Entrevista: Elysion

 


Bring Out Your Dead, o mais recente trabalho dos Elysion, é um disco de grandes canções e que transmite fortes emoções. Construído ao longo dos últimos nove anos, a banda grega teve tempo para trabalhar todos os pormenores. Embora um intervalo tão grande entre álbuns não estivesse, de todo, nos planos do coletivo, como nos conta a vocalista Christianna.

 

Olá, Christianna, como estás? Muito tempo passou desde a última vez que conversámos, em 2014 a respeito do álbum Someplace Better. O que se passou com os Elysion para este hiato tão longo?

Olá, Pedro!!! É sem dúvida um prazer voltar a falar contigo depois de tantos anos! Tens toda a razão, muito tempo se passou desde o álbum Someplace Better e a verdade é que os Elysion nunca pretenderam um atraso tão grande. Houve uma série de inconvenientes bastante infelizes que colocaram as coisas em espera para nós, sendo a pandemia a última que tornou as coisas ainda piores. Mas tudo isso pertence ao passado, estamos definitivamente de volta agora e mais animados do que nunca!

 

Mas, estiveram em standby ou estiveram sempre ativos durante este tempo?

De certa forma, um pouco dos dois, acho eu. Ativos sim, o que significa que para nós, a composição nunca parou, mesmo quando acabamos de lançar um novo álbum, continuamos a compor novas músicas, é o que liberta a nossa alma. Parados no sentido de não nos termos apresentado muito em palco. Infelizmente, a covid não apenas atrasou o lançamento do nosso novo material, como também fez com que a maioria das apresentações ao vivo parassem, o que foi de grande importância para os Elysion, pois analisámos tudo em que estávamos a trabalhar até aquele ponto e criamos Bring Out Your Dead.

 

Também é notável que a banda tenha mantido a mesma formação ao longo de todos estes anos. Foi esta estabilidade que permitiu apresentar o grande álbum que têm em Bring Out Your Dead?

Com certeza, a estabilidade é crucial para uma banda ser capaz de se relacionar e funcionar como uma equipa eficaz. Já trabalhamos juntos há tantos anos que nos consideramos uma família. Dito isso, tenho que dizer que tivemos uma nova adição à família Elysion que anunciamos no ano passado, pela qual nos sentimos muito felizes. Andreas Roufagalas é o nosso novo baixista que juntou forças connosco há pouco tempo e já parece que está cá desde o início.

 

Como foi a preparação para este álbum? As canções aqui incluídas são todas recentes ou são o resultado do vosso processo criativo ao longo dos últimos anos?

Já tínhamos ideias e melodias guardadas nas nossas gavetas logo após o nosso lançamento anterior, como mencionei antes, o processo de composição de músicas nunca para. Ao longo dos anos revisitámos o nosso trabalho e quando pensámos que tínhamos assentado na atmosfera certa para o novo álbum, surgiu a covid, bem como uma série de eventos pessoais que desencadearam uma escuridão recém-descoberta e avaliação de tudo o que aconteceu. Bring Out Your Dead é o resultado da nossa longa luta para expulsar os nossos demónios, viajar pelos cantos escuros da nossa existência e sair vivos do outro lado do túnel.

 

Apesar de este álbum não ser conceptual, existe uma sensação geral de escuridão a atravessar todas as músicas. Depois da ideia mais positiva de Someplace Better, o que vos fez mudar de perspetiva?

Na verdade, é exatamente o contrário. Bring Out Your Dead é, na nossa humilde opinião, o nosso trabalho mais maduro até agora e sim, lidamos com muitos problemas sombrios. Não poderíamos ter feito de outra forma, sendo cidadãos ativos deste mundo e vendo todas as falhas da humanidade a destruir tudo o que deveria ser protegido. No entanto, até o próprio título sugere que está na altura de nos livrarmos de tudo o que está podre para que possamos seguir em frente e ter uma oportunidade de melhorar novamente. A perspetiva de limpeza é evidente em todo o álbum, portanto, diria que não é um ponto de vista pessimista. Exatamente o oposto.

 

Por outro lado, sendo uma banda com uma vocalista feminina, parece que estão mais preocupados em criar grandes melodias e canções emocionalmente fortes e não em seguir as tendências do movimento. Concordas com a nossa visão? Foi um objetivo para este álbum?

