Reviews VN2000: AVI ROSENFELD & AVI TULIPANO; BONFIRE; FIREWIND; APOCALYPSE; REN MARABOU AND THE BERSERKERS

 


Battle Of Rock (AVI ROSENFELD & ANDRE TULIPANO)

(2023, Independente)

De Avi Rosenfeld pouco mais há a dizer. O israelita continua a produzir álbuns em catadupa, o que, naturalmente, se reflete na sua qualidade. Desta vez, Avi volta ao classic rock/hard rock, chamando para vocalizar Battle Of Rock o brasileiro André Tulipano, dos Steel Warrior (onde é conhecido como André Fabian). Mas, desta vez, as coisas melhoram. Primeiro, porque o paranaense tem um belo registo que se enquadra na perfeição em toda a ambiência dos anos 70/início dos 80 presente neste álbum. Depois, porque mesmo sem fugir ao seu registo habitual de composição, Avi Rosenfeld conseguiu reunir um conjunto de temas substancialmente mais consistentes que o último capítulo da saga Very Heepy, Very Purple. Apesar de as referências musicais serem, no fundamental, as mesmas, este álbum abre com um Raven, mais próximo do NWOBHM e, a partir daí vai-se desenvolvendo sempre com boas instrumentações e melodias. O álbum funciona como uma batalha e serve como homenagem aos grandes e imortais gladiadores do rock. E, mais uma vez, é interpretado por gente de todo o mundo, com destaque para a presença de Timo Tolkki a solar em Burn The Light. [82%]


 

Don't Touch The Light MMXXIII/Fireworks MMXXIII/Point Blank MMXXIII (BONFIRE)

(2023, AFM Records)

Os Bonfire são um dos nomes incontornáveis do melodic metal germânico. Mas não nasceram assim. Em 1976 Hans Ziller iniciava os Cacumen, banda que lançou três álbuns, antes de mudarem o nome para os conhecidos e atuais Bonfire. Atualmente, Ziller é o único membro restante desse longínquo período, no qual foram lançados 17 álbuns de estúdio, entre muitos outros lançamentos, como os mais recentes Legends (de versões) e Roots (de versões de temas da própria banda). Nessa sequência, surge outro lançamento da sua editora, AFM Records, que se trata do lançamento dos três primeiros álbuns. Não reedições, mas gravações completamente novas com o atual line-up. Considerando que esses três álbuns foram lançados nos finais dos anos 80, com os músicos ainda bastante jovens, podem esperar, para além das novas gravações, novos arranjos dessas músicas icónicas. Don’t Touch The Light foi o primeiro desses lançamentos, via RCA Records em 1986 e fez um enorme furor com temas emblemáticos como S. D. I., No More, Hot To Rock ou Longing For You. Os novos arranjos criam novas perspetivas e acentuam as qualidades deste magnífico álbum [95%]. Apenas um ano após, surgia Fireworks, um disco que teve a curiosidade de ter como baterista o convidado Ken Mary (na altura nos Fifth Angel, atualmente nos Flotsam & Jetsam), porque o baterista original tinha sido despedido durante a fase de composição. Originalmente, o álbum foi lançado pela BMG e continha 10 (na edição em vinil) e 11 (em CD e cassete) dos 25 temas escritos. Esse tema adicional (também presente nas edições japonesa e sul-coreana) é Cold Days, aqui também presente, juntamente com uma nova faixa, Angel In White [85%]. Em Point Blank [90%](originalmente, em 1989, também via BMG), os Bonfire optaram por uma abordagem diferente, com temas mais curtos, incluindo dois interlúdios, e em maior número. Este álbum entrou na tabela britânica, atingindo a posição 74, mas apenas lá permaneceu uma semana. Curiosidade é que, durante a gravação, Hans Ziller foi despedido. Mas, o guitarrista era o autor de 10 dessas canções! Seja como for, acabaria por não participar no quarto álbum (Knock Out), regressando em Feel’s Like Comin’ Home. Portanto, com este lançamento da editora alemã, os fãs mais antigos podem ouvir todos os clássicos dos Bonfire com uma nova visão musical, enquanto que, naturalmente, se abrem portas para uma geração mais contemporânea de ouvintes.


