Review: Cottonwoodhill (Brainticket)

Cottonwoodhill (Brainticket)
(2013, Purple Pyramid)
 
A Purple Pyramid arrisca a reedição de um dos mais controversos discos da história do rock. Localizemo-nos: os Brainticket são o projeto idealizado por Joel Vandroogenbroek, músico belga sediado na Suiça, estudante e executante de jazz em alguns dos melhores clubes europeus. Joel chegou a receber o prémio Youngest Jazz Pianist aos 15 anos, mas a certa altura, descobriu os artistas germânicos do então chamado krautrock (nomes como Amon Duu II, Can ou Tangerine Dream). Joel reuniu alguns músicos e assim nasceram os Brainticket que em 1971 editariam Cottonwoodhill, o trabalho agora reeditado. A coisa na altura não correu muito bem, com a associação do projeto ao consumo de drogas psicadélicas e o álbum foi proibido em alguns países, Estados Unidos incluídos. Também a estratégia da editora não foi muito feliz, se considerarmos a época em questão. O próprio disco trazia uma etiqueta com a inscrição “only listen once a day to this record. Your brain might be destroyed” ou “after listening to this disc your friend’s won’t know you anymore”. O álbum tem apenas quatro temas: dois curtos e dois mais longos. Os mais curtos têm alguma musicalidade, dentro da sua linha altamente psicadélica, de art-rock, completamente avantgard. Black Sand, particularmente, é um grande tema, num cruzamento entre The Doors e Jimi Hendrix. Em Places Of Light surge a voz pela primeira vez embora sempre em forma de narração. O trabalho de flauta e um órgão pulsante contribuem para a criação de outro grande tema de rock psicadélico. As duas partes de Brainticket são longas e indescritíveis. As vozes sussurram, gemem, berram, suspiram… A estrutura rítmica é repetida até à exaustão e nelas são construídos, manipulados e produzidos ruídos e sons completamente paranoicos. Com uma forte componente sexual, estes dois temas acabam por dar razão às inscrições existentes no disco: realmente colocam em causa e em risco a sanidade mental de quem ouve. Trata-se de experimentalismo e psicadelismo levados ao extremo. Alucinante, demente e paranoico, os amantes deste tipo de sonoridade certamente gostarão de recuperar.
 
Tracklist:
1.      Black Sand
2.      Places Of Light
3.      Brainticket Part I
4.      Brainticket Part II
 
Line-up:
Joel Vandroogenbroeck – órgão, flauta
Ron Bryer – guitarras
Werni Frolich – baixo
Cosmo Lampis – bateria
Wolfgang Paap – tablar
Dawn Muir – vozes
Hillmuth Klobe – potenciómetros, geradores e efeitos sonoros
 
Internet:
 
Edição: Purple Pyramid

Comentários