Entrevista: Borealis

 


Com uma capa de encantar e a inclusão de uma orquestra capaz de esmagar o mundo, Illusions, quinto álbum dos canadianos Borealis é o seu mais denso e maciço produto. E isto sem perder a sua capacidade progressiva nem melódica. A primeira à custa de um conjunto de excelentes instrumentistas e a segunda muito assente neste homem com quem conversamos: o vocalista Matt Marinelli.

 

Olá, Matt, como estás? O vosso quinto álbum Illusions acaba de ser lançado. Como têm sido as reações até agora?

Viva, estou bem, obrigado. Até aqui tudo bem (risos). Eu acho que este álbum foi o que teve melhor receção de todos e isso deixa-nos felizes que as pessoas estejam a gostar dele.

 

Geralmente têm um intervalo bastante grande entre os vossos lançamentos. E deste vez, também não foi exceção. Existe alguma razão por trás disso?

As nossas intenções são de nunca ter um grande intervalo entre os álbuns, mas o tempo realmente voa, e antes que percebamos, 4 anos se passaram. Já começamos a escrever novo material, portanto esperamos que o próximo não demore tanto.

 

Podemos dizer que a pandemia ajudou este álbum a crescer?

A pandemia ajudou no crescimento do álbum. Foi uma bênção e uma maldição. Tivemos mais tempo para realmente nos focarmos, mas também mais tempo para pensar demais em cada música, fazendo mudanças quando provavelmente não precisávamos. No geral, porém, deu-nos tempo para aperfeiçoar o que queríamos.

 

Como foi o vosso processo de composição para esse álbum? Mudaram alguma coisa em relação ao anterior?

Temos sempre o mesmo processo quando se trata de escrever. Cada membro terá músicas que escreveram, trazemo-las para a mesa e então todos nós começamos a adicionar os nossos pensamentos e opiniões. Trabalhamos bem juntos e realmente acho que faz mais sentido para nós desta maneira.

 

E quanto à tua performance vocal? Adotaste alguma técnica nova?

Burning Tears foi provavelmente a única música em que cantei um pouco diferente do que normalmente faço. Quero fazer mais, é bem mais fácil nas cordas vocais (risos). A outra coisa que fizemos neste álbum foi adicionar muitas camadas vocais aos refrões. Acho que Sarah está em todas as faixas de apoio para ajudar a adicionar personalidade à minha voz durante aqueles momentos em que estou a cantar o mais forte que posso.

 

Illusions é um álbum conceptual. Podes contar-nos a história por trás dele?

Este álbum é uma continuação de The Offering. Acontece vários anos depois, explorando as crianças sobreviventes e como elas agora lidam com o trauma pelo qual passaram. Cada música é uma abordagem diferente sobre o que eles vivenciaram e como estão a lidar.

 

O vosso line-up sofreu algumas mudanças importantes. Qual foi a causa?

Perdemos alguns membros, mas não estávamos em más condições. Estar numa banda pode consumir muito do teu tempo e dinheiro e, depois de algum tempo, é difícil comprometer o tempo necessário para seguir em frente. Essa foi a única razão para a mudança de formação.

 

Os novos membros já tiveram a oportunidade de participar do processo de composição deste álbum?

Infelizmente não, Aiden juntou-se logo a seguir à filmagem do videoclipe, mas estamos ansiosos para ter a sua opinião sobre as músicas futuras.

 

Também têm Vikram Shankar como convidado. O que procuraram alcançar com este convite para participar no álbum?

Praticamente o que ouves no álbum era o que esperávamos alcançar Hashaná. Não poderíamos estar mais felizes com o que ele adicionou à banda. Agora o desafio é recuperá-lo para álbuns futuros.

 

Para além de Vikram, também têm Lynsey Ward a cantar em em Burning Tears. Quando ela canta nessa música, está a interpretar algum personagem da história?

Sim, Burning Tears é um ponto de vista irmão/irmã. Lynsey fez um trabalho fantástico, a emoção e o controle de sua voz são incríveis

 

Na nossa opinião, este álbum soa mais denso que os anteriores. Procuravam por isso?

Não tentamos fazer isso propositalmente, mas com a orquestra adicionada a este álbum, ele tornou-se um álbum com um som maciço, que eu pessoalmente adoro.

 

A arte da capa é uma obra-prima. Quem foi o responsável?

Obrigado, sim Giannis Nakos @ Remedy Art Design, acabou de arrasar. Ele é tão talentoso e simplesmente a pessoa mais impecável e fácil de lidar.

 

Que orientações lhes deram para criar uma obra de arte tão incrível?

Deixamos aberto para ele fazer o que lhe parecesse. Eu dei-lhe uma breve ideia do que tratava o álbum e ele fez o resto.

 

De que forma isso está ligado ao conceito por trás do álbum?

Deves ver o booklet inteiro para veres a ideia. Lá dentro, verás outras pessoas nas suas próprias pedras separadas a flutuar no nada, o que representa diferentes crianças na história. Cada pessoa está sozinha a lutar as suas próprias batalhas.

 

Para além dos Borealis, de momento estás envolvido em mais algum outro projeto?

Realmente, tenho alguns outros projetos em andamento. Mas, de momento, não posso dizer nada, mas posso entrar no mundo do Rock, o que me deixa muito animado.

 

Quais são os vossos planos para uma tournée para este álbum? Portugal está incluído?

Para o ano que vem é que planearemos uma tournée e espetáculos ao vivo. Infelizmente Portugal ainda não está incluído, mas adoraríamos ir tocar aí. Espero que no próximo ano possamos fazer isso acontecer.

 

Obrigado, Matt, foi uma honra. Queres enviar alguma mensagem aos vossos fãs portugueses?

Muito obrigado por gastares o teu tempo a fazer estas perguntas, a honra foi toda minha. A minha mensagem é obrigado, sem vocês não teríamos nada. Todos os fãs significam muito para nós.


Comentários

DISCO DA SEMANA VN2000: Insanium (WHOM GODS DESTROY) (InsideOut Music)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: Faux Savior (BRUME) (Magnetic Eye Records)

GRUPO DO MÊS VN2000: Men Eater