Entrevista: Neopera

 


O projeto Neopera é verdadeiramente genial, mas as coisas não corrido tão bem como Jörn Schubert desejaria. Tudo começou com uma doença provocada pelo excesso de prática do seu instrumento (a guitarra) e depois continuou com uma indesejada pandemia. Mas, agora parece que as coisas estão a voltar ao normal. A banda alemã lançou um EP verdadeiramente espetacular, Tuba Mirum, já começou os ensaios para preparar o palco e já se fala num disco conceptual ainda com mais ópera. A atender por Tuba Mirum, ficamos com a expetativa em alta.

 

Olá, Jörn, tudo bem? Obrigado pela disponibilidade e parabéns pelo vosso recém-lançado EP Tuba Mirum. Antes de mais, podes apresentar a banda aos metalheads portugueses?

Olá, Pedro. Estou muito bem. Obrigado por perguntares e estou muito feliz por fazer uma entrevista contigo. Antes de mais, gostaria de vos dizer que tipo de música Neopera faz e como é a banda por detrás dela. Neopera é uma banda de metal sinfónico e combina heavy metal com influências clássicas e grandes arranjos orquestrais. Prestei especial atenção aos vocais desde o início. Assim, há um trio vocal com um barítono masculino clássico, um soprano clássico e um gritador/criador do género death metal. Desde sons muito suaves até ao death metal melódico, Neopera trabalha sempre uma malha coesa para que as composições soem sempre como Neopera, embora o espectro seja enorme. Existem também sintetizadores modernos que expandem novamente a tapeçaria sonora nos locais certos. A música dos Neopera é quase ilimitada, mas tenta sempre mostrar claramente o "som Neopera".

 

Podes falar-nos um pouco a respeito da carreira dos Neopera até agora? O último álbum Destined Ways foi lançado há muito tempo (2014). Desde então, só têm lançado singles e um EP. O que aconteceu?

Nessa altura, antes de Neopera existir, eu tocava guitarra solo na banda de death metal melódico Dark Age (1997-2013) e tinha como modelo o guitarrista sueco Yngwie Malmsteen que, para mim, revolucionou o estilo do metal neoclássico com os seus primeiros álbuns. Com Dark Age, também já tinha sido capaz de estabelecer impulsos clássicos nos solos e melodias e tinha espaço para desabafar. Contudo, quando ouvi o primeiro álbum dos Rhapsody, tornou-se claro para mim que precisava de muito mais espaço, porque gostava mais de música clássica no metal do que de qualquer outra coisa. Em 2009 tive a coragem de me sentar e trabalhar num projeto a solo que soaria exatamente como a minha fantasia. Recebi muito apoio e encorajamento dos meus companheiros de banda. Em 2011, tinha chegado o momento e comecei a trabalhar a sério na música. Chamei ao projeto Neopera, procurei as vozes certas e encontrei Thorsten Schuck (barítono classicamente treinado - ainda hoje connosco), Nina Jiers (soprano classicamente treinada) e Mirko Gluschke para os guturais (Dead End Circle). Gravei então uma primeira demo de 4 faixas com Eike Freese (cantora dos Dark Age/produtora). Os Gamma Ray também trabalharam no mesmo estúdio e éramos bons amigos de Kai Hansen e dos seus companheiros. Consegui ter Dirk Schlächter (baixo/Gamma Ray) pela minha causa e ele introduziu a minha música na sua editora Ear Music. E depois aconteceu tudo muito rapidamente. Consegui um contrato exclusivo com essa editora e era suposto gravar um álbum inteiro. A partir desse momento, trabalhei como um louco num álbum para os Neopera. Compus e toquei guitarra dia e noite. Depois, em 2014, foi lançado o primeiro disco Destined Ways a nível mundial. Infelizmente exagerei muito e tenho distonia muscular (doença do músico em virtuosos) na minha mão esquerda. De um dia para o outro deixei de conseguir mexer bem os dedos e era-me impossível tocar os solos para os próximos concertos. Mikis Trimborn (Syndemic) concordou em ensaiar as canções, incluindo os solos, para que os Neopera pudessem atuar ao vivo. Foi um momento muito difícil para mim. Podia tocar guitarra rítmica em palco com dois dedos mais mal do que bem. A dor e a tensão eram insuportáveis. Comecei a terapia com um professor de renome para as doenças dos músicos (Prof. Altenmüller). O diagnóstico era e continua a ser que nunca recuperarei a minha antiga capacidade de tocar. Mas devido ao contrato de gravação, ainda tinha a tarefa de lançar um álbum e um vídeo ao vivo. Tive a ideia de gravar o álbum Destined Ways como um set acústico ao vivo com duas novas canções (Euphoria e Before We Fall), que também coloquei no EP In Memoriam como faixas de estúdio. Lançámos também o vídeo para a canção Error. Com isso queria despedir-me da música, porque achava que já não podia trabalhar como músico. A cooperação com a editora Ear Music terminou aqui e eu tive de me retirar da música durante alguns anos. No entanto, o contacto com o cantor Thorsten Schuck nunca se quebrou. Foi ele que me convenceu em 2019 que eu tinha absolutamente de continuar a trabalhar como compositor. O meu parceiro sempre me encorajou também a continuar a fazer música. A distonia na minha mão esquerda poderia ser melhorada até um certo ponto. Mas provavelmente não serei capaz de tocar solos virtuosos nem fazer concertos ao vivo no futuro. Thorsten encarregou-se de formar uma nova banda com músicos que têm o nível necessário para executar ao vivo a música dos Neopera. Em janeiro de 2020, tinha chegado o momento e foram encontrados músicos talentosos (incluindo Nino Helfrich na guitarra, Jasmin Gajewski, soprano e Denis Filimonov, guturais). Infelizmente, a pandemia mundial de covid travou os nossos planos com a banda. Decidimos utilizar este tempo para gravar novas canções em estúdio. Foi muito importante para nós poder mostrar ao mundo que os Neopera estavam de volta.

