quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Review: Desolation Rose (The Flower Kings)

Desolation Rose (The Flower Kings)
(2013, InsideOut Music)

Depois de cinco anos em silêncio, os magos do prog rock sueco, The Flowers Kings assinam dois álbuns em anos consecutivos. Desolation Rose sucede assim ao muito bem-sucedido Banks Of Eden e apesar de manter intactas todas as principais caraterísticas que fizeram dos The Flower Kings um nome de referência no seu segmento, este novo trabalho parece um pouco menos inspirado que o anterior. Claro que quem gosta do quinteto tem aqui todos os motivos para gostar de mais este disco. Um álbum extremamente orgânico, envolvente, muito analógico, variações rítmicas introduzidas a preceito, perfeito equilíbrio entre guitarras, pianos e órgãos, secção rítmica diversificada e dinâmica e linhas complexas que, apesar de tudo, em nada tornam as canções maçadoras. Desolation Rose tem apenas um tema longo, Tower ONE com 13 minutos e isso mostra que o coletivo está cada vez mais preocupado em construir canções. E a realidade mostra-nos que, com menos tempo, os suecos conseguem igualmente incorporar todos os pormenores que aparecem nos temas longos. Curiosamente num álbum tão orgânico consideramos o melhor tema o maquinal e robotizado White Tuxedos. E num trabalho, também ele pouco dado a melodias orelhudas, Dark Fascist Skies tem o refrão com a mais bela melodia. Assumia-se como muito difícil a missão de fazer um álbum próximo de Banks Of Eden mas os The Flower Kings tentaram. Não chegaram lá, mas também não andaram muito longe. Também é verdade que com a capacidade técnica que cada elemento possui, mesmo que as canções sejam menos apelativas, dá gosto ouvir simplesmente a forma como cada um dos cinco executa o seu instrumento. E também nesse particular Desolation Rose é um excelente testemunho.

Tracklist:
1 Tower ONE 
2 Sleeping Bones
3 Desolation Road
4  White Tuxedos
5 The Resurrected Judas
6 Silent Masses
7 Last Carnivor
8 Dark Fascist Skies
9 Blood Of Eden
10 Silent Graveyards

Line-up:
Roine Stolt – guitarras, vocais e teclados
Jonas Reingold – baixo e vocais
Tomas Bodin – grande piano e teclados
Hasse Fröberg – vocais e guitarras 
Felix Lehrmann – bateria e percussão

Internet:

Edição: InsideOut Music 

Sem comentários: