Entrevista: Ivanhoe


 

Mantendo a sua tradição de longos intervalos entre os álbuns, os Ivanhoe regressam com Healed By The Sun. A banda promove algumas alterações no seu line-up e procura mais inspiração nas suas raízes. Estes aspetos associados a uma maior clareza na definição dos arranjos e uma maior inspiração na altura de criar estão na origem de um álbum sensacional e um claro passo em frente em relação a Blood And Gold. Para tentar explicar este salto qualitativo, estivemos à conversa, precisamente, com um dos novos membros do coletivo germânico, o guitarrista Chris Lorey.

 

Olá, Chris, obrigado pela disponibilidade e aceita os nossos cumprimentos pelo excelente novo álbum. E podemos começar por aí – Healed By The Sun é um tremendo passo em frente em comparação com tudo o que fizeram fez antes. Que explicação tens para isso?

Olá, Pedro, muito obrigado pela oportunidade e pelos simpáticos elogios. Não tenho ideia além de que deve ser por causa do novo guitarrista (risos). Não, estou a brincar, a sério!!! Eu acho que é uma questão de circunstância que todos nós nos conhecemos há algum tempo. Quando Mathias e eu entramos na banda, inspiramo-nos a trabalhar juntos e, ao mesmo tempo, pensamos muito neste álbum. Como não houve distrações com espetáculos ao vivo durante toda a situação da Covid, efetivamente tivemos tempo para pensar sobre como este álbum deveria ser e começamos a escrever de acordo, portanto esta é minha melhor explicação para isso.

 

Entretanto, sofreram algumas mudanças na formação. Elas ocorreram após o lançamento do último álbum? E os novos integrantes já tiveram a oportunidade de colocar as suas ideias neste novo álbum?

Ah, absolutamente. Sou um dos elementos novos e entrei na banda praticamente depois do lançamento do último álbum, Blood And Gold. Dito isso, começámos imediatamente o processo de composição, já que não podíamos fazer a tournée desse álbum. Sou amigo da banda e estou com Giovanni há muitos anos, portanto desenvolvemos um bom entendimento comum sobre a direção do processo de composição, o que foi muito divertido.

 

Na tua opinião, o facto de terem deixado um intervalo de quatro anos entre álbuns também foi decisivo?

Talvez, não sei dizer, acho que foi um pouco da Covid e um pouco da nova formação, e talvez tenhamos repensado alguns arranjos duas vezes antes de os terminar. Quer dizer, em média a banda tem 9 álbuns em quase 40 anos, portanto o intervalo não é muito longo nos padrões dos Ivanhoe (risos).

 

Seguindo, achas que podemos ver neste álbum um pouco das vossas raízes?

Acho que sim, absolutamente. E, definitivamente, foi de propósito, e conversei bastante com Giovanni sobre esse assunto. Quando entrei na banda, percebi que os álbuns de maior sucesso eram os três primeiros, que também foram os que mais me inspiraram na altura em que foram lançados. E pensei que seria uma boa ideia entrar mais na herança da banda e ao mesmo tempo desenvolvê-la e evoluir para algo novo que a banda não fazia antes. Isso pode parecer contraditório a princípio, mas para mim foi uma experiência muito nova escrever músicas de uma maneira particular para que elas se ajustassem à herança ou combinassem com a mochila dos oito álbuns anteriores. Eu nunca tive isso antes com nenhuma das minhas outras bandas ou projetos e diverti-me muito a fazer isso. Acho que Kiko deu uma explicação muito boa uma vez numa entrevista quando questionado sobre como é escrever músicas para os Megadeth. Eu identifiquei-me totalmente com a resposta dele, quando diz, que é um desafio compor algo novo dentro de um determinado quadro, já que não podes mudar o estilo da banda e ainda precisas olhar para a frente e não para trás. Acho que isso me ajudou bastante a encarar o meu trabalho em Ivanhoe.

 

Foi por isso que decidiram fazer uma versão regravada de Awaiting Judgment Day, da demo de 1989, Written In Stone?

Sim, essa música é da segunda demo Written In Stone gravada em 1989 e Giovanni adora bastante a música. Na verdade, ele tinha a intenção de regravar a música com a formação original. Porém, infelizmente não conseguimos contacto com o cantor Scott Anderson. Um dia o nosso baterista cantou essa música na sala de ensaio e pensamos que seria uma ótima opção. Resumindo a história, é o nosso baterista que agora canta Awaiting Judgment Day.