 

O que nos podes dizer a respeito deste novo lançamento Tuba Mirum?

Trabalhámos muito em canções novas durante o tempo do covid e tínhamos pensado em como e quando apresentar essas canções. Uma vez que tínhamos de trabalhar sem uma editora, sabíamos que seria impossível lançarmos um álbum inteiro. A produção de canções Neopera é bastante cara e a qualidade é muito importante para nós. Por conseguinte, só podíamos gravar canções individuais pouco a pouco. Tivemos de elaborar um conceito para uma campanha nos meios de comunicação social. Era importante para nós pôr um sinal de vida e dizer às pessoas que haveria música nossa de novo. A primeira canção foi An Eternal Night e foi o início para levantar Neopera do seu sono. Depois era altura de poupar dinheiro novamente e de lançar a próxima canção o mais depressa possível. Com Verge Of War a banda inteira poderia ser introduzida com as 3 vozes. As quatro canções seguintes (Tuba Mirum, Side By Side, Cause You Where There e A New God) puderam ser realizadas graças à ajuda dos nossos maravilhosos fãs em Patreon. Portanto, aqui mais uma vez um grande obrigado e a dica da nossa página para as pessoas que querem apoiar ativamente a produção de mais música da nossa parte: www.patreon.com/neopera. Além disso, recebemos apoio do Neustart-Kultur (um programa de financiamento do governo alemão/ajuda covid para músicos) para podermos gravar as canções numa só peça. Queríamos então lançar todo o trabalho como um EP. O facto de depois também termos lançado as últimas quatro canções como singles é na realidade apenas porque queríamos publicar constantemente nos meios de comunicação social, a fim de voltar a atingir mais fãs após a pausa mais longa. As canções em si são muito diversas. Queríamos refletir toda a gama de Neopera com o novo sinal de vida Tuba Mirum. Portanto, cada canção é algo completamente especial. An Eternal Night é um dueto entre o barítono e o soprano. Equilibra entre balada e metal e tem um final em alemão especial com uma interpretação do Wanderer To The Moon de Franz Schubert. Gostamos sempre de incorporar melodias clássicas de compositores famosos. Verge Of War é uma canção que é mais acessível. Tem um caráter cativante, mas ainda assim mostra todas as caraterísticas dos Neopera. É por isso que todas as 3 canções estão aqui representadas. O conteúdo é sobre uma situação que pode degenerar em guerra a qualquer momento. (O tema da guerra é um tema recorrente. No entanto, todas as canções e letras foram escritas antes da invasão russa da Ucrânia). Tuba Mirum representa a grande epopeia. Composicionalmente extensa e intensa. Side By Side é a canção que é um pouco mais fresca e também inclui sons de sintetizadores modernos. A composição é mais aberta e também pode ser descrita em alguns lugares como papoila. Mas mais uma vez, é importante que esta canção combine todos os elementos. Mostra a grande capacidade dos Neopera de combinar elementos estilísticos sem perder caráter. Cause You Where There é a balada que não deve faltar. Especialmente os arranjos orquestrais podem desdobrar-se bem aqui. A contrapartida absoluta de Cause You Where There é a canção A New God. A luz e a escuridão devem ser mostradas em total vantagem como um contraste. A New God é a canção com uma clara atitude melódica de death metal. Mas com os arranjos orquestrais e os coros, há sempre uma ligação clara com o uniforme Neopera sound.

 

Como é o processo criativo na banda, considerando o elevado nível de virtuosismo e complexidade das canções?

