quarta-feira, 8 de julho de 2015

Entrevistas: Sacred Blood


Ao contrário da economia, o metal grego está bem e recomenda-se com um conjunto de novos nomes a surgirem e a assinarem trabalhos de inegável qualidade. E numa altura em que só se ouve falar de Nai e Oxi, dracma e euro, fomos ter com Polydeykis para falarmos de algo tão ou mais importante – as sensações trazidas por um conjunto de músicas épicas que elevam a história e o orgulho gregos ao mais alto pedestal.
  
Viva Polydeykis! Novo álbum nas ruas, quais são os vossos sentimentos neste momento?
Sentimo-nos muito bem quanto a este novo álbum. Estivemos muito tempo a prepará-lo e agora que está cá fora é um sentimento incrível! Fizemos um grande esforço e estamos muito felizes por o poder compartilhar com o resto do mundo!

Sendo este o vosso terceiro álbum, gostaria de te perguntar se mudaram alguma coisa no vosso método de trabalho desta vez...
O método foi mais ou menos semelhante ao do nosso álbum anterior, mas há uma melhor relação entre os membros da banda e assim as gravações fluem mais facilmente e o resultado final saiu melhor, na minha humilde opinião. Cada um de nós sabe o seu papel na banda e na execução das suas tarefas pede o contributo dos outros membros. Por exemplo, eu posso ser o principal compositor da banda, mas muitas vezes o nosso cantor Epeios ou o nosso produtor Vangelis Yalamas puseram as suas ideias que eram melhores, misturando-as completamente. Em qualquer caso, é muito divertido de escrever canções com Sacred Blood e estamos a aproveitar isso, com certeza, e esperamos que vocês façam o mesmo.

Sendo Argonautica o resultado da vossa natural evolução enquanto banda, quais são as principais diferenças para os álbuns anteriores?
Acho que em Argonautica tivemos mais trabalho nas próprias composições; mais passagens orquestrais, riffs mais pesados, mais linhas vocais. Acho que este álbum é mais pesado, mais épico e mais folk que nunca!!

Continuam a introduzir esses elementos folk na vossa sonoridade épica. Como trabalham estes aspetos da música?
Os instrumentos folk é algo que nos fascina. São relíquias de uma era muito longínqua e nós gostamos muito de imbuir as nossas músicas com os seus sons únicos dando assim um toque de "antiguidade". A implementação de órgãos folk surge espontaneamente de cada vez que temos uma boa ideia para enfatizar a trama e misturar-se com a música em si!

Por que um título como Argonautica? Podes explicar o seu significado? Continuam a manter essa tendência para a história grega?
Argonautica em grego significa a "saga dos Argonautas", sendo Argo o nome do navio e "nauts", marinheiros. Argonautica é também o nome de um de muitos poemas épicos semelhantes escritos por estudiosos antigos, que descrevem as aventuras de Jason e os Argonautas, uma viagem aos mitos, lendas, enfrentando feras incríveis, vilões e, claro, como em todas as histórias gregas, com deuses poderosos ao seu lado. Claro, estes poemas épicos não são apenas mitos, mas para um pesquisador sério, é uma viagem à história há muito esquecida, através de alegorias e exemplos semelhantes. Mais alimento para a mente num segundo ponto de vista!!

Contam com alguns convidados neste álbum. Quem são eles e como os contactaram?
Estou muito orgulhoso por ter tido estes convidados, já que são todos pessoas únicas e que nos honram com a sua amizade. Primeiro de tudo temos Hildr Valkyrie nos vocais femininos, cujo épico tom vocal é único. Temos também Sir Andrew McPleary, um veterano da gaita-de-foles que veio do Reino Unido e Aled Pashley para as passagens vocais em inglês que veio do País de Gales. Kyriakos Vasdokas e Leon Tsorbatsoglou, os dois guitarristas da banda grega de speed metal Crosswind que emprestaram ao nosso álbum um pouco da sua classe e, claro, por último mas não menos importante, o escritor Marios Koutsoukos, uma pessoa que não considero como um convidado, mas um membro honorário dos Sacred Blood que escreveu todas as letras do álbum e emprestou a sua voz para as partes de língua grega antiga.

Como está o aço Helénico? Suficientemente forte? Podemos considerar Sacred Blood como o principal nome?
Por aço Helénico suponho que te refiras à cena metal Helénica, que em minha opinião está a tornar-se uma verdadeira força a ser reconhecida. Muitas bandas com ideias originais e verdadeira dedicação têm vindo a juntar-se às fileiras de metal grego e irão ser notadas no futuro. Os Sacred Blood estão a fazer o seu melhor e tenha a certeza de que ainda teremos muitos contos para cantar juntos.

Muito obrigado Polydeykis. Queres acrescentar mais alguma coisa?
Gostaria de dizer que a história grega antiga é uma verdadeira inspiração para nós, porque não só dá verdadeiros exemplos para as pessoas, como também tem imensas histórias de fantasia e carrega segredos escondidos únicos. Metal on brothers and sisters!!!

Sem comentários: