Ópera Spectacular

Ópera Spectacular

Entrevista: Flying Circus

 


O último álbum dos Flying Circus, 1968, foi muito bem recebido e, aproveitando esse sucesso, e com a atividade ao vivo completamente parada, a banda alemã quis aproveitar para mostrar o seu trajeto passado que lhe permitiu chegar onde está. Assim surge este best of homónimo que não é um best of vulgar. De facto, os temas mais antigos foram todos regravados com a nova formação e, nalguns casos, até houve alterações significativas. Um novo álbum de originais não deve acontecer antes de 2023, embora possa acontecer alguma surpresa antes, como nos confidenciou o vocalista Michael Dorp.

 

Olá, Michael, como estás e quais são os teus sentimentos em relação ao vosso novo álbum - Flying Circus?

Olá, Pedro, muito obrigado por perguntares! Todos na banda estão bem (o que é muito a dizer durante os tempos de pandemia) e muito animados com as primeiras - muito positivas - reações ao álbum. Os críticos sempre foram muito gentis connosco, mas parece que estão ainda mais entusiasmados com este lançamento - não importa de que país eles venham. Mas nós próprios também estamos muito orgulhosos do álbum, especialmente em relação às regravações de material antigo e à nova música. Talvez porque fomos capazes de organizar e gravar algo assim, apesar da crise pandémica, mostrou-nos que ainda somos capazes de operar.

 

Depois do sucesso 1968, quando pensaram que estava na altura certa para um best of?

Acho que houve três fatores: primeiro, o nosso último álbum regular foi muito bem recebido, como disseste, mas em muitas análises de 1968, lemos frases como: "Estou surpreendido por nunca ter ouvido falar desta banda antes", por isso sentimos que era necessário corrigir isso; para mostrar a todos que ainda não nos conheciam, que realmente tínhamos um catálogo substancial e que somos uma banda de longa data com mais a oferecer do que apenas aquele último álbum. E é claro que não podíamos tocar ao vivo por causa de todas as medidas anti COVID em vigor em todo o mundo, portanto uma coisa que podíamos fazer era trabalhar no estúdio. A terceira coisa é que em 2020 foi o nosso 30º aniversário. É claro que também queríamos comemorar isso ao vivo, mas como isso simplesmente não foi possível, parecia uma pena se não fizéssemos pelo menos ALGUMA COISA. Em resumo: um best of era realmente a coisa ideal para ser feita!

 

Mas este não é um best of tradicional. Podes explicar em que consiste e todo o trabalho que têm nesta coleção de canções?

Sim, de facto - não é apenas uma compilação de versões antigas. Porque não queríamos apenas mostrar o nosso passado, mas principalmente onde a banda está hoje. Como sabes, tivemos uma grande mudança no line-up por volta de 2011/2012, e tudo o que havia acontecido antes era bom demais para ser descartado, mas com o passar dos anos, a nossa experiência como músicos, compositores, arranjadores e produtores cresceu tanto que sentimos que poderíamos tornar todas as canções mais antigas ainda mais emocionantes do que da primeira vez - especialmente com os "novos" membros agora na banda, Ande Roderigo na bateria e voz e Rüdiger Blömer nos teclados e violino. Assim, escolhemos 8 músicas da primeira era da banda e regravamo-las completamente do zero e às vezes até ousamos fazer algumas mudanças importantes nos arranjos, como adicionar instrumentos diferentes que não estavam disponíveis para a banda no passado - especialmente o violino ou ter o nosso baterista Ande a cantar os vocais aqui e ali para mostrar o quanto de talento realmente existe na banda. E eu acho que vocês também podem ouvir que todas as vezes que tínhamos que usar samples de cordas no passado, agora existem instrumentos de cordas reais a serem tocados, todos gravados em camadas por Rüdiger. Ele já tinha feito isso nas outras gravações que fizemos com ele, mas é claro que não nas músicas mais antigas. Daí o processo de regravar tudo anterior a 2011 e remisturar algumas faixas dos anos intermediários, é claro, faz o álbum soar muito completo e harmonioso - acho que não soa como uma compilação, mas sim como uma gravação feita do mesmo molde de uma só vez. Ouves o mesmo kit de bateria em todas as gravações, o mesmo par de guitarras, baixos, teclados e violinos e, claro, tem as mesmas cinco pessoas a tocar todas as músicas do começo ao fim.

