Live Report - XIV Milagre Metaleiro Open Air (Dia 1 - 25 de agosto de 2023)



Vai já na 14ª edição o festival que nasceu numa pequena aldeia do interior centro do país, Pindelo dos Milagres (concelho de S. Pedro do Sul), mas que nem por isso deixa de ter o melhor cartaz de Portugal e arredores. Foi nos dias 25, 26 e 27 de agosto que o Milagre Metaleiro Open Air voltou a celebrar a festa sagrada do Heavy Metal. Houve alterações importantes, o espaço mudou do centro da aldeia para a periférica Zona Industrial, e passou a haver dois palcos, mas o essencial manteve-se: três dias repletos de muita música de qualidade.

O primeiro dia abriu com os portugueses Voidwomb, mas foi apenas com as Frantic Amber e com o folk dos Hadadanza que a primeira multidão se começou a juntar, naquele que foi o aquecimento para o primeiro grande concerto do festival: Angus McSix. Com uma energia contagiante, um espetáculo muito bem oleado e uma teatralidade memorável, a banda liderada pela mais recente encarnação de Thomas Winkler, aproveitou o seu primeiro concerto em solo nacional para se dar a conhecer a muitos dos fans presentes no recinto. Apesar do uso de backing tracks parecer ter sido algo excessivo, o coletivo apresentou-se na sua melhor forma naquela que foi uma demonstração eximia de toda a sua capacidade. Se esta performance foi capaz de arrebatar o público, o mesmo não se pode dizer dos Opera Magna. Com uma prestação abaixo do esperado, os espanhóis foram ainda prejudicados por constantes problemas de som, algo que se viria a revelar uma constante no Palco 2.


Foi ao cair da noite que o primeiro cabeça de cartaz subiu a palco. Vindos da Alemanha, os Orden Ogan vêm a sua qualidade ser reconhecida há já algum tempo. Com um setlist capaz de conjugar clássicos da banda e temas do último álbum, o coletivo foi capaz de entusiasmar o público e prepará-lo para o que faltava da noite. Uma prestação extremamente sólida e coesa. Seguindo a deixa dos alemães, os Blame Zeus subiram ao palco e não desiludiram. Liderados pela talentosa Sandra Oliveira, a banda do Porto mostrou-se ao seu melhor nível, carimbando, assim, mais um concerto de qualidade.


A noite já ia longa e a multidão começava a acumular-se para dar a primeira casa cheia do festival aos Therion. As expetativas para o regresso dos suecos a Portugal eram bastante elevadas e os fãs não saíram defraudados. Performance exemplar dos discípulos de Christopher Johnsson que, com apenas seis membros no palco, foram capazes de inventar o seu próprio coro e orquestra. Uma prestação estelar que viria a culminar em To Mega Therion, aquela que é, provavelmente, a melhor composição alguma vez criada pelo génio sueco. O espaço existente entre cabeças de cartaz foi ocupado pelos Shutter Down, banda nacional que mostrou que já tem qualidade para voos mais altos.


Por fim, chegou a vez dos Moonspell, naquela que era o concerto mais aguardado da noite. Infelizmente, os lobos não foram capazes de se apresentar ao nível a que habituaram os fãs. Com uma prestação mediana de Fernando Ribeiro e um volume demasiado elevado (os copos assentes na mesa de mistura abanavam e caíam com o volume do som), o coletivo português mostrou-se alguns furos abaixo do expectável. Ainda assim, deve ser notada a confiança demonstrada em todos os momentos da sua vasta carreira. Nas palavras do líder e vocalista, “em 30 anos, acertamos algumas vezes, falhamos outras, mas nunca virámos as costas a quem fomos”. Fazendo jus a estas declarações, o setlist que abriu com Opium e fechou com Alma Mater, (ao qual se seguiu o encore com Todos os Santos e Full Moon Madness), passou em revista toda a carreira e diversidade musical a que os Moonspell nos habituaram. O fecho da noite esteve entregue aos Graveworm que, apesar de contarem com uma audiência bastante mais reduzida, foram capazes de mostrar toda a qualidade que têm. 





Comentários

  1. É pena escreveres à antiga, pensares igualmente, não teres visto o melhor show que por lá passou e nem sequer teres acertado no set list. Felizmente já há poucos curiosos assim.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

DISCO DA SEMANA VN2000: Insanium (WHOM GODS DESTROY) (InsideOut Music)

MÚSICA DA SEMANA VN2000: Faux Savior (BRUME) (Magnetic Eye Records)

GRUPO DO MÊS VN2000: Men Eater