Entrevista: Arrayan Path

 


Os eventos históricos sempre foram o forte dos Arrayan Path, em termos de letras, ou não fossem eles oriundos de uma das regiões mais ricas nesse campo. Mas fazer todo um álbum em torno de um acontecimento ou personagem nunca tinha acontecido. Surge agora, com Thus Always To Tyrants, curiosamente uma frase vinda do tempo dos romanos, alguns séculos depois. Foi para nos contar como foi o processo de criação deste álbum que voltámos à conversa com Nicholas Leptos.

 

Olá, Nicholas, é um prazer voltar a falar contigo. E parabéns pelo vosso novo álbum. Pessoalmente, quais são os vossos sentimentos a respeito de Thys Always To Tyrants?

Olá, Pedro! Estou muito feliz e animado com o novo álbum e a julgar pelas críticas, o mesmo se passa com a maioria do mundo do metal!

 

Novo álbum depois do mundo ter sido atingido por uma pandemia. Antes de mais, como lidaram com essa situação?

Igual a toda a gente, acho eu. Tentamos manter-nos seguros e fizemos o máximo possível para ser criativos e não desperdiçar o tempo que nos foi dado.

 

Este novo álbum foi todo composto durante o período de confinamento ou não? Como foi o processo desta vez?

Algumas ideias talvez. Mas a maior parte do álbum foi trabalhada após o lançamento do álbum anterior quando a pandemia estava a começar a desaparecer. Como em todos os nossos álbuns, eu começo a trabalhar em melodias vocais que se transformaram em canções quando trabalhamos em conjunto como banda.

 

Os eventos históricos foram sempre uma fonte de inspiração para a banda. Mas, esta é a primeira vez que têm um verdadeiro álbum conceptual. O que vos motivou a seguir este caminho?

Queríamos finalmente fazer algo da história do Chipre e já estava na altura! A história de Evágoras era picante o suficiente para me fazer considerar isso pela primeira vez.

 

Desta forma, qual é a história por trás de Then Always To Tyrants?

Esta é a história do rei Evágoras, da sua vida, das suas provações e tribulações e, paralelamente, a história do seu Reino Salamina naquela era. Na altura, havia uma guerra civil entre Atenas e Esparta. A Pérsia estava a aproveitar aquela guerra civil para enfraquecer os dois estados. Evágoras e o seu reino de Salamina, seguindo a política da era arcaica, escolheu o lado ateniense e contribui muito para as suas vitórias. No entanto, no final, a Pérsia voltou-se contra eles e foram deixados sozinhos e isolados. Mesmo os outros reinos de Chipre se voltaram contra o reino de Salamina. Mas a verdade é que ele continuou a ser um dos Reis mais importantes da nossa história!

 

O CD inclui duas faixas bónus. Também estão ligadas à temática geral?

A primeira música sim. A segunda, Ancient Winds, não tem nada a ver com a história.

 

Para o título do álbum, escolhem uma frase famosa, frequentemente associada à morte de Júlio César. Qual foi a vossa ideia para a usar?

Embora a nossa história não tenha nada a ver com a história de César (na verdade, aconteceu alguns séculos antes dele), gostei muito desse título e considerando que Evagoras queria livrar o seu reino da tirania da Pérsia, era um título ideal para o nosso álbum!

 

Sendo um álbum conceptual baseado em eventos históricos, quão profundo foi a tua pesquisa histórica para a componente lírica?

Bastante profundo, mas não é como se tivéssemos escrito uma dissertação! Eu queria ser preciso. Leio sempre antes de escrever as letras. No entanto, somos músicos e não historiadores. Se perdermos algo, perdoem-nos.

 

E foi fácil encaixar os textos baseados na história na música?

Achei que seria difícil, mas, no final, foi mais fácil do que pensei! Seguimos praticamente o mesmo procedimento dos nossos outros álbuns, mas cada música tinha um limite para o texto.

 

Para o último álbum, tentaram encurtar as músicas… sem sucesso (risos). Desta vez, suponho que isso não foi assunto. Deram toda a liberdade à vossa criatividade?