No início, compus e escrevi tudo sozinho, toquei todas as guitarras sozinho e programei os outros instrumentos como versões demo e elaborei notações. As linhas vocais foram também claramente pré-definidas. A única coisa em que precisei de ajuda foi a tradução da letra para inglês e os arranjos orquestrais que transmiti a um arranjador muito bom (Corvin Bahn) para revisão, pois só tenho bibliotecas de orquestra medíocres. Todos os músicos trabalharam a partir destes modelos. Essa era também a exigência da minha editora. Apenas uma canção por álbum foi autorizada a vir de outro compositor ou a ser cocomposta. Também tive a sorte de poder partilhar os direitos de autor do texto e trabalhar nas versões/interpretações em inglês juntamente com um bom amigo (Alex Henke/produtor). Foi um trabalho muito extenso e realmente árduo para mim. Especialmente porque não sou um músico estudado. Acertar sempre as vozes clássicas e a orquestra foi um grande desafio e nem sempre funcionou na perfeição. Foi uma fase de aprendizagem muito grande para mim e tive de recompor a canção Destined Ways quatro vezes, por exemplo, até que tudo se encaixasse. Hoje em dia o processo é diferente. Já não tenho um contrato exclusivo e aprendi a entregar. Eu só componho um quadro básico para cada canção. Os cantores podem cantar as suas ideias sobre ela e contribuir plenamente. Se necessário, recomponho a reprodução se as ideias vocais precisarem de melhores harmonias. Também mantenho as baterias bastante simples no início para que o baterista possa trazer o seu próprio estilo. Deixo os solos de guitarra completamente livres e componho simplesmente passagens nas quais o solista pode desabafar. Todos têm também a oportunidade de contribuir com as suas próprias ideias de composição. Por exemplo, só arranjei a canção Cause You Where There. A ideia básica veio de Thorsten. Uma vez que todos os músicos trabalham a um nível muito elevado, pode-se confiar totalmente no facto de que algo de bom sai sempre.

 

Como se trabalha especificamente na área dos vocais?

Quando componho uma canção, tenho de pensar em quando quero usar que voz. Tenho de estar atento ao tom de voz, porque de outra forma o barítono e o soprano rapidamente se colocam em posições desagradáveis para cantar. É difícil quando ambas as vozes clássicas têm de cantar juntas. Se o soprano tiver de ser mostrado com a sua melhor vantagem no registo elevado, pode ser demasiado elevado para o barítono. A chave deve ser bem escolhida para que o verso e o refrão se harmonizem bem para as vozes. Envio as minhas primeiras ideias a Thorsten e Jasmin. Normalmente também com sugestões para uma possível linha vocal. Os dois gravam então as suas vozes. Tal como eles se sentiriam confortáveis. Por vezes tenho de mudar a chave ou a velocidade e melhorá-la. Isto continua até estarmos todos satisfeitos. Nesta fase, trabalhamos com textos de fantasia. Isto ajuda-nos a concentrar completamente na melodia e no ritmo das palavras. Quando a canção estiver pronta com os vocais, trabalhamos então na letra juntamente com uma muito boa letrista (Sarah Gorzelitz). Aqui é importante ter muita experiência com palavras e cânticos. Muitas palavras são difíceis de cantar no registo elevado. Por conseguinte, deve ter-se o cuidado de utilizar as vogais nos lugares certos, tanto quanto possível.

 

Tal como acontece com os álbuns, também estiveram afastados dos palcos durante muito tempo. Será que isso vai mudar agora? Quais são os vossos planos?

Devido ao intervalo devido à doença e à pandemia de covid que se seguiu, na realidade já não conseguimos subir ao palco. Isso vai definitivamente mudar! Ao longo do tempo, novos caminhos se abriram para alguns músicos. Surgiram novas prioridades. É por isso que tem havido algumas mudanças nos instrumentistas nos últimos anos. O nosso objetivo é construir uma banda sólida. Uma banda que se une e também sobrevive a tempos difíceis. Uma banda em que se pode construir e na qual se pode confiar. Só então será possível tocar constantemente em concertos. Estamos atualmente a trabalhar na implementação técnica para os primeiros ensaios, uma vez que a banda está finalmente completa novamente. Esperamos tocar os nossos primeiros concertos no verão de 2023 e esperamos que os promotores tomem nota de nós. Ao longo do caminho, irei compor um álbum conceptual que irá conter ainda mais ópera. Com isso, gostaríamos de nos apresentar novamente a uma editora e também expandir a equipa com uma boa agência de reservas. Uma vez isso feito, os Neopera farão grandes concertos e entusiasmarão o mundo inteiro com um espetáculo excitante. Pelo menos é esse o plano.


Comentários

DISCO DA SEMANA VN2000: Demonology (MELODIUS DEITE) (Art Gates Records)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: As Above, So Below (HARTLIGHT) (Kvlt und Kaos Productions)

GRUPO DO MÊS VN2000: Alpha Warhead