Review: At The Circus (STARQUAKE)

 


At The Circus (STARQUAKE)

Independente

Lançamento: 26/janeiro/2023

 

Conhecido pelos trocadilhos de palavras Mikey Wenzel está de regresso com mais uma opera rock e um álbum conceptual do seu projeto Starquake. Para trás ficou a trilogia em torno do tempo e agora os trocadilhos situam-se apenas em Platform (Flink Poit), um espetacular instrumental de inspiração Pink Floyd. At The Circus é o nome deste novo e longo álbum, uma bela peça de rock, claramente de inspiração Trans-Siberian Orchestra pela diversidade estilística e pelos múltiplos recursos instrumentais e vocais, com destaque para os sempre impressionantes jogos de diversas vozes. E, claro, pelas suas principais influências que vêm do rock clássico pincelado com algumas doses de hard rock e até de metal. At The Circus é um álbum longo, mas que vai sempre em crescendo, até porque é no final do disco que estão as maiores pérolas. E porquê? Porque apesar de haver boas ideias ao longo de todo o disco (aliás a fasquia fica logo bem elevada em Introduction) é no final que elas surgem mais trabalhadas e desenvolvidas. Nos temas mais iniciais, a sensação que fica é que Mikey Wenzel poderia ter ido um pouco mais longe com as suas composições. Tinha as ideias e os recursos para isso. Naturalmente, a questão da duração global do disco também deve ter pesado nesse aspeto. Em suma, At The Circus é um disco com muitos elementos de classe, uma assinatura de grande criatividade e uma assinalável variabilidade, pelo que nem se dá conta de passar quase uma hora de música. Muito bem cantado, com pormenores de excelência, e bem executado. Um claro passo em frente na obra do germânico. [86%]

 

Highlights

Never Really Over, Introduction, Farewell - Usher Out (Underture), Clown’s Don’t Cry, Platform (Flink Poit), Afterlife, All My Friends Are Dead, Prayer, Life Without You

 

Tracklist

1. Welcome - Usher In (Noverture)

2. Introduction

3. Life's a Circus

4. Clowns Don't Cry

5. Nu Knots

6. Strings Attached

7. Life Without You

8. No Strings Attached

9. Platform (Flink Poit)

10. Train To Nowhere

11. War Is...

12. Never Really Over

13. Afterlife

14. All My Friends Are Dead

15. Prayer

16. Slow Down

17. Farewell - Usher Out (Underture)

 

Line-up

Mikey Wenzel – vocais, guitarras, baixo, teclados

 

Convidados

Jan "Donkey" van Meerendonk – bateria

Andi Pernpeintner – Hammond

Joe Wagner – guitarra solo

Alex Kugler – guitarra solo, harpa (10)

Reinhold "Oki" Okon - vocais (4)

Gaby Weihmayer - vocais (7)

Michael Ocker – vocais (12)

Niklas Rölz - oboe (4, 14)

Martin Treppesch – guitarra barítono, baixo (3)

Jochen Schertel - guitarra solo (9)

Florian Ebner – guitarra solo (15)

Versilian Studio Chamber Orchestra – quarteto de cordas (6, 17)

 

Internet

Facebook   

Bandcamp   

Website   

Youtube   

Comentários

DISCO DA SEMANA VN2000: Insanium (WHOM GODS DESTROY) (InsideOut Music)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: Faux Savior (BRUME) (Magnetic Eye Records)

GRUPO DO MÊS VN2000: Men Eater