Entrevista: JPCavadas


João Paulo Cavadas é JP Cavadas que já esteve nos Nefelibatas com quem lançou Perfume da Paz, embora o que, desta vez, nos traz até ao músico de Cantanhede é o   álbum em nome próprio Relaxe. Um instrumentista – uma guitarra – 14 poesias – uma aguarela em papel. O resultado é um disco de canções subtis e genuínas de um trovadorismo que pareciam já não existir. Descubram JP Cavadas na primeira pessoa.

Olá João Paulo, como estás? Obrigado pela disponibilidade! Para começar podes apresentar esta tua aventura musical intitulada Relaxe?
Olá Pedro, olá Via Nocturna. A minha disponibilidade para falar sobre a minha música é total, muito mais com quem, diariamente procura e promove também trabalhos de autor e independentes. Por isso, deixo-te já um reconhecimento do valor do Via Nocturna para o panorama da música feita cá e lá. Todos devemos estar atentos às vossas propostas e procurar ouvir outras sonoridades que nos propõem. Falando sobre esta “Aventura” como tão bem dizes, porque é mesmo uma Aventura, toda a movimentação pela promoção desta música depende do meu entusiasmo e iniciativa. Felizmente que tenho constatado abertura por algumas lojas convencionais e pelos canais mais alternativos como blogs e rádios independentes e assim publicito a minha existência como músico cant’autor usando também as redes sociais. Esta Aventura vem detrás quando um amigo escritor, o António Canteiro, certo dia, entregou-me um maço de folhas impressas e disse-me que seria o seu próximo livro (O silêncio solar das manhãs - editado pela Gradiva) e disse-me: “faz daqui umas músicas”. Nessa noite, desenhei umas melodias muito interessantes que deram imediatamente origem a quatro canções com os poemas do António Canteiro. A partir deste momento, comecei a ser convidado para apresentar os meus originais em lançamentos de livros, exposições, tertúlias, e fui conhecendo novos poetas e poetisas e recolhendo novas ideias. O Relaxe é um processo dinâmico que tem uma razão de existência, é o culminar de toda a experiência num meio muito cultural entre amigos. Assim, este álbum acaba por dar voz a quem se cruzou comigo: para além dos meus 4 poemas, juntei os de António Canteiro, Fátima Negrão, Rosa Maria Ribeiro, Renato Cavadas, Duarte Henriques, Ângela Gentil e Ades Nascimento (um amigo músico/compositor e poeta de Curitiba já do tempo dos Nefelibatas). Senti necessidade de eternizar todos os momentos passados através deste trabalho. E como algumas canções surgiram de um meio mais literário decidi imprimir uma sonoridade mais acústica, introspetiva e quente bem própria das cordas de nylon da minha guitarra elétrica/acústica.

Mas podemos ir um pouco mais atrás, e falar da tua experiência no campo da música, nomeadamente do teu álbum com os Nefelibatas? Qual é ponto da situação desta banda?
Os Nefelibatas foi o meu primeiro projeto de originais, também edição de autor, em que todas as canções são da minha autoria. Resultam sempre do somatório de qualquer coisa, da nossa experiência quotidiana, das vivências, muito autobiográfico, por isso também muito importante para mim. O álbum Perfume da Paz foi apresentado em 2004, já lá vão muitos anos, mas é um excelente álbum, desculpem esta vaidade, mas é na verdade, para mim, mais um excelente álbum, como muitos de vários músicos criadores de grandes trabalhos que se perdem e que não são devidamente divulgados e escutados porque não entram no grande circuito de divulgação dos media. No entanto, quem cria e sonha em mostrar um pouco de si aos outros, sente um entusiasmo e uma sensação única porque é um pouco de nós, intervenientes da banda, que está entranhado nessa música única e original. O álbum está disponível nas plataformas digitais - Perfume da Paz – procurem!

Que objetivos traçaste para Relaxe? Conseguiste concretizá-los?
O som do Relaxe é simples. Uma voz, uma guitarra. Procurei valorizar a simplicidade, sem recurso aos sons samplados, sem ritmos. O ritmo está no teu interior ao escutares. Procuro afirmar que uma canção pode parecer despida, mas oferece-te a sua autenticidade. E nesse sentido, este objetivo está a ser concretizado, porque recebo feedback positivo de vários lados. Claro que também há opiniões contrárias que sei valorizar. Existiu uma edição física em CD que se encontra à venda em algumas lojas FNAC (Leiria, Viseu e Almada), na TNT (Campolide) e no CEM (Cantanhede). Podes também ouvir o Relaxe em qualquer plataforma digital de venda de música. Para mim, foi muito importante trazer para este projeto os meus dois filhos, o Renato Cavadas, autor do poema Viagem ao Mundo dos Sonhos e todo o design e capa de autoria da Inês Cavadas. A concretização do objetivo do reconhecimento desta música vai depender se o público se identificar com esta proposta e se mudar a sua atitude perante os media. Em vez de ser um público passivo, se passar a ser um público ativo, interveniente e influenciador. Juntando a tudo isto, a vossa atitude exemplar, Via Nocturna, em prol da diversidade e diferença no mundo da música permitirá dar espaço às escolhas feitas por um público mais informado e menos influenciável.

