Entrevista: Anyone

 

Riz Story tem estado ocupado a compor para diferentes artistas e até para bandas sonoras de filmes. Por isso, o seu projeto Anyone tem estado de alguma forma em stand by. Agora, In Humanity surge numa época conturbada por a existência de um vírus que é referido ao longo do conceito desenvolvido, embora esteja afastado da atual pandemia. No fundo é mais uma banda sonora, mas para um filme que ainda não existe. Confiram tudo com o super elogiado Riz Story.

 

Olá, Riz! Em primeiro lugar, obrigado pela disponibilidade. Apesar da tua longa carreira, os lançamentos não são abundantes. Qual é a justificação para tal?

Durante anos, o projeto Anyone não foi o meu foco. Criei muita música, mas muita dela era para bandas sonoras de filmes e produção/escrita para outros artistas. Por exemplo, o meu filme de estreia, A Winter Rose, foi um filme baseado em música e escrevi 24 músicas. Essas músicas eram muito variadas em género, desde Rap a baladas cinematográficas, alternativas, country, new age, pop etc. e por isso foi um projeto muito interessante para mim porque me forçou a expandir muito o meu vocabulário musical. Portanto, eu tenho sido muito ativo musicalmente e tenho escrito e produzido para pessoas que vão desde Paula Abdul até bandas sonoras de longas-metragens. Mas a música de Anyone estava lá, quase totalmente completa, apenas não a queria lançar de forma independente no mercado de hoje. A música para os dois últimos álbuns dos Anyone foi ajustada ao longo de anos, além de criar material novo. Além disso, estou profundamente envolvido com a conservação dos oceanos e a tentar salvar os recifes de coral que estão a desaparecer em todo o mundo. Isso tem ocupado a maior parte do meu tempo e continua a ser o meu foco principal.

 

Para este novo álbum, In Humanity, optaste por tocar todos os instrumentos. Porquê?

Aconteceu de forma bastante natural. Eu sempre gostei de explorar novos instrumentos, eles são todos tão maravilhosamente diferentes e atraentes para mim. Se eu vivesse o suficiente, acabaria por aprender todos os instrumentos. Eu passo por fases com eles. Houve um tempo em que tocava o meu violoncelo 5 horas por dia, depois, gradualmente, fui para outro instrumento. Agora estou imerso na bateria e eletrónica e a improvisar no piano. Além disso, gosto de ficar sozinho.

 

E Herbie Hancock disse que nunca tinha visto isto antes – um músico sozinho a tocar todos os instrumentos com tanto virtuosismo. Que elogio…

Uma boa amiga minha conhece Herbie há décadas e foi sua assistente pessoal. Sem que eu soubesse, ela enviou-lhe The Pale Blue Dot. Do nada, recebi um telefonema dele. Fiquei bastante surpreendido e exultante que o lendário Herbie Hancock estava ao telefone, pois sou um verdadeiro fã, especialmente do seu período Avant Garde após o seu tempo com Miles Davis. Primeiro, ele queria verificar se eu realmente tinha tocado todos os instrumentos. Depois disse-me que nunca tinha ouvido alguém tocar todos os instrumentos ao nível que estava a ouvir. Escusado será dizer que fiquei atónito e surpreendido, especialmente à luz da companhia que ele mantém. Nem queria acreditar. Primeiro, ele analisou as complexas fórmulas dos compassos e apontou o uso de 16 notas aleatórias para escalonar o tempo, o que ele nunca tinha ouvido antes. Eu disse-lhe que se chamava 'tempo fracionário' e, francamente, fiquei impressionado com o seu ouvido incrível e o facto de ele nunca ter ouvido isso. Em seguida, ele comentou sobre cada instrumento separadamente. Na verdade, foi um momento chave na minha vida, essa validação vinda de uma figura tão autoritária. Também me inspirou a esforçar-me ainda mais e imediatamente criei uma peça de 18 minutos, que é extremamente ambiciosa, para o próximo álbum de Anyone.

 

Para os vocais, tens Jon Davison, com quem já trabalhaste neste projeto. Como funcionaram as coisas entre vocês neste novo lançamento?

