próprio. Foi esse álbum que estabeleceu um modelo para a banda, mas quando os membros adicionais Jessie, Evan e Landon se juntaram ao grupo, uma unidade coesa e dinâmica foi formada o que levou a composição e desempenho a um nível totalmente novo. Entramos em estúdio em 2011 com a incrível ajuda de Andrew Tavis e da Mission Street Recording Company (www.missionstreetrecording.com) e sob a sua orientação passamos os dois anos seguintes a criar The Pace. Este é um registo de que estamos extremamente orgulhosos, uma vez que é uma amálgama de toda a nossa criatividade e esforço.
 
Assim sendo, que semelhanças e diferenças existem para a vossa estreia?
The Blue Orange é mais despojado e tem uma sensação encantadora, ainda que com uma produção inferior em comparação com The Pace. Neste, para além de ter a valiosa contribuição criativa dos novos membros, tivemos tempo em estúdio para procurar tanto quanto precisávamos para conseguir os sons que queríamos. Fomos capazes criar um instrumental muito mais rico e, em nossa opinião, uma coleção de canções que falam ao coração de quem somos como pessoas e como banda.
 
As primeiras críticas têm sido excelentes. Sinceramente, estavam à espera?
Não mesmo! Já ficaríamos felizes se alguém nos ouvisse com toda a música incrível que se faz atualmente. Agora pensar que as pessoas realmente o apreciam e parecem ser receptivos à mensagem que tentamos enviar com o álbum faz-nos muito animados.
 
Queres falar um pouco dos convidados que aparecem em The Pace e o papel que desempenharam no resultado final do disco?
Tivemos alguns convidados incríveis nesse disco que trouxeram algumas camadas e preencheram algumas peças que estavam em falta. Andrew Tavis, que também produziu o álbum, tocou harmónica em Ain´t On Our Way; um amigo de infância de Dan Paggi, Steven Spinner, trouxe o sax tenor que se ouve em Rolling Deep Into the Backwoods e Josh Yenne tocou pedal steel em The Winding Rivers of Northern California e Long Arm Of The Law. Todas as contribuições são incríveis e estes artistas foram de um valor inestimável para este disco, que não seria o mesmo sem eles.
 
Como decorreu o processo de gravação?
O processo de gravação foi longo, cerca de dois anos, que foi talvez um pouco mais do que o inicialmente previsto. Todos nós trabalhamos de dia e, como tal, fomos obrigados a espremer o tempo em estúdio à noite e nos fins de semana quando podíamos. Felizmente todos estavam totalmente comprometidos a investir no projeto, e as horas gastas em estúdio foram algumas das mais divertidas das nossas vidas.
 
A vossa música não é muito fácil de descrever e é muito eclética. Como a descreverias tu próprio?
Enquanto estilo, geralmente incluímo-nos na categoria do indie-rock/alt-folk. As coisas podem mudar de música para música, mas a maioria são escritas com uma certa sensibilidade rock dos anos 60s/70s em mente.
 
E com tanto ecletismo, é fácil de gerir o processo de escrita com tantos estilos introduzidos?
A nossa composição é muito colaborativa entre os cinco membros. Geralmente alguém traz uma ideia ou a estrutura de uma música para o grupo e vamos trabalhar juntos a partir dela para criar a sua forma final. Devido a isso, nunca se pode prever exatamente que "estilo" uma determinada música vai acabar por ser e é o melhor em inconsciente subproduto da colaboração do grupo. Achamos que isso ajuda a manter as coisas diferentes e emocionantes de música para música, mantendo um som familiar em todo o álbum.
 
Estão prontos para ir para a estrada promover The Pace? Já há alguma coisa planeada?
Iremos fazer alguns espetáculos por todo o noroeste do Pacífico no que resta de 2013, o que podem conferir no nosso site (www.bivband.com) para mais detalhes. O nosso próximo espetáculo será dia 4 de maio de 2013, na SF Bay Chili Cookoff em Oakland (www.sfbaychilicookoff.com).
 
A terminar, dava-te a oportunidade de dizer algo mais para os nossos leitores...
Muito obrigado por usarem o tempo a ouvir e ler sobre nós; esperamos que gostem do que ouvem e adquiram uma cópia do nosso novo álbum, The Pace, disponível a partir de 16 de abril, 2013!

Sem comentários: