Entrevista: Book Of Numbers



Quando se juntaram para um tributo aos Black Sabbath, algo mágico nasceu entre Kevin Schuhmacher e Brent Barker. De tal forma que esse tributo deu origem a uma banda – Book Of Numbers – e a um álbum, precisamente intitulado Magick! Trata-se, como se perceberá a seguir, de uma banda nova com uma alma velha, que vem diretamente das grandes criações de Dio e Ozzy e que tentam, nos dias de hoje, a sua recriação. Os dois membros fundadores juntaram-se para falar connosco.

 

Olá, tudo bem? Parabéns pela estreia e obrigado pela disponibilidade. Primeiro, podem apresentar a banda aos metalheads portugueses?

Kevin Schuhmacher, vocais; Brent Barker, guitarras; Dennis Hayes, baixo e Dwain Miller, bateria.

 

De que forma surge o vosso nome aparece e o que significa?

KEVIN SCHUHMACHER (KS): O nome vem do passado e pode significar o que quiseres. Alguns podem pensar no Antigo Testamento, outros podem pensar em Numerologia, eu próprio penso no nome como um lugar onde posso encontrar um bom material para as minhas letras. Poderia extrair do Velho Testamento e obter alguns dos melhores materiais de terror do planeta. O Velho Testamento foi mais brutal do que qualquer filme de terror. Ou eu poderia tirar do tema da Numerologia, às vezes a vida é um jogo de números, não é?

 

Book Of Numbers é um novo e empolgante projeto. Podem contar-nos como começou o vosso trajeto enquanto banda e quais eram os vossos objetivos?

KS: Obrigado Pedro, é realmente emocionante e obrigado por dizeres isso... Adoramos... O nosso trajeto como banda apenas começou. Eu realmente acredito que todos nós fomos colocados na vida uns dos outros com um propósito e agora estamos a cumprir esse propósito.

BRENT BARKER (BB): Kevin e eu começamos a trabalhar juntos para fazer uma homenagem aos Black Sabbath da era Dio. Divertimo-nos muito a fazer isso e pensamos que atualmente não havia ninguém a realmente carregar aquela tocha, sabes? Então começamos a escrever música juntos com base no nosso amor compartilhado por Dio, Ozzy, Sabbath, Priest, Rainbow, para criar um tipo de metal old school para a nova geração, percebes?

 

Precisamente, uma das vossas experiências musicais anteriores foi uma homenagem aos Black Sabbath. Eles são uma das vossas maiores influências?

KS: Sim, Black Sabbath é uma das minhas maiores influências com Ronnie James Dio e Ozzy Osbourne, ambos. Adoro os Black Sabbath! No entanto, quando ouvi pela primeira vez a voz de Ronnie James Dio no álbum dos Rainbow Long Live Rock & Roll, ouvi as nuvens a rolarem e a chuva a cair com os céus a abrirem-se e o trovão a cair de uma vez! Estava na esquina da Palm Ave. & Hardy Dr. E soube ali mesmo... soube o que queria fazer da minha vida.

BB: As minhas bandas favoritas hoje são as mesmas de quando comecei a tocar - Black Sabbath em todas as eras e o material a solo de Ozzy foi uma grande inspiração. Adorei os álbuns dos Rainbow, Rising e Love Live Rock and Roll. Na verdade, somos uma banda de Power Doom Metal com conotações clássicas quase como uma mistura dessas bandas.

 

Foi por isso que escolheram Children Of The Sea dos Sabbath para fazer uma versão?

KS: Children Of The Sea foi uma música que Brent e eu concordamos em fazer porque é a melhor música de metal de todos os tempos. Tem tudo. Melodia, crunch, ganchos, riffs, suaves, místicos, pesados, mais suaves e mais ganchos e religião elétrica! Foi a primeira música que Ronnie James Dio escreveu com os Sabbath, outro grande motivo para gravar essa música. Black Sabbath com Dio foi a melhor banda de metal de todos os tempos, na minha opinião, é claro.

BB: Eu ouvi que essa música foi a primeira que Tony Iommi e Dio escreveram juntos, e isso ajudou a redefinir o metal para aquele período. Isso mostrou que podes ser melódico e bonito nalguns lugares e muito pesado e doomy, tudo dentro da mesma música. A primeira música que Kevin e eu escrevemos foi Optimism. Embora não se pareça nada com Children Of The Sea, tem aqueles contrastes em dinâmica e alcance.

 

No entanto, ouvindo o vosso álbum, podemos ouvir algumas outras influências. Como são trabalhadas para criar essa mistura incrível?

KS: Obrigado, Pedro, por perguntares. As minhas influências desempenharam um grande papel nesta jornada que todos chamamos de música. RJD, Halford, Dickinson, Ozzy, Freddy, Klaus e outros! A mistura foi feita à moda antiga, não usei nenhuma correção de pitch, gravei diretamente, sem nenhum efeito vocal e, francamente, foram praticamente ao primeiro take na maioria deles, quase uma coisa live. Depois Thoener pegou nas minhas faixas vocais e colocou nelas os efeitos como ele sentia que deveriam ser. Eu deixei Thoener fazer o que ele quisesse, tive sorte de tê-lo a bordo.

