Ópera Spectacular

Ópera Spectacular

Review: My Winter Storm (Tarja)


Ora aí está o primeiro trabalho a sério de Tarja Turunen após o seu afastamento dos Nightwish. E dizemos a sério, porque a soprano já havia editado, em 2004, dois singles e um EP com canções de Natal, proeza que repetiu no Natal do ano transacto com o lançamento do álbum Henkays Ikusuudesta. Foram, no total, quatro gravações, três delas ainda como vocalista dos mestres finlandeses e a última já como despedida, sendo que todos estes lançamentos incluíam apenas versões. Por isso, esta era a prova de fogo para aquela que é considerada (inclusive por nós) como a melhor vocalista de metal da actualidade. E para a sua prova de fogo, a soprano finlandesa escolheu o mesmo campo onde tem sido rainha nos últimos anos: o campo dos Nightwish. Aliás, é inevitável a comparação dos dois trabalhos das duas bandas: My Winter Storm e Dark Passion Play. E as semelhanças são tantas que até aqui encontramos um Oasis em resposta ao Sahara dos Nightwish. E o que se pode dizer dessa comparação é que à primeira vista se verifica um empate técnico. Em alguns pontos Tarja supera Nightwish, noutros os segundos superam a primeira. Ora vejamos cada um de per si: em termos vocais, My Winter Storm está claramente à frente de Dark Passion Play porque, quer se queira quer não, Annete Olzon está a anos-luz da sua antecessora. E Tarja volta a demonstrar (se é que era preciso!) que se trata de uma vocalista perfeita em qualquer sub-género. Seja no metal, seja no gótico, seja na ópera, a sua prestação é simplesmente soberba. No campo orquestral, de facto My Winter Storm presenteia-nos com um trabalho portentoso mas que se pode considerar equiparado ao do trabalho da antiga banda da vocalista. Ora, onde este trabalho perde é mesmo na qualidade dos temas. De um modo geral são agradáveis mas falta aquele toque de Midas que só um génio como Tuomas Holopainen consegue dar. E este génio já cá não está. Além disso alguns interlúdios desnecessários e uma perfeitamente dispensável (independentemente do soberbo solo de violoncelo) versão de Poison (de Alice Cooper) acabam por contribuir para a baixa da classificação. Ainda assim, temas como I Walk Alone, The Reign, Die Alive, Oasis ou Minor Heaven ficarão, certamente, como dos melhores do ano. Mas considerando este último item como o mais importante dos três avaliados, conclui-se que no prolongamento, o empata referido transforma-se em derrota de Tarja Turunen que assim perde o primeiro round com a sua ex-banda.

Line-up: Tarja Turunen (vocais), Doug Wimbish (baixo), Alex Scholpp (guitarra), Mike Terrana (bateria), Maria Ilmoniemi (teclados), Max Slija (violoncelo), Markus Hohti (violoncelo), Toni Turunen (guitarra)


Website: http://www.tarjaturunen.com/


Tracklisting:
01.Ite, missa est
02.I Walk Alone
03.Lost Northern Star
04.Seeking for The Reign
05.The Reign
06.The escape of the Doll
07.My Little Phoenix
08. Die Alive
09.Boy and the ghost
10.Sing for me
11.Oasis
12.Poison (Alice Cooper Cover)
13.Our Great Divide
14.Sunset
15.Damned and Divine
16.Ciaran’s Well
17.Minor Heaven
18.Calling Grace
19.Damned Vampire & Gothic Divine (Bonus)
20.I Walk Alone (Artist Version, Bonus)
21.I Walk Alone (In Extremo Remix, Bonus)


Edição: Universal Music (www.universal-music.de/inhalt/musik/)

Nota VN: 16,83 (20º)

Comentários

  1. Estou ouvindo seguidamente os dois albuns, o de Tarja e o novo do Nightwish. Busquei no google por "reviews", e encontrei este, que está muito bem escrito, parabéns. Deixo o comentário que realmente os vocais de Tarja são coisa de outro mundo. A faixa 4 é emocionante, e a que abre o álbum, marcante. O album em si é muito bom, mas conhecedores do Nightwish vão provavelmente sentir falta da genialidade de Tuomas, e alguns até podem dizer que "My Winter Storm" é pobre se comparado a "Dark Passion Play". Enfim, vale a pena ouvir os dois, pois ambos não são discos "digeríveis" à primeira ouvida!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo elogio. De facto este é o meu sentimento a respeito do trabalho de Tarja. Que tem, de facto, um par de temas verdadeiramente soberbos como aqueles que referiu e que são coincidentes com aqueles que referi na review.

    ResponderEliminar
  3. Sou uma leitora fiel deste blog e gosto muito das vossas reviews. Também gostei desta, mas achei um pouco desnecessária a comparação mais ou menos exaustiva com o "Dark Passion Play". São dois excelentes álbuns, mas a única coisa que têm em comum é a Tarja ter sido vocalista dos Nightwish. De resto, "Dark Passion Play" é um álbum de metal, enquanto que o "My Winter Storm" não é, embora sejam óbvias algumas influências. Compreendo que a tentação de comparar seja grande, mas não acho justo... e tão-pouco é justo encarar isto como uma espécie de competição.
    Além disso, esta é a primeira verdadeira experiência a solo da Tarja, pelo que considero que iniciou a sua carreira a solo com chave de ouro.

    Continuem a vosso excelente trabalho e... Feliz Natal ;)

    ResponderEliminar
  4. Esse caminho para a review era um dos possíveis... E quer se queira quer não, a comparação era inevitável, a meu ver. E, concordando com facto de My Winter Storm, não ser um álbum de metal na sua verdadeira acepção, também não é menos verdade, que em muitos momentos está lá bem próximo. De qualquer forma, obrigado pela opinião. É assim que crescemos. E obrigado, também, pelo incentivo. Bom Natal...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário