Reviews: Annicia Banks, Ricardo Azevedo, Mädhouse, Under A Spell, Dreams In Fragments

 

Up Front (ANNICIA BANKS)

(2021, Raw Vue Music)

De Kingston, Jamaica, surge a voz de Annicia Banks que carrega uma interessante experiência, tendo andado em tournée por todo mundo como vocalista de apoio de nomes como Judy Mowatt, Bunny Wailer, Sister Carol e Dennis Emmanuel Brown. Tudo nomes associados ao reggae e, sendo a própria Annicia jamaicana, seria de prever que o seu álbum de estreia a solo enveredasse por esse registo, como, de facto, acontece, num trabalho que congrega seis temas originais e uma versão de Love Has Found It’s Way, de Dennis Brown. Up Front tem ritmos quentes caribenhos numa interessante fusão entre reggae e funk com harmonias de fundo presentes. A vocalista, que também é uma chef de classe mundial e reside, atualmente, em Massachusetts, mostra que as influências para as suas criações são as melhores e, portanto, toques de Bob Marley, The Clark Sisters ou Aretha Franklin são percetíveis e bem-vindos. [74%]



 

Instinto de Sobrevivência (RICARDO AZEVEDO)

(2021, Fábrica de Canções)

Instinto de Sobrevivência é o novo e quinto álbum do ex-EZ Special Ricardo Azevedo. E, para um álbum gravado em plena pandemia, numa altura em que a cultura atravessa uma fase tão difícil, este parece ser o título mais acertado para uma obra. São 12 temas de um rock ligeiro a piscar o olho a uma pop elegante, onde os registos acústicos são dominantes, embora alguma eletricidade surja aqui e ali. Fator determinante no dinamismo deste álbum é a inclusão de alguns elementos eletrónicos que conferem uma certa áurea gótica. Esses momentos são exceção a um registo muito orgânico, sempre em português e que abre com uma abordagem a lembrar João Pedro Pais que promete muito. Todavia, ao longo dos restantes 11 temas, nunca Ricardo Azevedo conseguirá atingir esse nível, o que se reflete num álbum, assertivo, equilibrado, é certo, mas pouco empolgante e com os temas a ficarem sempre curtos em relação às expetativas. [70%]



 

Bad Habits (MÄDHOUSE)

(2021, Rock Of Angels Records)

Ainda hoje o glam rock/metal é considerado por muita gente como o parente pobre das sonoridades mais pesadas. Mas o que é certo é que cerca de 4 décadas depois dos nomes maiores do género (Mötley Crüe, Poison, Cinderella, Ratt, Warrant), são poucos os que se conseguem aproximar da genialidade por eles demonstrada. Os Mädhouse são austríacos e tentam seguir as suas pisadas e, embora, apresentem alguns argumentos, continuam a ficar longe. A tentativa de modernizar o som é conseguida através de uma produção mais forte e densa e não através das estruturas das canções. Por isso, Bad Habits traz um bom hábito de se influenciar diretamente nas fontes citadas. Mas comete o erro de se prolongar por tempo demais – 15 temas é um exagero que se paga caro com o fator saturação a surgir. Paradoxalmente até surge bem cedo, com os melhores temas a situarem-se no último terço. De resto, uma bela balada – Pure Oxytocin – e dois temas que ficam no ouvido – Say Nothing At All e Love To Hate – são um pecúlio escasso para tanta produção. Mas os amantes do género (e provavelmente apenas esses) poderão encontrar aqui alguns motivos de interesse. [70%]



 

The Chosen One (UNDER A SPELL)

(2021, Pure Publishing Records)

The Chosen One foi originalmente lançado, de forma independente, em 2019. E não se percebe o porque da Pure Publishing Records pegar agora neste lançamento promover uma nova edição, precisamente com a mesma capa, os mesmos temas e as mesmas deficiências. Os Under A Spell soam um pouco inexperiências e básicos, mas mesmo algumas boas ideias que pontualmente surgem, são destruídas por uma vocalista muito fraca. O melhor exemplo surge em Invitation To A Dark Sleep, o único momento onde o instrumental consegue criar algum empolgamento, mas que Pam Rosser não consegue, de todo, acompanhar. Se este lançamento há dois anos já não nada havia acrescentado ao mundo do metal, a sua reedição era completamente escusada. [62%]



 

When Echoes Fade (DREAMS IN FRAGMENTS)

(2021, Boersma Records)

Segundo álbum para a banda Suíça Dreams In Frgments, praticante de um female fronted melodic metal. Claramente inspirados pelos nomes maiores do seu género – Vision Of Atlantis, Epica, Edenbridge, Nightwish – o quarteto helvético, que neste novo trabalho estreia o baterista Roger Häflinger, mostra uma aposta mais forte nos vocais femininos e menos nos guturais. De tal forma que num tema como Showgirl, os vocais masculinos são... completamente limpos. De resto, When Echos Fade mostra alguma variabilidade e tentativa de mudar os registos e por isso ouvem-se guitarras acústicas em Bulletproof, coros em To Avalon, elementos teatrais em The Queen’s Crown e aproximações ao NDH em Own The Night. Claro que, adicionalmente, diversos apontamentos eletrónicos, também eles mais ou menos habituais neste subgénero, vão surgindo aleatoriamente dispersos por todo este disco que se revela agradável, embora pouco ambicioso, seguindo, na maioria das vezes, as linhas já há muito estabelecidas. [72%]

Comentários