Entrevista: Linus Klausenitzer

 


Preparem-se para entrar num mundo de alquimia com o álbum de estreia a solo do baixista Linus Klausenitzer (Alkaloid, Obsidious, Beyond The Black, The Spirit). Inspirado no livro alemão Die Sphinx, de 1873, escrito por Emil Besetzny, Tulpa leva os ouvintes a uma odisseia musical no tempo, explorando a história da tentativa de um Lorde austríaco de criar humanos artificiais através da antiga arte da alquimia. E se a história é apetecível, descubram o que Linus Klausenitzer consegui fazem dela em termos musicais. Para já, conheçam as impressões do criador desta obra.

 

Olá, Linus, tudo bem? Obrigado por esta oportunidade! Sendo um músico que toca ou tocou baixo em diversas bandas, quando decidiste que este era o momento certo para avançares a solo?

Olá! Obrigado por me dares a oportunidade de falar sobre a minha música! Há alguns anos, escrevi um material que não combinava muito com o estilo musical das minhas bandas. Mesmo assim, fiquei cativado pela atmosfera que senti ao ouvir essas músicas. E inspiraram-se a escrever mais. E também estava curioso para saber como seria escrever música sozinho, sem fazer concessões.

 

Apesar de ser um álbum a solo, convidaste alguns músicos para algumas posições. O que procuraste atingir com esses convites?

Eu não sou um grande guitarrista. Por isso, mesmo que tivesse gravado as guitarras, elas não soariam muito fortes. Um bom guitarrista pode tocar com muito caráter e intensidade. Isso é o que eu queria no meu álbum. Pedi a Ian Waye dos Soreption e Aaron Hooma dos Annihilator para gravar as guitarras. O baterista Hannes Grossmann é um grande amigo meu e fazemos música juntos há mais de 10 anos. Ele tem um estúdio na minha cidade natal, por isso, pedi-lhe para tocar bateria e misturar o meu álbum. O vocalista do álbum é da minha banda Obsidious. Vanesa Jalife é uma grande pianista que deu vida às partes de piano que foram programadas anteriormente. Portanto, foi uma mistura de pessoas de quem eu sei o que esperar e algumas contribuições novas. Acho que foi uma mistura muito saudável. Depois tive mais alguns convidados que gravaram solos: Roland Grapow (Masterplan, Ex-Helloween), Phil Tougas (First Fragment, Chthe'ilist), V. Santura (Triptykon), Dee Dammers (U.D.O., Dirkschneider), Chris Hermsdörfer (Beyond The Black, Serenity) e Nicolas Alberny (Gorod). Conheci-os a todos na estrada ou toquei com eles em bandas em algum momento.

 

Todos os músicos que imaginaste estavam disponíveis para te ajudar neste projeto?

Absolutamente! Quando és o único compositor de um álbum, ele pode soar monótono em algum momento. Os diferentes músicos acrescentaram muito à qualidade do álbum. Consegui explicar a vibe das músicas através da pré-produção e de todos os músicos que trabalharam no álbum comigo, foram profissionais o suficiente para entender e apoiar a atmosfera da música.

 

Naturalmente, como baixista, o teu instrumento tem alguma visibilidade. No entanto, a boa notícia é que este não é um “álbum de baixo”. Tiveste cuidado com esse aspeto?

Muitos dos álbuns a solo que ouvi de baixistas tendem a redefinir o papel tradicional do baixo ou a apresentar composições que se aventuram em territórios mais complexos e não convencionais em comparação com o som habitual da sua banda. Na minha carreira lido principalmente com músicas complexas, portanto eu queria músicas simples com ênfase em riffs e melodias. Mesmo que eu quisesse que o baixo soasse mais presente do que na maioria dos álbuns de metal hoje em dia. Eu simplesmente gosto daquele som onde o baixo não está lá apenas para fazer as guitarras soarem mais massivas.

 

Essas composições foram inspiradas no livro Die Sphinx, de 1873. Como conseguiste cruzar as partes instrumentais com a história e todos os personagens?

O filme conta a história de um senhor austríaco que tentou criar humanos artificiais por meio da alquimia. Não teve sucesso, mas de acordo com registos que o autor encontrou, ele foi capaz de criar 10 minicriaturas artificiais, semelhantes a humanos. Besetzny luta com a ideia de quais partes desta história poderiam ser ficção e quais poderiam ser realidade. Todas essas criaturas tinham poderes e forças únicos e todas têm as suas pequenas histórias. Cada música do meu álbum é sobre uma dessas criaturas. O livro inspirou-me principalmente de forma inconsciente quando escrevi a música. Às vezes, teve um impacto direto. Eis um exemplo: todas as criaturas são trancadas em potes para sobreviver. Certo dia, o rei escapa do seu jarro para alcançar o jarro da rainha. Ele quase morre durante essa tentativa. Tentei compor do ponto de vista da rainha. A música fica muito dramática no meio até terminar. Por isso podes ouvir um sintetizador com sons pulsantes – assim como a batida do coração do rei. Quando fica claro que o rei sobreviveu, um riff de guitarra edificante começa.

 

Neste ano, além de Tulpa também te podemos ouvir em Numen dos Alkaloid. Mas como referimos a abrir, tu tocas em diversas bandas. Há alguma novidade sobre alguma delas que queiras compartilhar connosco e com os nossos leitores?

Ah, adoraria (risos). Em setembro acabamos de lançar o terceiro álbum dos Alkaloid. Em novembro todos os livros de tablaturas de baixo dos Alkaloid e a transcrição do baixo do álbum a solo estarão disponíveis no meu site. Com a minha outra banda, Obsidious, começamos a compor músicas para o segundo álbum. Enquanto isso, toco muito ao vivo com Beyond The Black e The Spirit. Haverá espetáculos na Austrália, Nova Zelândia e por toda a Europa. Nenhum concerto em Portugal foi anunciado ainda, infelizmente.

 

Com um álbum com estas caraterísticas e com tantos convidados, pensaste em apresentar estes temas ao vivo?

Já estou muito ocupado a fazer espetáculos ao vivo e é muito difícil estabelecer uma nova banda ao vivo hoje em dia. Portanto, duvido que toque este material ao vivo, infelizmente.

 

Obrigado, Linus. Foi uma honra. Queres enviar alguma mensagem aos teus fãs em Portugal?

Muito obrigado por esta entrevista! Alguns dos meus melhores espetáculos foram em Portugal. Estou com saudades de voltar a tocar aí e espero voltar em breve. Há algum tempo gravei um solo convidado para a banda portuguesa Enblood. Se não os conheces, dá uma audição! Ótima música e ótimas pessoas!


Comentários

DISCO DA SEMANA #29 VN2000: Blood On Canvas (DARKNESS) (Massacre Records)

MÚSICA DA SEMANA #30 VN2000: Nocturne (SUNBURST) (Inner Wound Recordings)

GRUPO DO MÊS #07 VN2000: .CRUZAMENTE