Entrevista: Goodbye June


A história dos Goodbye June é deveras peculiar, mas o que na verdade faz deste coletivo, agora sedeado em Nashville, um nome a reter não é o facto de ter sido uma morte que os juntou. É o facto de Nor The Wild Music Flows, o trabalho de estreia se revelar uma obra que recupera aquele feeeling rock dos monstros sagrados do passado. Por isso, Via Nocturna quis conhecer um pouco mais dos Goodbye June.

Viva! Muito prazer em poder conversar contigo e obrigado pela tua disponibilidade para responder a Via Nocturna. Podemos começar pelo início, porque o nascimento dos Goodbye June foi um pouco peculiar. Queres contar aos nossos leitores como tudo aconteceu?
Em junho de 2005, o irmão de Tyler (primo de Landon e de Brandon) estava em casa em licença militar e teve um acidente de carro fatal. Brandon e Landon viajaram para a minha casa para estarem com a minha família durante as semanas após o funeral. Já estávamos a pensar começar uma banda juntos, mas essa tragédia uniu-nos. Nas semanas que se seguiram, escrevemos algumas das nossas primeiras músicas juntos. Mais tarde, gostaríamos de formar e chamar a banda de Goodbye June para homenagear nosso irmão/primo e para lembrar esse período das nossas vidas.

 
E toda essa situação algo estranha tem influenciado o processo de criação das vossas canções? Isto é, as vossas letras lidam com isso ou não?
Todo esse tempo das nossas vidas tem estado encapsulado no nosso primeiro álbum, e embora não tenhamos nenhuma música que apenas fale da sua morte, lidamos com muitas emoções através da nossa música. Mas também há muita diversão e momentos alegres no álbum.

 
Continuando, podes falar um pouco do vosso desenvolvimento até agora?
Há cerca de quatro anos atrás, mudamo-nos para Nashville TN, para prosseguir a nossa paixão pela música. Estávamos todos em cidades pequenas e Nashville é o centro de música mais próximo de nós. Nos nossos primeiros dias em Nashville assinamos um contrato de management e começamos a gravar demos com o nosso primeiro produtor. Essas demos evoluíram e tornaram-se parte de Nor The Wild Music Flow. Começamos uma tournée de suporte a este álbum há cerca de um ano atrás e proximamente faremos uma tournée europeia com 28 datas em 35 dias.

 
Afinal de contas, vocês são todos familiares (primos e irmãos). É mais ou menos difícil manter uma banda havendo também relações familiares?
Felizmente não nos chateamos muito, mas quando o fazemos normalmente superamos isso rapidamente. Somos uma banda desde 2005 e desde então todos nós três realmente entendemos a visão de Goodbye June que queremos concretizar.

 
E quais são as vossas principais influências?
Todos nós ouvimos os Kings of Leon a crescer, portanto, gostamos da sua música. No entanto, aproximamo-nos de nomes como Beatles, Led Zeppelin, Creedence Clearwater Revival, Hank Williams, Johnny Cash e outras grandes bandas de Nashville como os The Delta Saints. Atualmente, vive-se uma grande cena em Nashville, TN, e não apenas limitada ao country. Muitas bandas de rock estão a surgir!

 
Sei que alguns familiares diretos vossos têm ligações fortes com a Igreja. De alguma forma isso influencia a vossa música?
Todos nós crescemos a tocar em igrejas, por isso temos uma forte ligação com a música gospel e hinos country. Por isso, independentemente de querermos ou não, isso acaba por se refletir na nossa música. Não é algo que nos envergonhemos ou que queiramos esconder, nós aceitamos, somos como somos. A emoção que a música gospel nos transmitiu enquanto a tocávamos, ensinou-nos muito sobre como escrever canções de rock. No entanto, nós cantamos muito sobre noites barulhentas e travessuras em geral.

 
Nor The Wild Music Flow é, então, a vossa estreia. Estão totalmente satisfeitos com o resultado final? É quais são as vossas expetativas?
Estamos muito orgulhosos de Nor The Wild Music Flow. Este álbum ensinou-nos muito sobre nós mesmos e realmente ensinou-nos a ser Goodbye June. Com isso dito, estamos muito animados sobre o crescimento e a expansão para os nossos álbuns futuros e acredito que Nor The Wild Music Flow foi um grande começo, mas temos muito mais para oferecer.

 
E nas tuas próprias palavras, como descreverias este trabalho?
Nor The Wild Music Flow explora um monte de espaço e emoção. Irás notar que há uma grande diferença entre a primeira canção Man I Am e a última Tent Revival. E isso foi porque tentámos explorar os nossos limites. Esperemos que seja especial para os ouvintes e que se sintam parte dele quando ouvirem este álbum. No geral, nós tentamos capturar a nossa juventude e os primeiros dias em Nashville com este álbum.

 
Já existe algum vídeo para promover o álbum? Podem adiantar alguma coisa a este respeito?
O nosso primeiro vídeo musical foi para a canção Microscope. Esse foi um vídeo muito divertido de fazer e que tentamos torná-lo interessante para quem o vê. Vais notar que NFL Head Coach Jeff Fisher e cantor country Steve Holy são os polícias. Nós tentamos torná-lo tão louco quanto possível, de modo que capotamos um carro, tivemos uma cena de tiroteio e as pessoas voaram até às folhas… Por que não?

 
Ainda andam em tournée pelos EUA e brevemente vêm à Europa…
Sim, estamos atualmente em tournée pelos EUA, mas em outubro, faremos 28 datas na Europa. Esta será a nossa primeira tournée europeia por isso estamos muito entusiasmados. Será a viagem mais longa que qualquer um de nós já fez! De certeza que iremos escrever muitas músicas a partir das experiências malucas que teremos na Europa.

 
Finalmente queres acrescentar mais alguma coisa para os nossos leitores e para os vossos fãs?
Mal podemos esperar pela nossa tournée pela Europa, que vai ser um tempo maluco... Preparem-se.

Comentários