BB: Além das minhas primeiras influências, sou inspirado por compositores clássicos. Neste momento não tenho um guitarrista favorito. Os meus heróis atuais são pessoas como Igor Stravinski, John Williams, compositores que criam melodias e orquestrações incomuns. Quando combinas isso com o amor das bandas de metal clássico originais, obténs algo como a música de Book Of Numbers. E estamos apenas a arranhar a superfície com o primeiro álbum.

 

Como definiriam Magick para os nossos leitores que não vos conhecem?

KS: O nosso álbum Magick, Old School For The New World. É real. É uma jornada musical e nenhuma música soa como a anterior ou posterior. Se gostam de Black Sabbath, se gostam de Ozzy, DIO, Rainbow, se gostam de heavy metal, melodia e harmonia com crunch e verdadeira coragem, irão adorar Magick. Como uma faixa de música, Magick é sobre viver a tua vida da forma que queres. Sem restrições. Liberdade. Magick é como uma força mágica que flui entre todos nós.

BB: Este álbum leva-te numa viagem. Tem altos e baixos, peso e profundidade. Eu acredito em fazer música que toca as pessoas e as transporta para um lugar especial. Eu acredito que Magick faz isso.

 

Com um título como Magick, podemos admitir que este é um álbum com forte ênfase no ocultismo?

KS: Provavelmente podemos concordar que colocar um K no final de Magic o torna suspeito.

 


Como foram as sessões de escrita e gravação? Correu tudo como planeado?

KS: As sessões arrasaram! É incrível criar algo que sobreviverá a todos nós.

BB: A escrita foi muito natural e fácil. Reuni-me com Kevin na sua casa e trazia o esboço de cada música. Ele pegou neles e escreveu as letras e as melodias vocais. E isso é essencialmente o que ouves no disco! Para as sessões de gravação, o baixo e a bateria acrescentam as suas partes para completar o puzzle. Todos desempenharam um papel em tornar este álbum no que é. Acho que é uma prova do poder da nossa química como pessoas e como banda.

 

A mistura do álbum foi feita pelo lendário David Thoener. Como foi essa experiência de trabalhar com ele e de que forma ele moldou o vosso som?

KS: David Thoener é uma lenda. Ter Thoener a bordo foi uma bênção para nós. Os créditos de Thoener são as maiores estrelas do rock! O Thoener deu à nossa música o respeito que ela merece.

BB: Eu conheci David pelo trabalho que ele fez no meu disco instrumental a solo em 2018. Estivemos muito confortáveis a trabalhar juntos e ele disse-me que achava essa banda realmente especial. Vindo dele, sei que estamos no caminho certo!

 

Como reagiram às suas palavras quando ele comparou o vosso álbum com o grande Rising dos Rainbow?

KS: Eu fiz o que qualquer vocalista de heavy metal faria, gritei a plenos pulmões 'DAVID THOENER COMPAROU-SE A RONNIE JAMES DIO!!!!!!!!!!!!!!

BB: Eu estava a conversar com David e ele tem muitas boas histórias. Ele mencionou como realmente gostava do que estávamos a fazer e como ele achava que ia acabar bem. Foi quando disse: “ao misturar isto sinto-me exatamente como quando estava a trabalhar num disco chamado Rising dos Rainbow”, como se talvez fosse um álbum do qual eu nunca tinha ouvido falar! (risos) E eu tento ser simpático, tipo, "oh, obrigado meu". Enquanto isso, Rainbow - Rising era um álbum que eu ouvia quando jovem e achava que era uma das coisas mais espetacular, pesadas e absolutamente mágicas que eu já tinha ouvido. Que elogio!

 

Sendo uma banda jovem com esta estreia fantástica, onde pensam que podem chegar? Que objetivos têm para o futuro?

KS: Banda jovem de facto, com uma alma velha. Iremos para onde devemos estar. O nosso futuro é continuar a lançar álbuns matadores em que já estamos a trabalhar no segundo.

BB: Acabamos de completar o nosso line-up com a adição de Dwain Miller para a bateria. Agora temos as pessoas certas a bordo para levar isto para o próximo nível. Vamos concentrar-nos nos nossos pontos fortes para fazer o próximo álbum, fazer espetáculos ao vivo matadores e prosperar como banda.

 

Obrigado, mais uma vez, pessoal. Foi uma honra fazer esta entrevista. Gostariam de deixar alguma mensagem para os vossos fãs ou acrescentar algo mais?

KS: Obrigado também Pedro, estou honrado. E a todos vocês que reservaram um tempo para nos ouvir falar sobre estas coisas, obrigado pela atenção e apreciaríamos a vossa ajuda para poder fazer um espetáculo ao vivo para vocês. Muito obrigado, amamos todos!

BB: Obrigado Pedro! Obrigado a todos vocês que estão a ouvir e a apoiar esta banda! Vocês, os fãs, são o que mais importa para nós.



Comentários

DISCO DA SEMANA VN2000: Miracles Beyond (INTELLIGENT MUSIC PROJECT) (Intelligent Music)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: I'm So Sorry (SOULLINE) (Massacre Records)

GRUPO DO MÊS VN2000: Alpha Warhead