Entrevista: Vesssna



O projeto Vesssna oriundo de Moscovo, assente em Marianna Lukianova e Marina Scherba (que passaram por nomes como Fright Night e Mea Vita) lançou um primeiro EP, Улыбка Свободы, em 2017 e um longa-duração Почти Святая (Just Like Saintlike), em 2018. Para poder ter uma mais larga projeção mundial, surge agora este lançamento que reedita e reúne os dois trabalhos num mesmo pacote. Fomos falar com a guitarrista e vocalista Marianna Lukianova, para perceber as motivações deste lançamento e as diferenças para os originais.

 

Olá, Marianna, como estás? Antes de mais, obrigado pela disponibilidade. Importas-te de apresentar a banda aos rockers/metalheads portugueses?

Olá! Não, claro que não! Fico feliz em apresentar a minha arte a novos países e novas pessoas.

 

Vesssna é um novo e empolgante projeto iniciado em 2016 por ti e por Marina Scherba. Podes contar-nos a forma como surgiu e que objetivos tinham em mente quando começaram?

Vessna é a minha alcunha. A ideia de criar um projeto com o meu nome começou em 2012, quando percebi que a minha antiga banda Fright Night não duraria muito. Mas eu não tinha dinheiro e energia para gravar música - estava a formar-me e não trabalhava muito. A única coisa que restou foi escrever canções tristes nas minhas horas vagas. Conheço a Marina há muito tempo, tocámos juntos em dois projetos. E ela apoiou-me no meu trabalho criativo. Quando começámos o projeto, já tínhamos muita experiência em estúdio, portanto não houve problemas com isso. No início, fiquei preocupada porque pensava que iria ser difícil encontrar músicos de sessão para tocar, mas isso foi resolvido rapidamente.

 

Que nomes ou movimentos citarias como sendo as tuas principais influências?

Para mim é difícil saber sobre movimentos. É muito mais fácil responder sobre os nomes. O nosso escritor clássico Fyodor Dostoevsky, depois Ritchie Blackmore, Kurt Cobain, a vocalista dos Garbage, Shirley Manson, e o vocalista/compositor dos Diorama, Torben Wendt.

 

Um EP e um álbum foram lançados em 2017/2018. Como foram as reações nessa altura?

O EP foi recebido de forma bastante calorosa pelos fãs de um “rock com vocais femininos” diferente e também pelos meus fãs de longa data, porque foi um regresso após uma grande pausa. E quanto ao álbum - houve muito debate a respeito de algumas das nossas canções folk, especialmente When You Mention Me, You Cry e o seu vídeo. Algumas pessoas disseram que Vesssna era uma boa banda de metal gótico e se tornou numa de folk. Pelo contrário, alguns amigos meus, diziam “é isso, é o teu caminho, tens de entrar totalmente nesse estilo”. Eu limitei-me a compor uma música que num determinado momento me era próxima. Eu nem sei a que género pertencem as minhas músicas, mas se há pessoas que gostam de analisar, tudo bem. Há muitos comentários contraditórios sobre a nossa música, desde “a cantora canta como a Tarja!" a "não há voz" até "eles tocam um tipo de metal progressivo maluco" a "a música é muito primitiva". Houve muitos comentários em que as pessoas discutiam seriamente se eu cantava academicamente ou pop. Enfim, às vezes é engraçado ler isso.

 

E agora, este ano, procedeste à reedição do álbum Just Like Saintlike. Qual foi o teu objetivo?

Principalmente, é claro, nós fizemos a reedição para aqueles nossos fãs que nos torturaram com a pergunta "por que não há CDs"...? Bem, e para a mailing list de promos. Não fiz o suficiente para promover esses lançamentos quando foram lançados originalmente e arrependo-me disso. Achei que ninguém no estrangeiro estaria interessado na nossa música. Mas acabou por não ser o caso: embora cantássemos em russo, comecei a receber feedback regular do estrangeiro.

 

Mas o pacote também inclui como bónus o teu primeiro EP. Por que tomaste essa decisão?

Eu queria dar aos nossos fãs um presente mais querido e memorável. Agora eles têm todo o nosso trabalho criativo num CD. Pessoalmente, o EP significa muito para mim e é importante que essas músicas não sejam esquecidas.

 

Em comparação com as primeiras edições, promoveste alguma mudança para estes lançamentos?

Quanto ao EP, não tinha sido lançado fisicamente. A princípio lançámos o álbum em cartões de colecionador, para além da versão digital. E tinha uma capa diferente, mais escura, com uma loira entre flechas. Acho que essa capa refletia mais o clima do álbum. Mas quando decidimos combinar os dois lançamentos, tentamos escolher algo mais colorido e acabei por fazer um ensaio fotográfico com a fantasia com que apareci no videoclipe de Just Like Saintlike.

 

Para ti o aspeto visual é especialmente importante, não é? E és a principal responsável por isso. De que forma trabalhas esse aspeto?

Sim, a parte visual da arte é muito importante para mim. E para a maioria das pessoas também, acho. Hoje em dia não basta ser músico profissional para se ser notado. As pessoas interessam-se por te ver a qualquer momento. A imagem tem que impressionar muito e evocar emoção. Tens que dar às pessoas algo que não podes obter em mais nenhum outro lugar. Quanto às minhas sessões de fotos, eu crio a imagem com base no meu próprio gosto. No entanto, é mais complicado quando falamos dos nossos vídeos. A minha realizadora Nastya e eu pensamos escrupulosamente em todos os detalhes do figurino de cada personagem, pensamos no que lá deveria estar, para que se encaixasse na ideia geral do vídeo, a era representada. E quando as nossas ideias são aprovadas, começo a procurar e a selecionar coisas para os figurinos. Nastya também encontra algo, mas ela lida mais com adereços. E aqui é a mesma história: cada coisa deve estar no seu lugar por algum motivo e fazer sentido, ou ser uma dica, uma referência a esta ou aquela obra de arte. Às vezes é o contrário - a própria imagem de uma pessoa aparece na mente com esta ou aquela fantasia e todo o enredo posterior do vídeo é construído sobre ela. Eu adoro coisas feitas à mão e muitos objetos e decorações para os nossos vídeos foram feitos à mão por alguém do mundo. Às vezes vejo algumas joias baratas do AliExpress em vídeos até de bandas europeias bastante famosas e isso parece-me muito estranho.

 

Just Like Saintlike já foi lançado em 2018. Já estás a preparar um novo álbum?

Sim, estou a tentar gastar o máximo de tempo possível na gravação do novo álbum. Agora estou na fase de gravação dos vocais. Todos os instrumentos estão gravados. Espero ter o álbum pronto no final do verão ou outono. Até agora já lançámos o primeiro single do próximo álbum, a música chama-se Erase.

 

Continuarás a usar apenas a tua língua nativa no futuro? Por que optaste por essa via?

Por enquanto, a resposta é sim, pretendo cantar em russo, porque acho que a minha voz soa mais poderosa e profunda. Além disso, sou a autora de todas as letras e muitas delas seriam cortadas na tradução. Na Rússia é muito difícil para as pessoas perceberem as bandas que cantam em inglês... Na maioria das vezes, são percebidas de forma bastante negativa. Mesmo assim, é normal ouvir polacos, alemães e finlandeses a cantar em inglês, mas é proibido ouvir os seus conterrâneos a cantar em inglês. As pessoas aqui são muito exigentes com a letra, todos querem entender imediatamente do que se trata a música. Assim, cantores que falam russo têm uma oportunidade muito maior de serem ouvidos e de se apresentarem em algum lugar. Os russos também são muito exigentes com o sotaque inglês, o que é uma tarefa que consome muita energia e ingrata para uma banda russa cantar em inglês. Podes ganhar mais fãs no estrangeiro, mas consegues mais inimigos aqui. E se pensares bem, existem artistas que soam muito bem e autênticos apenas na sua própria língua. Milen Farmer em inglês, por exemplo, soa algo estranho e fora do lugar.

 

Ainda estás nos Fright Night? E nos Mea Vita?

Fright Night deixou de existir em 2014 após o lançamento do seu segundo álbum. Pode-se dizer que o que estou a fazer agora é uma espécie de continuação lógica. Afinal, o estilo é quase o mesmo, só que sem os vocais masculinos. Os Mea Vita existem agora como um projeto de estúdio e com outro nome – Eternity Of Nonexistence. Aqui é a Marina que é a autora de todas as músicas e letras e também vocalista. Eu apenas toco guitarra.

 

Mais uma vez, Marianna, obrigado! Foi uma honra fazer esta entrevista. Gostarias de deixar alguma mensagem para os teus fãs?

Obrigado pela atenção e tempo! Obrigado por procurares algo novo e entre toda a variedade de artistas existentes e diferentes géneros prestaste atenção a nós - é muito bom!



Comentários

DISCO DA SEMANA VN2000: Insanium (WHOM GODS DESTROY) (InsideOut Music)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: Faux Savior (BRUME) (Magnetic Eye Records)

GRUPO DO MÊS VN2000: Men Eater