Nunca nos rotulamos como parte de nenhum movimento, especialmente quando se trata de female front. Isso não significa nada, pois fornece zero informações sobre a banda e a sua música. Em geral, Elysion sempre sentiu que temos uma forte identidade sonora e isso surge, naturalmente, quando escrevemos novas melodias, já que esta é a música que queremos fazer e nunca nos preocupamos em seguir tendências ou outras influências. Sendo este o nosso terceiro álbum, acho que estabelecemos um som caraterístico bastante sólido que é enriquecido por novas abordagens, e é uma verdadeira honra que os nossos amigos em todo o mundo reconheçam e amem essa identidade. Não poderíamos estar mais gratos a todos eles pela receção de Bring Out Your Dead. Eles deram-nos novas asas para voar.

 

Crossing Over e Raid The Universe foram os primeiros singles. Porque escolheram estes temas? Há planos para lançarem mais algum?

Acho que quando estas linhas forem publicadas, o single Eternity também terá sido lançado. Acho que vou deixar isso como uma surpresa. Quanto a escolher Crossing Over para ser o nosso primeiro single do álbum, bem como o nosso primeiro vídeo, consideramos que é uma boa maneira de receber os nossos amigos de volta à nossa música, apresentando um som Elysion reconhecível que amarraria os laços entre o longo intervalo desde o álbum anterior e este. Raid The Universe tem sido uma das músicas mais alternativas, de certa forma, do álbum, mas estamos fortemente ligados a ela e pensamos que traz algo novo para a imagem.

 

Como decorreram as sessões de gravação? Trabalharam com Mark Adrian, estou certo? Foi uma experiência tranquila?

Sim, estás certo! Até agora, Mark Adrian sabe o que é o som do Elysion melhor do que nós mesmos, portanto trabalhar com ele é sempre uma experiência tranquila!!! Além da confiança absoluta que compartilhamos com ele, nós mesmos co-produzimos Bring Out Your Dead com Mark Adrian, pois ao longo dos anos obtivemos um bom nível de confiança na nossa própria perspetiva e habilidades em questões de produção. É um verdadeiro presente poder contar com pessoas que sempre estiveram ao nosso lado, como Mark Adrian, e em cujo trabalho confiamos plenamente, portanto, quando se trata disso, sentimo-nos sempre muito seguros de que o nosso álbum soará exatamente como pretendido.

 

A capa está espetacular! Quem foi o responsável? Que feelings tentou captar?

Estou muito feliz que também tenhas gostado, todos os créditos vão para o nosso diretor de fotografia e designer de arte Dimitris Tzortzis, que é responsável por dar a Bring Out Your Dead a sensação sombria que queríamos que tivesse. Também acreditamos que ele fez um trabalho incrível capturando a melancolia do conceito, a sensação de sangramento e cicatrizes que precisam ser deixadas para trás para que a cura possa começar. O que talvez nem toda a gente saiba, a rapariga incrível na capa conseguiu personificar o meu alter ego sombrio no nosso videoclipe Crossing Over. Sentimos que tudo se encaixa muito bem dessa maneira.

 

Já tiveram a oportunidade de apresentar este álbum ao vivo? E o que têm planeado para os próximos tempos?

Bem, temos algumas coisas em mente no que toca a tocar em alguns festivais durante o verão, mas acho que os planos maiores começarão no outono. Certamente mal podemos esperar para subir a palco novamente - desta vez para tocar o nosso álbum mais dinâmico, de longe - e é apenas um eufemismo para dizer o quanto sentimos falta de tocar ao vivo e o quão profundamente desejamos poder visitar tantos países quanto pudermos desta vez. Cruzamos os dedos e muitos arranjos neste momento. E rezar para que tudo dê certo, temos muito amor para dar a todos que nunca desistiram de Elysion apesar da longa ausência!!!

 

Muito obrigado, Christianna, mais uma vez. Queres acrescentar mais alguma coisa?

Muito obrigado por esta esta grande entrevista. Foi incrível recuperar o atraso depois de todo este tempo. Tudo o que quero dizer é um enorme obrigado, em nome de todos nós, a todos que continuaram a ouvir a nossa música ao longo dos anos e nos manteve vivos. Agora é altura de colocarmos os motores em funcionamento e fazermos tudo o que esperamos há tanto tempo. O meu amor a todos os leitores, fiquem seguros, sejam felizes, continuem no metal!!!


Comentários

DISCO DA SEMANA VN2000: Insanium (WHOM GODS DESTROY) (InsideOut Music)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: Faux Savior (BRUME) (Magnetic Eye Records)

GRUPO DO MÊS VN2000: Men Eater