 

Também apresentam aqui uma nova música. Qual é e que direção toma? Poderá indicar uma direção futura para um novo álbum de estúdio?

Sim, foi muito importante para nós incluir uma música completamente nova. Porque, por um lado, queríamos demonstrar a nós mesmos que ainda podíamos ser produtivos, apesar dessa coisa do covid - porque isso é muito difícil para nós. Repara: existem algumas pessoas na banda que vêm de grupos de risco ou vivem junto com pessoas com alto risco de adoecer, portanto nunca nos reunimos com a banda toda no processo de gravação - o que é o oposto do que normalmente fazemos. Quando o nosso baixista e proprietário do estúdio Roger Weitz gravou as faixas de bateria de Ande Roderigo, Ande estava na sala de gravação e Roger na sala de controle sem se encontrarem diretamente, exceto para pausas ao ar livre. Mais: a nova música, Dystopia, foi composta apenas com arquivos de som a serem enviados para lá e para cá pela internet - enquanto normalmente trabalhamos sempre nas faixas como uma banda inteira na sala de ensaio. Portanto… agora sabemos que também podemos fazer dessa maneira e é claro que também queríamos mostrar a todos os fãs que a história dos Flying Circus ainda não acabou - que os trinta anos não são o fim da banda por suposto, e, sim, que haverá mais no futuro. E eu acho que estás certo no de que o material que faremos no futuro será semelhante ao som de Dystopia, ou de 1968, por falar nisso. Na semana passada, alguém me disse que acha que Dystopia poderia facilmente ter sido uma música do álbum 1968 e acho que está certo - mesmo no sentido de que trata um pouco de temas políticos. Acho que talvez um novo álbum seja um pouco mais pessoal em termos de temas em vez de políticos, mas musicalmente, acho que continuaremos a trilhar o caminho que escolhemos com essas últimas dezenas de músicas que escrevemos, sim.

 

Por que escolheram o nome da banda para batizar este álbum?

Em primeiro lugar, dar um título ao álbum não foi fácil, mas no final simplesmente decidimos pelo nome da banda porque é o que melhor resume o que este álbum deseja alcançar e o que é: mostrar o que esta banda chamada Flying Circus tem sido, e isso ilustra onde estamos hoje. Esperançosamente, este álbum mostra a todos - fãs antigos e pessoas que apenas agora nos estão a descobrir - como soamos agora e coloca-nos no mapa - exatamente no lugar onde nos vemos como uma banda neste exato momento.

 

Olhando para trás, para uma carreira de mais de 3 décadas, como analisas a vossa evolução e crescimento como banda?