 

Afirmaram que as novas composições são mais sofisticadas, mas também mais cativantes e acessíveis. Como conseguiram misturar esses elementos aparentemente contraditórios?

Foi uma luta (risos), mas agora a sério, embora Giovanni seja uma pessoa muito… muito… prog com todos os níveis de assinaturas de tempos ímpares, sou mais direto na escrita. E acho que encontramos um modus operandi muito bom para manter o DNA progressivo de Giovanni e Ivanhoe e ainda tornar (a maioria) as músicas mais acessíveis.

 

Como foi a vossa metodologia de trabalho para esse novo álbum? Semelhante aos álbuns anteriores ou tentaram abordagens diferentes?

Na verdade, escrevemos com métodos diferentes, portanto foi uma espécie de processo de escrita híbrido. Algumas coisas foram desenvolvidas na sala de ensaio (como Healed By The Sun), enquanto outras foram escritas enviando e recebendo projetos via Cubase. Às vezes, Giovanni apresentava uma ideia e eu começava a fazer um arranjo de música em torno dela, e às vezes era o contrário. Eu sei que os últimos álbuns foram predominantemente escritos por Giovanni, enquanto os três primeiros foram escritos principalmente como uma banda apenas na sala de ensaios. Acho que isso faz uma grande diferença na abordagem. Ou seja, acho que fizemos uma boa discussão das nossas ideias e foi um processo bastante divertido.

 

Vários convidados deram a sua contribuição para este álbum. Qual foi a vossa intenção ao convidá-los?

Bem, a maioria dos convidados juntou-se para Awaiting Judgment Day, já que queríamos fazer isso com o alinhamento original. Fora isso, foram basicamente amigos próximos da banda e queríamos que eles fizessem parte do álbum.

 

É verdade que três desses convidados cooperam, como disseste, na nova versão de Awaiting Judgment Day. E um deles era o guitarrista original, Thomas Kovacs. Como foi a sensação no estúdio com esse encontro?

Na verdade, foi muito interessante, especialmente para Thomas e para mim. Discutimos muitas partes antigas de guitarra dos primeiros álbuns e divertimo-nos muito a fazer isso. Definitivamente ajudou-me a entender algumas partes de guitarra do álbum Visions And Reality (risos).

 

Olhando para o PR, é estranho porque a música número oito, Picture In My Mind, é apresentada como faixa bónus. Por que a inclusão de um bónus no meio do álbum?

Isso é verdade. Estávamos a lutar contra as limitações de tempo do vinil, portanto ficou claro que teríamos duas faixas bónus na versão em CD. Não queríamos atrapalhar o fluxo das músicas do CD e, portanto, tivemos de mudar um pouco a ordem de execução do vinil. Se tivéssemos colocado as duas faixas bónus no final do álbum, teria sido uma ordem estranha, especialmente porque, na nossa opinião, Picture In My Mind merecia o seu lugar no meio do álbum.

 

Falando em músicas, qual o significado do título 10C?

O título na verdade refere-se aos 10 Mandamentos. É uma música muito sombria que trata das questões de abuso na igreja. É também a música com os compassos mais estranhos do álbum, portanto, adivinha quem escreveu esta (risos)…

 

O que têm planeado em termos de tournée de divulgação deste novo álbum?

Ainda não sabemos se será uma tournée de verdade, já que tudo relacionado com uma tournée se tornou extremamente caro e complicado nos últimos anos. Definitivamente desejamos apresentar o álbum o mais rápido possível, e começaremos a comunicar os primeiros espetáculos muito em breve. Claro, adoraríamos fazer uma tournée completa, mas veremos o que acontece. Neste momento, fazemos muito trabalho de promoção e começaremos os ensaios novamente na próxima semana e discutiremos isso novamente em detalhe.

 

Obrigado, Chris. Foi uma honra. Queres enviar alguma mensagem aos nossos leitores e aos vossos fãs?

Bem, obrigado pela oportunidade, Pedro. Claro, muito obrigado pelo apoio ao longo de todos os anos e pelo tremendo feedback ao nosso novo álbum. Esperamos ver cada um de vocês em espetáculos num futuro muito próximo. OBRIGADO!!


Comentários

DISCO DA SEMANA #29 VN2000: Blood On Canvas (DARKNESS) (Massacre Records)

MÚSICA DA SEMANA #30 VN2000: Nocturne (SUNBURST) (Inner Wound Recordings)

GRUPO DO MÊS #07 VN2000: .CRUZAMENTE