Ópera Spectacular

Ópera Spectacular

Entrevista: Saeko



Não tem sido fácil a vida de Saeko Kitamae. No Japão não consegui realizar o seu sonho e, por isso, voou para a Alemanha. Quando tudo parecia estar a correr bem, com dois álbuns, uma tour com Doro e uma data no Wacken Open Air, problemas extramusicais obrigaram-na a regressar ao seu país. As questões jurídicas sobrepuseram-se às musicais e sozinha, após o abandono dos seus advogados, a temerária lutadora, qual um samurai, foi em frente, resolveu as questões, regressou à Alemanha, juntou um line-up all star e lançou mais um álbum. Foi sobre tudo isso que falamos com a simpática vocalista e teclista Saeko Kitamae.

 

Olá, Saeko, espero que esteja tudo bem contigo! A tua história é muito interessante, porque deixaste o Japão e voaste para a Alemanha com um sonho. Agora, mais de uma década passada, sentes que o teu sonho foi totalmente realizado?

Na verdade, não (risos). Se o meu sonho tivesse sido totalmente realizado, eu não estaria agora a tentar voltar. Ou não teria feito o novo álbum, nem mais. Mas sabes, é realmente bom. Quando todos os sonhos são realizados, já não há mais aventura, nem motivos para seguir em frente. Como o meu sonho não foi realizado, a minha jornada continua e estou aqui.

 

Foi fácil a adaptação a um país e cultura tão diferentes?

Está a perguntar a respeito da minha primeira visita à Alemanha no final de 2002, certo? Assim, a minha resposta é um não absoluto. Foi muito difícil. Na verdade, houve vários momentos de risco de vida. Ainda assim, eu suportaria qualquer coisa, pois pensava que era a única maneira de fazer a música que eu realmente queria fazer. Olhando para trás, também tive muita sorte. Encontrei ótimos músicos e amigos que me compreenderam e me ajudaram, tudo a partir de um encontro com o Lars Ratz (nos Metalium naquela altura). Enfim, aqueles 4 anos em Hamburgo (final de 2002 a 2006) foram uma mistura de memórias super felizes e super solitárias, muito intensas. Um ano a partir daqueles dias equivale a 10 anos no Japão. É como eu me sinto.

 

Em 2003, o que esperavas encontrar na Alemanha que não tinhas no Japão?

Naquela altura, nenhum músico japonês tocava internacionalmente. Lembra-te de que sou a primeira mulher asiática a apresentar-se no Wacken Open Air, o que obviamente foi possível porque eu estava naquela altura a trabalhar na Alemanha. Pensa em quantas pessoas vivem no Japão. As cidades de lá, como Tóquio e Osaka, são maiores do que quaisquer cidades da Europa, presumo eu. E as pessoas lá amam tanto o heavy metal, o que significa que houve (e ainda há) muitas bandas de metal. A competição era muito dura e severa e algumas dessas bandas de metal domésticas tocavam muito bem. No entanto, naquela altura, as bandas de metal japonesas não tinham oportunidade, principalmente porque éramos japoneses. A situação é diferente agora e vejo mais bandas japonesas a tocar em grande escala, o que é muito bom. Mas naquela altura era assim. Para fazer um acordo com uma editora japonesa, por exemplo, uma rapariga japonesa geralmente era convidada a cantar como um ídolo giro, um pouco fora do tom, ou copiar algumas bandas estrangeiras de sucesso. Mas nunca quis ser assim. Eu sou Saeko, única. Rejeitei todas as ofertas que recebi no Japão naquela época. Uma das ofertas era de uma grande editora e algumas pessoas chamaram-me de estúpida por desperdiçar uma grande oportunidade de sucesso. Mas o que é sucesso? Eu sou uma cantora de metal. Mesmo que fique famosa e venda muito, é um fracasso se eu não estou a fazer as músicas que eu realmente quero. Eu quero tocar uma música que ame. Nada mais. Simples. De qualquer forma, naquela altura, lançar a minha música na Europa parecia a única maneira de sair do controle estratégico de marketing japonês. Pensei, "a indústria musical japonesa pode aceitar-se como um músico não japonês se a minha música for lançada da Europa e eu posso não precisar de cantar como eles desejam. Posso ser capaz de fazer as músicas que realmente quero fazer". E funcionou. Como disse antes, conheci ótimas pessoas, como Lars Ratz e Michael Ehre (também dos Metalium naquela época). Como são verdadeiros músicos com grandes ideais, entenderam-me muito bem e deixaram-me fazer o que eu queria do meu coração. Mas vou repetir. A situação é diferente agora. Parece haver mais liberdade criativa no Japão, vejo muitas bandas de metal talentosas por lá. É muito bom e estou muito feliz com isso.

 

De qualquer forma, a cena metal japonesa sempre foi vista como muito importante. Que nomes citarias como as tuas principais influências?

Queres dizer a cena doméstica de metal no Japão? Ou o Japão, o país onde muitas bandas grandes de metal tocam? Se me perguntaste sobre a cena doméstica, posso citar algumas bandas com quem toquei naquela altura (antes de 2000), como Onmyo-Za, Saber Tiger, Blindman, Aphasia, Manipulated Slaves etc. mundialmente conhecidas agora que não existiam na altura. Portanto, não posso falar muito sobre elas. Oh, espera, lembro-me que os Galneryus já se estavam a formar (um dos bateristas suporte da minha banda, Fairy Mirror, saiu para formar os Galneryus). De qualquer forma, havia apenas uma ou duas casas de espetáculos onde as bandas de heavy metal nacionais podiam tocar regularmente em Osaka. Tóquio também era semelhante. Ou seja, embora houvesse muitas bandas, apenas algumas bandas boas que subiram podiam tocar nessas casas ao vivo, especialmente ao fim de semana. Como resultado, as boas bandas de metal que subiram conheciam-se em todo o Japão. Portanto, de certa forma, naquela altura todos nós na cena nos influenciamos uns aos outros. Se a pergunta fosse no segundo sentido... diria todas as bandas com as quais cresci a ouvir, como Helloween, Europe, Queensryche, Pretty Maids, Blind Guardian, In Flames, Dream Theater, Doro, Megadeth, White Lion... e muitas, muitas mais.

 

O teu último álbum, Life, foi lançado em 2006. Por que razão este demorou tanto?

Para resumir, algumas coisas aconteceram em termos de negócios na Alemanha e eu não consegui descobrir sozinha naquela época (2006). Portanto, não houve outra maneira a não ser interromper a minha atividade musical. E interromper a atividade musical significou que a minha autorização de residência iria expirar (eu só podia ficar na Alemanha com a condição de trabalhar para uma produtora/editora alemã). Por isso, tive que voar de volta para o Japão. Houve um tempo em que tentei resolver os problemas, mas nenhum advogado japonês sabia como me resgatar do que aconteceu fora do Japão. Não admira. Naquela altura não havia nenhum músico japonês que tivesse feito algo semelhante. Resumindo, questões burocráticas e jurídicas... Muitos obstáculos estavam por vir. Como todos os advogados japoneses lançaram fora os meus assuntos, estudei e analisei por mim mesma. Demorei mais de 10 anos para descobrir os motivos e resolver os problemas. De qualquer forma, estou feliz por, pelo menos, finalmente ter voltado. Aliás, a batalha mais difícil que tive desta vez (2019) foi novamente a respeito de questões burocráticas e jurídicas. Desta vez com o Departamento de Relações Exteriores da Alemanha. Tive de entregar muitas cartas, certificados e um grande plano de negócios para os convencer a obter uma autorização de residência. No entanto, é compreensível. Se um estrangeiro visitar a imigração e disser: "Eu quero ficar na Alemanha para fazer heavy metal"... presumo que a maioria dos funcionários diria "wtf", (risos). Eu gostaria de me poder concentrar mais nas coisas musicais! De qualquer forma, agora estou na linha de partida. Vamos ver como as coisas vão evoluir. A vida ensinou-me uma lição. Agora vou enfrentar o futuro.

 

Naquela altura até tocaste no Wacken, tornando-te a primeira cantora asiática a fazer isso. De que forma isso influenciou a tua trajetória subsequente e como é que hoje em dia olhas para esse momento?

Como respondi anteriormente, tive que voar de volta para o Japão. Mesmo assim, fiquei feliz e, de certo modo, satisfeita. Toquei no W: O: A e fiz uma tournée com a Doro. Na altura, essas coisas não eram possíveis para um japonês. No Japão, ouvi muitos japoneses dizerem algo como: "Nós japoneses não podemos tocar internacionalmente porque somos geneticamente inferiores em música aos ocidentais", "nós japoneses não podemos cantar tão bem quanto os ocidentais" etc. Para mim, tudo isso era uma estupidez. Tivemos ótimos músicos com supertécnicas e ótimas apresentações nos clubes locais. Eu queria provar que essas palavras não eram verdadeiras. Na verdade, esse foi um dos principais motivos de eu ter ido para a Alemanha em 2002. De qualquer forma, quando toquei no Wacken Open Air, o encore de toda a plateia continuou por muito tempo. Além disso, na tournée com a Doro, os meus CDs esgotaram muito depressa. Ou seja, senti que provei que não existe inferioridade genética. Fiz tudo o que podia como música. Aqueles assuntos legais, burocráticos ou comerciais causados ​​pela falta de comunicação ou costumes diferentes entre o Japão e a Europa... estavam para além de mim. E aceitei terminar aí. Depois disso, tive vontade de contribuir para resolver essas barreiras culturais, jurídicas e linguísticas entre o Japão e o mundo. Na verdade, estudei muito para isso.

 

Bem, focando-nos agora no teu novo álbum, Holy Are We Alone. Em primeiro lugar, reuniste uma verdadeira banda all-star. Podes apresentá-los?

Sim, é melhor falar sobre o presente e o futuro. Então, o guitarrista é Guido Benedetti dos Trick Or Treat. Ele não é apenas um guitarrista. Organiza lindamente todas as músicas, também é um dos produtores e uma parte super importante de SAEKO. E Alessandro Sala, o baixista dos Rhapsody Of Fire e Michael Ehre, o baterista dos The Unity, Primal Fear, Gamma Ray etc. Eles são todos ótimos, músicos incríveis, é claro. Mas também são pessoas impecáveis, cooperativas e respeitosas. (Ainda há pessoas que não me respeitam como música só porque sou asiática. Mas eles não são assim.) Acima de tudo, confiaram em mim o suficiente para lançar uma campanha de crowdfunding em 2021, sem nenhuma garantia. Sabes, quando pessoas com grande talento, experiência e habilidades como elas se respeitam, todo o trabalho e conversas decorrem naturalmente bem. É assim que as coisas têm sido com eles. O mesmo acontece com V. Santura, que misturou e masterizou o álbum. Estou muito grato pelo que eles fizeram por mim. Nenhuma outra formação poderia ser melhor do que a atual. Espero poder continuar a trabalhar com eles para fazer outro grande álbum no futuro.

 

Além da banda principal, também trabalhaste com alguns convidados. Podes apresentá-los? Qual foi o teu objetivo ao convidá-los?

Tu conheces Lars Ratz, que infelizmente faleceu em abril, certo? Ele foi o meu agente e produtor nos meus tempos de Hamburgo: a pessoa mais importante da minha produção anterior. Portanto, enquanto trabalhamos com V. Santrua (um dos produtores, engenheiro de mistura e masterização do novo álbum) no seu estúdio Woodshed, lembramo-nos dos nossos dias em Hamburgo, já que V. Santrura também misturou o meu segundo álbum em 2005. Naquela época, V. Santrua, eu e Lars Ratz estávamos muitas vezes sozinhos, a trabalhar em estúdio. Por isso, tivemos vontade de convidar novamente o Lars e ligamos-lhe. Foi muito bom ter novamente Lars no meu álbum, mas não pude acreditar que ele faleceu logo após gravar a sua parte. Quanto a Derek Sherinian... Bem, todo mundo o conhece como um grande teclista. De qualquer forma, originalmente queríamos ter um guitarrista convidado para a música Russia: Heroes para fazer solos juntamente com Guido. Porque é uma música sobre todos... sobre muitas pessoas... e já estava decidido que o Lars cantaria na música, fazia sentido ter mais um convidado. No entanto, não queríamos que soasse como uma batalha de guitarras. E decidimos ter um teclista. E Derek Sherinian foi o primeiro que me veio à mente. Perguntei a todos os membros de SAEKO se eles gostaram da minha ideia e todos concordaram, é claro. E estamos muito felizes com o resultado. Guilherme De Siervi convidado em Brazil: Splinters Of The Sun. Ele é meu amigo, um cantor de uma banda brasileira de metal progressivo, Vikram. Quando ouvimos todas as músicas em sequência na última fase do Woodshed Studio, essa música não soou suficientemente brasileira, quando comparada com as outras músicas. Foi quando lhe pedi algumas ideias para a fazer soar um pouco mais brasileiro. Rapidamente gravou as suas ideias sobre percussão e guitarras adicionais e enviou-me os arquivos. Foi muito rápido e realmente fiquei surpresa. E usamos as peças que gostamos. Estamos felizes com o resultado, é claro. Matthias Landes é amigo de V. Santura. No estúdio, perguntei a V. Santura se ele poderia fazer alguma coisa para um papel em India: Farewell To You I. Foi a parte que originalmente planeei gravar canto harmónico masculino, mas não consegui encontrar ninguém para gravar. Então, V. Santrua disse: "Espera um minuto. Recentemente, o meu amigo (Matthias) e eu gravamos algo assim por diversão. Sério, deixa-me verificar os meus ficheiros." Quando ele encontrou o ficheiro... ta-da... a chave e tudo estava perfeito para a música como se fosse gravada para ser inserida ali. Foi assim que ele também entrou na lista de convidados.

 

Como foi possível essa cooperação?

A maioria deles são nossos amigos, portanto limitamo-nos a contactá-los. E eles gostaram da (s) música (s) que enviei, logo trabalhamos juntos. Mas eu estava um pouco nervosa quando mandei a nossa mistura em bruto para Derek Sherinian, já que ele não era meu "amigo", tu percebes. Todos nós sabemos que ele é um grande músico... e eu pensei, "O que irá ele dizer? Concorda?" Ao ouvir a música, pareceu gostar. Também estamos muito felizes com isso.

 

Desde quando começaste a trabalhar nestas músicas? São todas novas ou algumas foram escritas ao longo dos anos?

Normalmente não tenho muitos problemas para escrever novas canções. Por outro lado, normalmente tenho muitos problemas com coisas não musicais como respondi acima: como fazer uma banda internacional entre o Japão e a Europa, como conseguir uma autorização de residência etc. E sinto-me um pouco estúpida em escrever canções sem resolver esses problemas não musicais. As grandes canções sem oportunidade de lançamento seriam um desperdício. Portanto, geralmente começo a escrever músicas apenas quando vejo alguma possibilidade de resolver esses problemas não musicais, quando sinto "eu preciso deles agora". Desta vez, foi no início de 2019. Comecei a ver a possibilidade da minha mudança para a Europa. E também tive a ideia de que me concentraria em encontrar o primeiro membro, um grande guitarrista que pudesse arranjar perfeitamente as minhas músicas. Para isso precisava de músicas, pois não conseguiria convencer nenhum guitarrista sem mostrar as minhas ideias. Escrevi Japan: In My Dream, UK: Never Say Never e Brazil: Splinters Of The Sun. E encontrei Guido Benedetti, que parecia perfeitamente adequado à minha imagem. Como eu já tinha as músicas, pude dar-lhe essas 3 para pedir que trabalhasse comigo. Foi um momento muito bom. Tive sorte.

 

És a única compositora ou é um esforço coletivo?

