Entrevista: Vanderwolf

 


Eu não escrevi essas músicas ou produzi essas gravações para entrar numa corrida comercial. Elas vêm de um lugar pessoal. São declarações pessoais – portanto é preciso ser realista sobre onde a tua música se situa no mercado de ideias e no mercado de música. Quem faz esta declaração é Glenn Max Vanderwolf (ex-Last Man Standing), um músico nada convencional que grava muito, mas lança pouco. E também nos explica o porque dessa opção, nesta conversa a respeito do espetacular álbum (finalmente alguma coisa lançada!) 12 Little Killers.

 

Olá, Max, obrigado pela disponibilidade. 12 Little Killers é primeiro álbum em teu nome. Como olhas para esta tua criação?

Como olho? Olho para ele como uma criança observa o seu próprio cocó ou como Michelangelo observa a sua Capela Sistina. É uma coisa de mistério. Uma beleza indescritível maravilhosa e confusa e, no entanto, nunca se pode escapar do fedor ou das falhas. É incognoscível para o seu criador. Principalmente diverte-me e ocasionalmente impressiona-me. Principalmente estou aliviado por o ter lançado e agora pertence aos ouvintes. Certamente ganhará como "capa de álbum do ano", que eu saiba.

 

Por que esse título, 12 Little Killers? Qual é o seu significado?

12 músicas... cada uma uma killer song... como na América ou no Reino Unido, quando a malta gosta de uma música, skate ou alguma erva, dizem Killer. Mas cada música é também sobre uma condição existencial... portanto, em essência, cada música retrata um Killer diferente.

 

Como foi o processo de criação? Foi uma tarefa em solitário ou o esforço de uma banda?

Principalmente, foi produzido com os membros da banda. Chegamos a um ponto em que o termo Last Man Standing estava a ser usado em desportos, em espetáculos de comédia, em publicidade - e tivemos que seguir em frente. Portanto, Vanderwolf parecia lógico porque a banda estava a começar a desintegrar-se. O processo começa com a composição da música - é um processo solitário, mas assim que a banda se envolve, a música ganha vida.

 

Este álbum é uma coleção eclética de músicas. São todos da mesma época da criação?

São todas as músicas escritas entre 2002-2016 e gravadas entre 2010-2017....

 

Como descreverias este álbum?

Eu tento não o descrever porque estou muito perto dele. É para os outros descreverem e é mais útil ouvir o que os outros têm a dizer sobre isso. Já não me pertence. Pertenço aos ouvintes.

 

Neste álbum, trabalhaste com uma banda principal com a adição de alguns convidados. Podes apresentá-los?

Sam Sallon toca todos os teclados e foi fundamental na produção e compilação das faixas. Quando cheguei a um beco sem saída com o meu pensamento sobre que músicas colocar no álbum, Sam assumiu o controle. Das cerca de 40 músicas gravadas ele escolheu a sequência de músicas. Ele remisturou e masterizou. Depois, há Chris Wyles que incansavelmente gravou todas as faixas no seu estúdio em Camberwell. Ele também é o produtor do álbum. Finalmente, há Will Muldrew no baixo e dois guitarristas Chris Cordoba e Ollie Hannifa. Todos talentos brilhantes.

 

Chegaste a gravar vários álbuns e inúmeras músicas, mas a maioria delas permanece por lançar. Porquê?

Há muitas razões para NÃO lançar música. A mais simples: o custo e o tempo. Os lançamentos de álbuns custam milhares em fabrico, mistura, masterização, arte, promoção e muito mais. Também são precisas horas e horas de tempo e esforço. Portanto, coloca-se a questão: és um músico ou um executivo de uma editora? Queres aproveitar esse tempo e dinheiro e fazer todo o trabalho administrativo e de escritório necessário? Ou queres praticar na tua guitarra, escrever mais músicas, gravar mais músicas, fazer mais espetáculos? Queres um computador no colo ou uma guitarra nas mãos? Deves escolher. E uma vez que já ninguém ganha com o lançamento de discos - graças à forma como a música agora é consumida através do streaming e o rendimento dos artistas com o streaming é tão lamentável - agora precisas ter outro emprego. Portanto, há muito pouco tempo para qualquer coisa. O fator final é a dúvida. Eu não escrevi essas músicas ou produzi essas gravações para entrar numa corrida comercial. Elas vêm de um lugar pessoal. São declarações pessoais – portanto é preciso ser realista sobre onde a tua música se situa no mercado de ideias e no mercado de música. Eu reconheço que este álbum não se encaixa em nenhuma tendência musical. Na verdade, para mim, as tendências nunca importam. Mas também isso não torna mais difícil para essa música ser ouvida e ser analisada e ganhar a atenção de gerentes e agentes que podem levar as coisas para a frente.

 

O artwork da capa do álbum é incrível. Quem foi o responsável?

Obrigado. Steve Cook, também conhecido como Alternity, é um mestre em sourcing e manipulação de imagens. Foi ele que também fez a capa de False Starts And Broken Promises dos Last Man Standing.

 

Como estão as coisas com Last Man Standing? Há alguma coisa preparada para um novo álbum?

Last Man Standing já não existe, mas os músicos continuam. Trabalharei com eles quando puder. Agora estou a terminar o próximo álbum gravado em Nova York e Los Angeles - vou misturar em Nova York e lançar o disco na primavera. Também faremos uma tournée na primavera. Com uma banda que terá membros dos Last Man Standing mais alguns grandes músicos da França. Fizemos um espetáculo recentemente em França e espero voltar em 2023.


Comentários

DISCO DA SEMANA VN2000: Demonology (MELODIUS DEITE) (Art Gates Records)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: As Above, So Below (HARTLIGHT) (Kvlt und Kaos Productions)

GRUPO DO MÊS VN2000: Alpha Warhead