Bem, há mais de trinta anos atrás, a banda foi fundada por um grupo de adolescentes e pré-adolescentes que cresciam juntos. Alguns de nós estudavam juntos, era uma coisa tão social quanto musical estar nesta banda. Com o passar dos anos, as pessoas evoluem e chegam a diferentes pontos das suas vidas, onde às vezes precisam escolher o que é importante para elas. Ainda poderei estar numa banda quando terminar os meus estudos e começar um trabalho? Ainda tenho tempo para fazer música quando tenho família e assim por diante? Ou seja, ao longo dos anos, algumas pessoas decidiram que não poderiam continuar na banda pelos motivos mencionados e por causa de prioridades diferentes, e cada vez que isso acontecia, alguém entrava com uma música muito mais alta na sua lista de prioridades. Assim, a expertise musical da banda cresceu e cresceu com o tempo. Ficava cada vez maior com a adição de novas pessoas e, claro, também com o ganho de mais e mais experiência - como intérpretes ao vivo, como compositores, como arranjadores e também como músicos em estúdio. Algumas pessoas da banda também são engenheiros de som altamente experientes. Portanto, com o tempo, tornou-se muito mais profissional. O maravilhoso é que a banda ainda é muito próxima do lado pessoal também. Todos nós nos entendemos muito bem e gostamos muito de trabalhar com esse conjunto exato de pessoas. No mais tardar, quando todos nós fomos juntos a Londres em 2014 para gravar lá partes de nosso álbum Starlight Clearing de 2016, sentimo-nos tão próximos uns dos outros quanto nas formações anteriores. Somos uma banda de verdade. Deve estar em todos os níveis, musicalmente e pessoalmente.

 

Na tua opinião qual foi o vosso momento mais alto e mais baixo?

O pior momento foi certamente o período após o nosso lançamento de 2010 Forth, que coincidiu com o nosso 20º aniversário da banda. Vê bem, o álbum foi um grande sucesso, e todos que estavam na banda na época se uniram para marcar a ocasião com um disco realmente bom. No entanto, ficou claro logo após o lançamento, que algumas pessoas na banda simplesmente não conseguiam manter o tempo necessário para construir esse sucesso. O nosso baterista Falco Kurtz dirigia um bistre a centenas de quilómetros do resto da banda, por exemplo, e por mais que tentássemos manter a banda unida porque éramos todos amigos íntimos, estava claro que alguns de nós não conseguiriam continuar o equilíbrio entre empregos, família e banda. Quase terminamos quando três pessoas, uma após a outra, acabaram por sair. E os membros restantes estavam com um pouco de medo de que não fossem sentir o mesmo com outras pessoas. Mas, encontramos Ande e Rüdiger e estamos todos muito felizes que a banda funcione tão incrivelmente bem musical e pessoalmente! E como agora realmente já nos conhecemos, eu certamente diria que o ponto alto é: AGORA!

 

Quando podem os vossos fãs esperar um novo álbum de estúdio?

Na verdade, temos planos muito específicos para isso. Queremos realmente gravar o próximo álbum como fizemos com 1968 e isso significa: "ao vivo no estúdio" com toda a banda a tocar ao mesmo tempo numa sala. Para podermos fazer isso, temos que ensaiar MUITO bem as novas músicas e como de momento isso não é possível devido à Covid, dissemos: vamos usar 2021 para escrever e a última parte do ano talvez para ensaiar. Depois, vamos ensaiar e gravar em 2022 e depois misturar, promover e lançar o álbum em 2023. Sei que parece muito tempo, mas posso prometer-te que teremos mais um lançamento pelo meio e envolve o facto de que em 2022 será o 25º aniversário do nosso álbum de estreia, portanto... tu entendes...

 

De que forma a Covid influenciou a vossa agenda de apresentações ao vivo?

Meu, isso ainda é um pesadelo. Ninguém pode planear nada porque ninguém sabe quando os clubes voltarão a abrir novamente e quando os festivais podem acontecer novamente. Tivemos que reprogramar alguns programas existentes várias vezes e ainda não aconteceram. Agora chegamos à conclusão de que de momento é melhor não planear nada no que concerne a espetáculos vivo e concentrarmo-nos apenas em escrever e gravar por enquanto.

 

Muito obrigado, Michael! Queres enviar alguma mensagem para os vossos fãs em Portugal?

Sim! Esperamos que todos vocês e os vossos entes queridos estejam bem e também permaneçam seguros e saudáveis no futuro. Vamos passar por esse momento difícil juntos e ficar em contacto pela internet. Responderemos a cada um dos vossos comentários nas redes sociais ou no YouTube e a cada DM ou e-mail que nos enviarem!


Comentários