Com exceção da última música, Holy Are We Alone, composta por Guido Benedetti, sim, eu sou a única denominada “compositora”. No entanto, Guido esforçou-se muito para arranjar as minhas composições, até mesmo trabalhando separadamente em cada faixa dos meus teclados. Algumas músicas tinham mais ou menos 20 pistas com sons diferentes. Foi, de facto, muito trabalho!! E, claro, fez ótimos arranjos de guitarra, ritmos polidos e tantas outras coisas. Portanto, o que ele fez é mais do que um acordo. Eu pessoalmente sinto que todas as músicas são obras minhas e dele. Mas é claro, depois, Michael Ehre e Alessandro Sala adicionaram grandes ideias com a sua forma incrível de tocar. Eu fico sempre animada quando um músico adiciona algo incrível para além da minha expetativa. Sem eles, as músicas não teriam sido tão boas. Ou seja, não é fácil dizer quem é o único compositor. Afinal, as músicas são obra de todos nós.

 

Todos os títulos das músicas (exceto a introdução e o título do tema) têm referências a alguns países ou regiões do mundo. Porquê? Existe algum conceito por trás desse álbum?

Este álbum é a história de um espírito que reencarna em todo o mundo. E a primeira e a última faixas são sobre além deste mundo com o espírito sem corpo. É por isso que sem nomes de países. Outras canções são sobre a sua vida em diferentes países do mundo. É por isso que estão com nomes de países/regiões. Na verdade, entrevistei uma pessoa de cada país e todas essas músicas são baseadas na história da vida real de uma pessoa desse país. Podes encontrar as informações sobre o entrevistado no booklet.

 

Além disso, o título, Holy Are We Alone é um pouco enigmático, não achas? O que significa?

Bem, o tema do álbum, o espírito reencarnado, remonta aos dois álbuns anteriores, pois estou sempre a escrever sobre o mesmo tema, a verdade eterna dos espíritos. O meu primeiro álbum (2004) foi intitulado Above Heaven Below Heaven. Quando combinado com o título do álbum seguinte, torna-se Above Heaven Below Heaven, Holy Are We Alone. Alguém da Ásia talvez notará que esta é uma alteração da famosa frase de Bhudda: "Acima do Céu Abaixo do Céu, Santo Sou Eu Só". Quanto ao significado da frase original, existem várias interpretações e quero deixar essas interpretações para cada ouvinte. Nesta entrevista, vou saltar a forma como o novo álbum se sobrepõe ao segundo, mas, liricamente, há várias histórias profundas que acontecem em simultâneo e muitas outras coisas que estão descritas no booklet. Portanto, se amam filosofia, podem gostar não só da música, mas também dos textos. De qualquer forma, o primeiro, o segundo e os próximos terceiros álbuns são feitos no mesmo tema. O 1º álbum foi metafísico, que descreveu a verdade eterna no outro mundo. O segundo álbum foi físico, descreveu a verdade pessoal neste mundo, baseado na minha vida real. E o novo álbum revela como esses dois mundos diferentes, metafísico e físico, formam o universo juntos.

 

Dois vídeos/singles já foram lançados. Existem planos para lançar mais algum?

Pensei em outro vídeo... mas quero colocar mais energia para tornar os espetáculos ao vivo uma realidade. Sou uma música única. Vinda do Japão sozinha, não tenho agente, nenhuma agência de booking, quase nenhum orçamento. Portanto, tenho que fazer muitas coisas sozinha e sinto que não devo tentar fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Vou passo a passo. Quando não tiver orçamento suficiente, posso lançar outra campanha de financiamento coletivo. Portanto, por favor, façam mais coisas acontecerem connosco juntos.

 

Mais uma vez, Saeko, obrigado. Queres adicionar mais alguma coisa?

Obrigado por lerem esta entrevista até o fim. Eu sei que demorou, certo? Bem, isso é quem eu sou. Os meus amigos no Japão que me conhecem muito bem dizem: “Algumas pessoas só falam e não fazem nada. Outras pessoas falam e realmente fazem. Saeko fala e faz muito” (risos). Portanto, obrigado por dares esta oportunidade a uma pessoa estranha como eu. Bem, eu não te deveria deixar cansado dizendo muito obrigado. Vou terminar aqui. Obrigado!!!!



Comentários