Jon Davison e eu trabalhamos juntos pela primeira vez no início dos anos 90, na primeira encarnação do que se tornariam os Anyone. Ele e eu fomos atraídos pelo nosso profundo amor pela música mais artística. Yes era a minha banda favorita, e sempre foi, e ele gostava de qualquer coisa eclética. Ainda me lembro do telefonema no final dos anos 90, acho que foi, quando ele me disse que os Yes se tinhame tornado na sua banda favorita e eu ri e disse-lhe: vês, eu disse-te! A coisa seguinte que soube, é que ele cantava numa banda de tributo aos Yes. Imagina o nosso choque quando ele se tornou o vocalista! Uma história interessante a respeito do álbum In Humanity é que Jon Anderson e eu começamos a colaborar e durante algum tempo parecia que o álbum nos apresentaria como uma nova entidade. Para minha grande tristeza, ele desistiu quando percebeu que eu estava a trabalhar com Jon Davison, o que é muito compreensível, dada a tensão entre os dois campos. A um nível puramente artístico, é de partir o coração porque a pequena quantidade que criamos juntos foi verdadeiramente mágica. Por exemplo, os seus vocais na música In Humanity foram muito inspirados. Eu senti que era o seu melhor trabalho em anos, remontando ao seu trabalho em Awaken e outras obras-primas. É triste para mim que ninguém nunca vai ouvir isso.

 

In Humanity é uma obra muito longa – é um álbum conceptual? Se sim, qual é o principal tema abordado?

Sim, é um álbum conceptual. É uma banda sonora de um filme, escrita especificamente para esse fim. O filme/romance passa-se no futuro, quando a humanidade tornou a Terra inabitável, forçando um pequeno grupo de elites a procurar o espaço sideral. Para um novo lar. Há muitos temas contidos no filme e no romance, mas o tema principal é o colapso. E tudo isso provocado pela humanidade. Tantas coisas estão em colapso total atualmente, o meio ambiente, a democracia, a moralidade etc. E há tanto sofrimento desnecessário que a humanidade impõe a si mesma. É uma falha evolutiva? Essa tendência de destruir tudo o que a humanidade toca é uma fase ou uma caraterística emergente? Estes são os temas que In Humanity explora. Eu sinto que este projeto é quase como a minha avaliação final da humanidade, no resultado total do nosso legado como espécie. Lamento que a minha caraterização final da nossa espécie traga à mente termos científicos como parasita, vírus, cancro. E, no entanto, de alguma forma, ainda sinto que vale pena salvá-la.

 

O que tinhas em mente quando escreveste estas músicas?

Eu escrevi este álbum com o filme em mente. Os sentimentos tinham que refletir o filme que vejo na minha mente e nas páginas do guião. Embora algumas das músicas possam ter sido originalmente provocadas por improvisações ou temas não desenvolvidos, todas elas foram levadas à maturidade e à conclusão com uma cena específica do filme em mente. Assim que terminei o guião, comecei a completar a música que planeava usar para apoiar o filme. O álbum foi concluído há algum tempo, mas nunca planeei lançá-lo até ao lançamento do filme. Portanto, esta música é verdadeiramente um álbum de banda sonora de um filme feito com os temas do filme como objetivo central.

 

A pandemia teve alguma coisa a ver com este lançamento?

As pessoas perguntam-me se o filme e o álbum são inspirados na pandemia. A resposta é não. Talvez seja por causa da minha referência frequente ao “vírus”. O personagem principal do filme é o cientista mais brilhante de todos os tempos e conclui que a humanidade é semelhante a um vírus, tema que foi popularizado pela primeira vez no filme Matrix. O filme toca em pandemias, mas não foi inspirado pela covid.

 

E como decorreu o processo de gravação nestas circunstâncias estranhas?

Como todo mundo no planeta, fiquei escondido a aguardar o fim da pandemia. Naturalmente, eu gravitava em direção ao meu estúdio de gravação e passava dias intermináveis ​​a trabalhar em In Humanity. Mas a pandemia abarcou apenas as etapas finais do álbum, a maior parte do material foi bastante desenvolvida muito antes da covid.

 

Todas estas músicas foram compostas nos últimos anos ou resultam do teu trabalho ao longo da tua carreira?

Eu já vinha a desenvolver estas músicas há anos, as primeiras músicas datam de há 10 anos. As circunstâncias da gravação variaram muito e mudaram enquanto eu trabalhava nas músicas. Estas músicas resistiram ao teste do tempo em grande medida, porque é um material que se desenvolveu gradualmente e foi refinado ao longo de um período de tempo muito grande. De facto, a música Don't Swallow Tomorrow apareceu originalmente no álbum ao vivo Live Acid, lançado em 1999.

 

Muito obrigado, Riz. Queres enviar alguma mensagem para os teus fãs?

Obrigado a todos que dedicaram o seu tempo para me dizer que estão a gostar da música. Eu estava bastante relutante em lançar estas músicas, mas o vosso feedback garantiu-me que fiz a escolha certa.


Comentários

DISCO DA SEMANA #29 VN2000: Blood On Canvas (DARKNESS) (Massacre Records)

MÚSICA DA SEMANA #30 VN2000: Nocturne (SUNBURST) (Inner Wound Recordings)

GRUPO DO MÊS #07 VN2000: .CRUZAMENTE