Sei que também ao nível da gravação procuraste que este sentimento orgânico não se perdesse. Como foi esse processo?
Gravei no Estúdio MASTERMIX, em Tentúgal, do Pedro Janela. E foi uma gravação também ela muito orgânica, muito autêntica. Usei uma ligação direta para a guitarra e simultaneamente gravei a voz. Não usei o metrónomo para não influenciar a minha interpretação. Com algumas nuances, um concerto acústico aproxima-se com a sonoridade do álbum. Há quem diga que ao vivo é melhor e só posso ficar satisfeito, pois há aqui sempre o elemento do espetáculo, da interação e envolvência com o público.

Mas, Relaxe, para além de música é também poesia e artes plásticas. De que forma elas se cruzam?
O design gráfico é da responsabilidade da Inês Cavadas e o cromatismo empregue surge de uma aguarela da sua autoria. No interior da embalagem encartonada digipack existe um livro com 16 páginas, onde podem ler os poemas das 14 canções, visionar as fotografias, uma imagem integral da pintura Aguarela em papel (sem título) e informação. Este CD aglutina a música, a poesia e as artes plásticas. Neste objeto CD, tudo é valorizado. O Relaxe dá voz, em forma de canção, às minhas palavras, às do António Canteiro, Ades Nascimento, Fátima Negrão, Rosa Maria Ribeiro, Renato Cavadas, Ângela Gentil e Duarte Henriques de quem eu agradeço terem embarcado neste projeto porque são amigos e o que fazem tem a marca de qualidade.

Sei que algumas destas músicas aqui presentes já foram experimentadas em formato banda. Qual a sensação de agora as despires quase completamente?
Já experimentei tocar algumas das músicas em vários formatos. Com formato banda o resultado é obviamente diferente, completo, há uma envolvência diferente e igualmente estimulante. Podes ouvir alguns dos exemplos no canal www.youtube.com/jpaulocavadas. Já toquei em concerto num arranjo pop rock o original Agora numa tentativa de reedição do projeto Nefelibatas e o resultado foi fantástico, ofereceu muita adrenalina. Mas tudo resulta das nossas opções do momento. Desta forma apresentada com o álbum Relaxe eu dependo exclusivamente de mim próprio, optando por uma sonoridade mais acolhedora e calma que também é preciso para os nossos momentos antisstress.

E há vontade, ou pelo menos, a ideia de lhes voltar a colocar outro tipo de roupagem?
Tudo é possível. Eu acho, que depois deste formato algo solitário poderei trabalhar algumas das canções e apresentá-las de uma forma diferente num futuro trabalho em banda. A música é como a roupa: no verão despimo-nos, no inverno cobrimo-nos e podemos usar a roupa para a mais diversa ocasião, temos é de nos sentir bem com ela. No entanto, não gosto de ficar agarrado ao que tenho, mas sim criar ideias novas, porque também tudo muda e somos surpreendidos no nosso dia a dia. Mas, no entanto, aproveito para vos agradecer a divulgação do videoclipe filmado pela CMNovais Produções na Praia de S. Martinho do Porto e em Ançã e que contou com a participação do ator Bruno Fernandes e com a modelo e bailarina Maria do Mar. Para dar o toque final tivemos a participação do João Ferreira na edição do videoclipe. Dêem uma espreitadelaA imagem ajuda a compreender a música e as opções.

Há planos para a apresentação deste conjunto de temas ao vivo?
Sim, irei estar na EXPOFACIC, em Cantanhede, no palco RFM no dia 2 de agosto às 20h onde farei uma mix entre as canções dos meus dois álbuns Perfume da Paz e Relaxe e algumas canções já conhecidas de outros autores. Entretanto, já fiz o meu percurso de divulgação por algumas lojas FNAC e outros pequenos espaços. Vamos aguardar por mais propostas para que mais me possam conhecer.

Em que outros projetos estás a trabalhar atualmente ou estás a pensar executar no futuro.
Estou a pensar em concretizar um projeto de música infantil, pois acho que está a fazer falta à nossa criançada mais pequena. Tenho muitas canções infantis que fazem parte do trabalho final da pós-graduação em Gestão nas Indústrias da Música que finalizei recentemente. E, claro, pretendo continuar a criar sempre que for impulsionado pela inspiração do momento.

Muito obrigado, João Paulo! Dou-te a oportunidade de acrescentares mais alguma coisa se assim o desejares…
Obrigado pela oportunidade que me dás em divulgar a existência do meu trabalho criativo e convido os teus leitores ouvintes/admiradores a passearem pelo site www.jpcavadas.com e inscreverem-se no meu canal www.youtube.com/jpaulocavadas . Uma canção por mais atraente que seja, só tem razão de existir se for partilhada, divulgada e escutada. Façam isso, partilhem, comentem, ouçam a música independente. Façam todos parte deste processo de valorização do ato criativo musical – pela diversidade da música. Muito obrigado a todos !



Comentários

  1. Respostas
    1. Obrigado, Mário. "Sempre bem" significa que nos conhecemos? www.jpcavadas.com

      Eliminar
  2. Claro que sim. Sou o Mário de Alverca. Estivemos juntos na FNAC Almada à pouco tempo.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário