Entrevista: Circus Mind


Mark Rechler é um intenso criativo que divide o seu tempo por três bandas – Falling Water, Outhouse e Circus Mind. A que agora nos ocupa é esta última, nascida há 20 anos, e com a qual acaba de lançar a sua terceira descarga energética e festiva de rock, funk e groove, adequadamente intitulada Joy Machine. Um álbum que a pandemia ajudou a criar e que também permitiu a participação de um conjunto de notáveis convidados, como nos confidenciou o vocalista/teclista e líder da banda, Mark Rechler. 

 

Olá, Mark, tudo bem? Em primeiro lugar, gostaria que apresentasses os Circus Mind aos rockers portugueses?

Como estão Via Nocturna?! É ótimo estar a conversar contigo. Circus Mind é um dos meus 3 projetos, está no seu 20º ano e este é o nosso 3º LP. Estamos um pouco confusos, mas a maior parte do tempo tendemos a ser Rock e Funky. Como eu sou o compositor, tenho que assumir a culpa por isso! Fui para a faculdade de Arquitetura e Música na cidade de New Orleans e essa cidade atraiu o melhor de mim. Tive que tocar com alguns artistas incríveis que são as estrelas dessa cidade, George Porter Jr. e Leo Nocentelli dos Meters, Cyril e Charles Neville dos Irmãos Neville, viajei com os membros da banda de rock do pântano The Radiators e, eventualmente, talvez tenha absorvido alguns desses sulcos, quer quisesse, quer não.

 

Novo álbum cá fora, o que nos podes dizer a este respeito?

O novo álbum chama-se Joy Machine e foi impulsionado pela pandemia. Já tínhamos gravado algumas músicas, fomos lentos no registo a cada poucas semanas ou isso, mas quando fechamos o jogo, senti como se tivesse ganhado um tempo como nunca mais veria. Acendeu-se em mim um fogo e eu honestamente fiquei um pouco possesso. Tudo começou com o compromisso de terminar algumas músicas boas que eu simplesmente não conseguia terminar já há dois anos ou mais. Aí comecei a escrever como um louco, mais do que precisava para o álbum. Simplesmente começou a jorrar de mim. Parecia que a maioria dos artistas passou a focar-se em atuações streaming, mas eu estava determinado a sair disso com um álbum pronto. No início, gravamos remotamente, mas rapidamente tornamo-nos no que qualquer banda deveria ser e trabalhamos tudo no estúdio juntos.

 

Embora Circus Mind já tenham 20 anos de carreira, Joy Machine é apenas o terceiro álbum. Porquê?

Circus Mind esteve sempre muito focado em fazer espetáculos ao vivo e, para ser honesto, a pandemia veio num bom momento para mim. Já estava a ficar exausto por tocar em vários projetos e meus ouvidos também estavam a ficar um pouco afetados. Precisava de uma pausa. Sou uma pessoa criativa e o meu lugar preferido é no estúdio. Gravar costuma ser difícil, pois precisas de tempo e dinheiro para o fazer da maneira certa e, francamente, nem sempre é fácil. De forma criativa, divido o meu tempo entre os meus três projetos principais, Circus Mind, Falling Water e Outhouse. Portanto, embora os Circus Mind tenham apenas 3 álbuns, eu também tenho vários com os outros projetos.

 

Joy Machine é uma nova descarga de rock, funk e groove. Consideras este o teu melhor álbum até agora?

Não sei... honestamente, é difícil dizer de dentro para fora. Eu acho que todos são ótimos. O nosso primeiro álbum foi incrível, mas olhando para trás, nós produzimo-lo por conta própria e tentamos fazer muito. Algumas das faixas sofreram com isso, mas outras ainda resistem. Confere Spy Boy, cantada pelo convidado Cyril Neville. Na verdade, esse álbum também teve alguns convidados incríveis. Earl Chinna Smith, Leo Nocentelli, Rebirth Brassband, Soulive e outros. Ouvi o nosso segundo álbum Silver Flower na semana passada no meu caminho para casa em Nova Orleans e, honestamente, parece-me incrível... portanto, estás a perguntar à pessoa errada! (risos)

 

Já que falas em convidados, voltas a ter bastantes. Queres falar sobre eles e como essa colaboração se tornou real?