(Risos) Voltámos a tentar manter as músicas mais curtas para este álbum também, mas falhámos miseravelmente! Eu acho que é difícil quando estás a contar uma história porque tens que escrever o máximo possível de letras para que não fiquem de fora detalhes importantes. Sabes como é, em algum momento tens que dar liberdade à criatividade, mas noutros momentos também deves considerar o fluxo do álbum.

 

Como sempre, podemos dizer que em Thus Always To Tyrants mantêm as vossas marcas registadas, mas que, desta vez, conseguiram injetar algo novo em comparação com os álbuns anteriores?

Não sei, diz-me tu! Acho que fizemos o que sempre fazemos e isso é tentar escrever boas canções.

 

O início de Army Of The Myrmidons apresenta a melodia de abertura (e letras) de Return To Troy, a abertura da vossa estreia Road To Macedonia. Por que decidiram ligar os dois álbuns com tantos anos entre eles?

Bem, porque eles têm o mesmo assunto que é a guerra de Tróia. Pensamos que seria bom ter uma referência do nosso álbum de estreia!

 

Podemos ver isso como um regresso às vossas raízes?

Se queres dizer um regresso ao primeiro álbum, então não. Não é um regresso às raízes. Nós nunca tocamos assim no nosso primeiro álbum. Mas, reconheço que existem algumas semelhanças, no entanto, não foram forçadas. Passamos pelo processo de composição como sempre fazemos, sem saber como vai ficar. O som pessoal e as marcas registadas dos Arrayan Path estão em cada um dos nossos álbuns, não fazemos nada de propósito.

 

Pela primeira vez, em Crossing Over To Phoenicia, têm uma abordagem ao jeito de Deep Purple. O que vos levou a adicionar os seus elementos característicos (órgão Hammond) nesta canção?

Essa foi a inspiração do nosso teclista Huseyin Kirmizi. Esse riff soava mais como Accept ou Priest, mas acho que o hammond mudou completamente. Adoramos como soou e mantivemos!

 

Em termos de músicos, temos o regresso de Stefan Dittrich, baterista que já tocou em álbuns anteriores. Já é membro permanente dos Arrayan Path ou apenas um músico de sessão?

Stefan é um músico de sessão que deveria ter sido um membro normal em diferentes circunstâncias! Acho que o facto de ele morar na Alemanha faz toda a diferença.

 

Na verdade, na última entrevista, disseste-me que provavelmente os Arrayan Path nunca teriam baterista permanente. Ainda te lembras?

Parece meu, sim (risos). Eu nunca digo nunca, mas tivemos muito azar com bateristas, por isso preferimos manter assim por enquanto.

 

Como sempre, contam com a ajuda de alguns convidados. Podes falar-nos um pouco sobre o papel que desempenharam no álbum?

Para este álbum, tivemos principalmente guitarristas principais e Gary dos Shadow Gallery a fazer alguns vocais e coros. Temos guitarristas convidados em quase todas as músicas. Foi algo que decidi desde o início do processo do álbum. Portanto, temos Paolo Viani, Simone Mularoni, Slava Selin, Enzo Donnaruma, Louis Syrimis e Harry Pari. Escolhemos cuidadosamente pessoas que também sejam amigas ou tenham um caráter impecável! Finalmente, tivemos Christina Polycarpou a tocar a lira de Creta.

 

O álbum tem fortes arranjos orquestrais. Como conseguiram trabalhar esse aspeto?

Isso é creditado ao incrível trabalho de Huseyin Kirmizi e George Kallis. Essas pessoas são profissionais e nunca fariam nada pela metade. Temos sorte em tê-los!

 

Muito obrigado, Nicholas, mais uma vez. Queres acrescentar mais alguma coisa?

Obrigado, Pedro por esta grande entrevista e espero que todos possam experimentar este álbum. Não se irão arrepender!


Comentários

DISCO DA SEMANA VN2000: Demonology (MELODIUS DEITE) (Art Gates Records)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: As Above, So Below (HARTLIGHT) (Kvlt und Kaos Productions)

GRUPO DO MÊS VN2000: Alpha Warhead