Entrevista: Midnite Hellion


 

Kingdom Immortal foi o álbum que os Midnite Hellion lançaram há dois anos nos EUA. Via SAOL, uma nova edição está disponível, a partir deste ano, na Europa. É a oportunidade para se conhecer mais um novo valor do metal americano através deste álbum produzido pelo lendário Alex Perialas. Depois de terem andando em tour pelos EUA com os Anvil e ainda antes de voltarem à estrada, agora com U. D. O., estivemos à conversa com o power trio de Nova Jersey.

 

Olá, pessoal, tudo bem? Obrigado pela disponibilidade. Em primeiro lugar, podem apresentar os Midnite Hellion aos metalheads portugueses?

Viva, Pedro! Obrigado pela oportunidade, espero que também estejas excelente! Damos as boas-vindas dos metalheads portugueses ao mundo dos Midnite Hellion! Para quem nunca ouviu falar de nós antes, somos uma experiência de heavy metal rock ‘n roll dos EUA. O nosso último lançamento, Kingdom Immortal, foi produzido por Alex Perialas, que também trabalhou em discos lendários de S.O.D, Anthrax, OverKill, Testament, e até fez a masterização do primeiro CD dos Metallica, Kill’em All. Durante o nosso tempo juntos, tocamos em todos os EUA, mais recentemente numa tournée com os Anvil em 22 e 23, e estaremos de regresso à estrada com U.D.O. neste outuno. Se gostam de metal de alta energia e sem frescuras, irão gostar de nós!

 

Kingdom Immortal é o vosso último álbum, lançado originalmente nos EUA em 2022, mas cinco anos depois de Condemned To Hell. Por que demoraram tanto entre esses dois lançamentos?

Definitivamente, essa não era a intenção original! Fizemos a tournée do Condemned To Hell até o final de 2018, terminando com uma nota alta apoiando os Otep nos EUA. Em agosto de 2019, entramos nos Pyramid Sound Studios em Ithaca, NY, com Alex Perialas para produzir Kingdom Immortal. Como na altura Alex era chefe de departamento no Ithaca College, planeamos regressar nos intervalos do semestre para a mistura e masterização. As férias de primavera de 2020 chegaram e bem, todos nós sabemos o que aconteceu naquele ano. Dissemos: foda-se, vamos esperar até que possamos realmente fazer uma tournée do Kingdom Immortal para o lançar publicamente. Tudo acontece por uma razão e coisas boas acontecem a quem espera.

 

Agora, este último álbum tem um novo lançamento na Europa. É a primeira edição aqui? Como vêm esta oportunidade de ser conhecidos pelos fãs europeus?

Sim, esta é a primeira edição. Fizemos alguns lançamentos independentes na Europa no passado que foram muito bem recebidos, trabalhando com a Metalecke de Else para a nossa demo e EP em 2012, mas há muito tempo que não temos a oportunidade de distribuir adequadamente um álbum na Europa e no resto do mundo. Estamos entusiasmados por ter Kingdom Immortal nas lojas europeias, na esperança de que em breve possamos pôr os pés no grande continente e atuar ao vivo para os nossos fãs!

 

Este novo lançamento promovido pela SAOL é igual ao original nos EUA ou vocês/editora promoveram alguma alteração?

A única diferença entre a versão dos EUA e a versão SAOL é o booklet. Incluímos algumas fotos da tournée de 2023 nos EUA quando estávamos na estrada com os Anvil. Além disso, as cassetes azuis estão disponíveis apenas através da SAOL. Dito isto, nós dois temos algumas ideias a circular, portanto pode haver algumas coisas adicionais interessantes no futuro com Kingdom Immortal.

 

E as músicas foram regravadas ou sofreram algum outro tipo de alteração?

Sonoramente, o álbum é exatamente o mesmo. Nada de remasterização ou regravação. Alex Perialas fez isso perfeitamente na primeira vez, portanto sentimos que não havia necessidade de mexer nisso.

 

Para este novo lançamento, dois singles já foram lançados. Já tinham lançado algum para o primeiro lançamento?

Sim, originalmente lançámos um vídeo para Phantomland e um lyric video para Speed ​​Demon.

 

Já agora, por que escolheram esses dois temas (H.M.O. e Army Of The Dead) com essa finalidade?

Sentimos a necessidade de dar ao público um pouco mais de conhecimento sobre o que temos para oferecer. Não há duas músicas exatamente iguais no álbum em termos de classificação, portanto queríamos mostrar que há muitas surpresas em Kingdom Immortal. H.M.O foi escolhido porque é, em muitos aspetos, realmente autobiográfico, e em vez de mostrar um videoblog da tournée, decidimos incorporar imagens ao vivo e de bastidores num videoclipe adequado. Army Of The Dead é a nossa música mais aventureira até agora e captura várias caraterísticas diferentes do que somos. É muito divertido girar repetidamente!

 

Como este álbum já foi lançado há dois anos, acredito que já tiveram muitas oportunidades de o tocar ao vivo. Como foram as reações?

Meu, foi uma explosão total! Todos gostaram e recebíamos elogios diários sobre o quão poderoso é o nosso espetáculo ao vivo. É realmente incrível saber que as pessoas em todo o país gostam do que temos para oferecer. Fizemos duas tournées com os Anvil, uma em 2022 e outra em 2023, e tivemos a sorte de poder avaliar em tempo real o quanto a nossa base de fãs cresceu nesse curto período de tempo, especialmente ao revisitar alguns dos mesmos mercados. A maior surpresa foi ir a lugares onde nunca estivemos antes e o público conhecia as nossas músicas, cantava e solicitava cortes profundos!

 

E com este novo lançamento, como ficam as possibilidades de tocar na Europa?

Para ser honesto, não tenho a certeza. O céu é o limite e estamos a aguardar que chegue uma oportunidade. Temos os nossos passaportes, temos a ambição, agora só precisamos de um agente que nos leve para uma tournée para todos!

 

Finalmente, como já passaram dois anos, como está o processo de composição de novas músicas para um novo álbum?

Temos centenas de riffs prontos para usar. Quase metade do álbum seguinte foi prototipado antes mesmo de Kingdom Immortal ser gravado, e muitas ideias surgiram desde então. É apenas uma questão de preparar tudo para a pré-produção, que pretendemos ter pronta antes da nossa próxima tournée nos EUA com o U.D.O.

 

Obrigado pessoal, mais uma vez. Querem enviar alguma mensagem para os nossos leitores ou para os vossos fãs?

Em primeiro lugar, obrigado Pedro, por dedicares o teu para nos receberes! Aos teus leitores e nossos fãs, obrigado por nos darem uma oportunidade e obrigado pelo apoio. Se gostam do que ouvem, falem de nós aos vossos amigos! Espero vir a apresentar-nos na tua cidade um dia em breve!


Comentários

DISCO DA SEMANA #29 VN2000: Blood On Canvas (DARKNESS) (Massacre Records)

MÚSICA DA SEMANA #30 VN2000: Nocturne (SUNBURST) (Inner Wound Recordings)

GRUPO DO MÊS #07 VN2000: .CRUZAMENTE