 

Still Raging – 20th Anniversary Show (FIREWIND)

(AFM Records)

Foi em Thessaloniki, Grécia, que, há 25 anos atrás, nascia uma das mais importantes bandas de Power Metal do nosso século. A banda que se tornaria no mais adorado filho de Konstantinos Karamitroudis, o homem que, nos anais da história do Metal, será sempre recordado como Gus G. A banda que, ao longo dos últimos 25 anos, viajou entre o céu e o inferno, queimou a terra, fez alianças, enfrentou premonições e se tornou imortal ao longo do trajeto. Falamos dos Firewind que, a 1 de outubro de 2022, e com um line-up renovado, fizeram um dos seus melhores e mais completos concertos até hoje. Um concerto que, com exceção de Forged By Fire, abordou, em maior ou menor quantidade, todos os álbuns da sua vasta carreira.  Um concerto de 1h45min onde foi possível incluir tudo aquilo que os carateriza: vocais poderosos, melodias pegajosas, solos virtuosos e uma base instrumental extremamente competente. Um concerto memorável que, graças à AFM Records, pode ser apreciado por todos os fãs da banda, tanto os que marcaram presença no Principal Club Theater de Thessaloniki como os que não tiveram a oportunidade de o ver em primeira mão. Resumindo, Still Raging é, sob a forma de um DVD e dois CDs, uma prenda para os fãs e um agradecimento por parte da banda àqueles que se mantiveram ao seu lado ao longo dos últimos 25 anos. [90%]


 

Retaliation (APOCALYPSE)

(2023, MiMo Sounds Records & Publishing)

Após o lançamento do excelente Pedemontium, Erymanthon Seth, mente solitária por trás do projeto de Turim, resolveu mudar o nome de Apocalypse para Apokalypse. Aparentemente foi sol de pouca dura, porque o novo trabalho do projeto, intitulado Retaliation, surge, de novo, sob a denominação antiga. Mas, ao contrário do nome, e como o multi-instrumentista já nos habituou a variar a sua sonoridade, há muitas outras coisas a mudar. Uma delas, e ainda antes de falarmos do aspeto musical, é a inclusão do baterista Doublemme. A outra, e mais importante, é, então, a abordagem estilística. O primeiro aspeto a saltar à vista é a redução para metade do tempo de duração do álbum. Isto porque os temas também sofrem um corte significativo na sua duração. Por isso, esqueçam qualquer tipo de comparação com Pedemontium. Este quinto álbum é muito mais direto, extremo e brutal. Tem uma atitude completamente in-your-face, com uma produção crua e cáustica. Por isso, o seu som fica muito longe das composições épicas do álbum anterior. Podemos dizer que os Apocalypse evoluíram de um black metal de cariz viking e épico, de influência Bathory, para um black metal de cariz thrashy, de influência Celtic Frost, Venom ou Decayed. Ou seja, uma bateria implacável, vocais sem piedade, uma guitarra matadora e riffs de baixo compõem o som deste novo álbum. Saúda-se a vontade de explorar novos territórios, mas, pessoalmente, preferimos a sonoridade antiga. [75%]


 

Tales Of Rune (REN MARABOU AND THE BERSERKERS)

(2022, United Music Mafia)

Com Tales Of Rune fica completa a trilogia que os irlandeses Ren Marabou And The Bersekers se propuseram realizar. Começou em 2021 com os álbuns Valhalla Waits e Sagas e terminou cerca de um ano depois com Tales Of Rune. O trio pratica uma espécie de viking/norse pagan metal, embora isso seja mais notório nas letras que propriamente no instrumental que estamos habituados a ouvir em bandas do mesmo género. Isto porque os elementos de ancestralidade são quase inexistentes e também porque os arranjos das guitarras, muito sujos, estão mais orientados para algo próximo do groove metal ou até do stoner metal, como se perceberá em Huldra e Let’s Drink Mead.  Ainda assim, a afinação dos temas iniciais lembra o trabalho dos primórdios dos Therion. Todavia, a partir daí, a banda vai evoluindo em diversos sentidos, destacando-se algum experimentalismo negro e obscuro em Hinsmen Die, naquele que é o primeiro grande momento do álbum. Instrumentalmente, este é um disco bastante competente, com um trabalho bem conseguido e até, a espaços, com bastante criatividade. A forma como os solos são criados e introduzidos em Dodssang (Death Song) e Odin’s Sons And Daughters e o trabalho harmónico em The Three Norns são os melhores exemplos. O problema surge no capítulo vocal, segmento onde falta limar muitas arestas. [72%] 

Comentários

DISCO DA SEMANA #29 VN2000: Blood On Canvas (DARKNESS) (Massacre Records)

MÚSICA DA SEMANA #30 VN2000: Nocturne (SUNBURST) (Inner Wound Recordings)

GRUPO DO MÊS #07 VN2000: .CRUZAMENTE