Sim, para ser honesto, a pandemia abriu o caminho para tantos convidados excelentes. Repara: ninguém estava em tournée e estavam em casa à procura de se ocuparem e fazerem alguma coisa! Na verdade, era uma coisa linda! Literalmente fazíamos uma pequena lista de quem seria bom ter numa música em particular, entrávamos em contacto... et voilá! Lá estavam eles. Brandon “Taz” Niederauer é um guitarrista incrível em ascensão. Na verdade, toco com ele desde os 11 ou 12 anos. Ele é um génio. Ele tem 18 anos agora e é um dos guitarristas mais fortes que já viste ou ouviste. Nels Cline (WILCO), Scott Metzger (JRAD) e Marc Ribot (Elvis Costello, Tom Waits) são todos da cena Avante Garde de Nova York. Eu costumava ver essa malta na Knitting Factory e sempre adorei o estilo criativo em que tocam. Ivan Neville, Big Sam e Walter “Wolfman” Washington são todos de Nova Orleans e foi uma honra colocá-los no disco. Às vezes, tens que navegar por N’awlins para conseguir os ingredientes certos. Eu diria que metade deles foram feitos remotamente usando Protools e Zoom.

 

De facto, este é um álbum muito intenso. Como foi o processo criativo? Alguma vez usaste o fator improvisação?

É mesmo intenso, não é? O processo criativo variou em faixas diferentes. Air Waves foi escrito sobre todos os clubes e a vida noturna fechada; Troubled Times fala do estado louco e estranho do país e como nos dividimos. Abordei como se fosse um casal que segue os seus próprios caminhos e não voltam a concordar. The Longing Song foi uma declaração sobre as crianças presas e separadas dos seus pais ao longo da fronteira mexicana e imagina como eles ficarão tristes, confusos e perdidos devido aos danos psicológicos que, por sua vez, também nos prejudicaram. No entanto, algumas faixas são simplesmente otimistas e divertidas, como Jazzfest Time e Mean Mutha Fucker. Normalmente, eu escrevo a música primeiro e, quando a inspiração chega, tento avançar até que a peça esteja completa. Quando não termino no calor do momento, torna-se uma tarefa muito mais difícil mais tarde. Certa vez, vi Neil Young como um orador principal da South By Southwest falando a este respeito. Quando a Musa chega, larga tudo e dá-lhe toda a tua atenção.

 

Este também é um álbum com uma diversidade incrível. Onde encontraste a inspiração para criar uma obra tão magnífica?

Obrigado! Adoro! Quer dizer, eu escrevo em todos os estilos e nunca tenho certeza em que pilha a música vai cair. Se for suave e escuro, geralmente cai em Falling Water. Se for algo lounge eletrónico, então é Outhouse. Funky, rock ou vibrações alternativas vão para Circus Mind… Todos os outros…. Infelizmente, provavelmente não serão ouvidos.

 

O vosso álbum anterior, Silver Flower, foi eleito o Melhor Álbum Indie de 2006 pelo Newsday. Isso teve alguma influência no teu caminho subsequente?

Acho que cada disco foi construído sobre o outro e acho que todos nós melhoramos ao longo do caminho na nossa produção e instrumentos. Acho que podes dizer por estas faixas que somos a mesma banda.

 

Depois desse prémio, veio um longo hiato. Porquê?

Sim, um hiato de gravações, mas a banda estava ocupada em tournée e, mais uma vez, todos nós tocamos em muitos projetos diferentes.

 

Quais são os principais objetivos que gostarias de cumprir quando esta pandemia acabar?

Esta é uma boa pergunta. Tenho estado tão focado neste momento que honestamente questiono-me sobre o que virá a seguir. Em Nova York e Nova Orleans parece que já estamos a terminar com isto. Estou pronto para sair e abraçar os meus amigos, ver e tocar música e viajar!!

 

Obrigado, Mark, mais uma vez, foi uma honra fazer esta entrevista. Queres deixar alguma mensagem para os teus fãs?

Muito obrigado por entrares em contacto e por todas as tuas amáveis ​​palavras positivas sobre o álbum. Espero que todos tenham passado bem este ano e até talvez saído com algo sólido... seja uma nova habilidade, um projeto criativo, uma nova direção... seja o que for, vamos deixar isso para trás e seguir em frente com o próximo capítulo. Paz e amor a todos!



Comentários

DISCO DA SEMANA VN2000: Insanium (WHOM GODS DESTROY) (InsideOut Music)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: Faux Savior (BRUME) (Magnetic Eye Records)

GRUPO DO MÊS VN2000: Men Eater