Reportagem Hellfest 2024: dia 4 - 30/06

 


English Version At The End

 

Domingo de sol!

Como foi dito ontem, a gestão da energia é importante. Mas que sábado... Chego um pouco mais tarde do que o previsto, perdendo o adorável Pencey Sloe. Depois de uma pequena verificação nas conferências de imprensa anunciadas hoje, dirijo-me ao MainStage para, finalmente, ver algum metalHigh On Fire é uma banda que costuma estar no Valley (ah ah ah... já sabem que adoro o Valley, certo?). É uma banda de heavy metal fundada pelo guitarrista dos Sleep, Matt Pike. Se estás familiarizado com os Sleep, podes ficar muito surpreendido com os High On Fire, que estão no outro extremo do espetro da velocidade!


    O set foi baseado principalmente no último álbum lançado em abril e, infelizmente, foi tocado diante de um público muito pequeno no palco principal esta manhã. Saltei o final do ensaio para ter um bom lugar para os Dool.





    Estes holandeses são fantásticos. O set foi baseado principalmente em The Shape Of Fluidity, último álbum lançado em abril de 2024. Raven van Dorst, vocalista e guitarrista, oferece um doom poderoso à espreita no post-metal e prog. Lidando com os seus próprios demónios, o líder da banda explora vários temas sombrios e a música é moldada em torno dessa melancolia sombria, com o desejo de viver. Grande banda que terei o prazer de voltar a ver em Paris.

    Uma jogada rápida para ver Scowl na Warzone. Kat Moss, a vocalista, parece uma Billie Eillish muito, muito zangada. Isto faz-me lembrar as bandas de hardcore barulhentas, muito interessante.

    Tenho que me mexer, quero ver a conferência de imprensa dos QOTSA, para saber se vou ao espetáculo deles ou se me concentro nos Crosses. Bom, vai ser Crosses (desculpa Josh...).

    Infelizmente, perdi o começo de Blues Pills, mas consegui ver um pouco do final. Demasiado pouco para fazer um bom relatório, mas esta banda está a dar-nos um sólido psyche blues rock que cheira a espírito dos anos 70. Erin Larsson, num vestido azul vaporoso, tem uma presença tão forte em palco que eclipsa o resto da banda e hipnotiza o público.

    Por agora, o dia está demasiado calmo. Preciso de mais brutalidade crua. Vamos até ao Temple para ver os Wiegedood. Banda belga de black metal, composta por membros dos Church Of Ra (AmenRa, Oathbreaker), passaram de um post-black na sua primeira trilogia para algo mais cru no seu último álbum lançado em 2022 (There Will Always Be Blood An The End Of The Road).


Este é um dos sets mais brutais que vi este ano, e só foram tocados dois títulos do seu último esforço De Doden Hebben Het Goed II. Isso deu um set como um rolo-compressor, poderoso e duro. Surpreendentemente, o som era bom e não estava lamacento, e isso deve-se provavelmente ao facto de a banda não ter baixo (mas duas guitarras e uma bateria). Uma recarga depois, mudei-me para ver Corey Taylor. Tenho de admitir que o vocalista dos Slipknot/Stone Sour é um bocado uma irritação para mim. Gosto muito dos espetáculos acústicos dele, sou fã dos Stone Sour, por isso estava à espera de um bom concerto.





    Bem, muita gente já estava sentada na frente do palco principal para os Foo Fighters, e foi uma confusão chegar perto (e eu estava a planear ver os Crosses depois), portanto fiquei um pouco longe, mas realmente gostei de assistir ao espetáculo, a cantar (e a perde a maioria das minhas cordas vocais...) as músicas que eu sei de cor. O melhor de Corey é a felicidade de estar aqui que ele demonstra!  E presentou-nos com uma raridade, From Can To Can't, de Sound City, um documentário e um álbum produzido por quando comprou o Console Sound CityNeve em 2011.

    Meu Deus, adoro esta faixa! Que dádiva vê-la ao vivo! Esperava (em vão) um cameo do Dave na bateria mas... não (e nem mais no No One Knows dos QOTSA)

    De regresso ao Valley para †††† (Crosses), estou triste por eles. Um grande amplificador morreu, e o set deles foi reduzido pela metade. Os vocais de Chino continuam ótimos, mas a atmosfera é quebrada por causa dessa interrupção. Triste, mas ei... merdas acontecem, e foi a única que eu vi na WE.


    O meu último espetáculo será o dos Foo Fighters. Surpreendentemente, consegui chegar bem perto, com uma boa visão, na encosta após o fosso.  Algo estranho é eles terem conseguido entregar um set de 1h45 com 18 músicas. Ao longo da sua longa carreira, tocaram todos os seus êxitos, com muita diversão.


    Dave está realmente feliz por estar aqui, e apesar da sua voz estar um pouco abalada no início, ele conseguiu cantar Walk muito bem. A coisa melhorou depois de White Limo (a mais pesada deles na minha opinião...), e continua com os hits subestimados como Arlandria (eu amo essa música!). Um pouco triste que eles deixaram o palco logo após Everlong ; esperava que eles interagissem um pouco mais com uma enorme multidão…

 

Sobre o que é o Hellfest…

Portanto ... Hora de encerrar. O Hellfest é agora um dos maiores festivais da Europa. Eu discuti isso com muitos viajantes da Holanda, Reino Unido, Alemanha, Suíça, Bélgica e nenhum outro grande festival, exceto Wacken, se pode relacionar.

Hellfest é sobre conhecer pessoas, partilhar memórias, construir memórias. É sobre amizade, passar tempo com pessoas que você tens o prazer de ver às vezes, apenas uma vez por ano no Muscadeath, de colegas metaleiros que viajam de longe.

Hellfest é sobre serendipidade, ouvir música que normalmente não se ouve, ir com amigos para partilhar um momento, uma cerveja ou um almoço.

Hellfest é sobre encontros improvisados com grandes pessoas (olá Jean-Charles de Co-libri!, o tipo por trás do rum Hellfest) que tem muitas histórias sobre Clisson e a história do Hellfest.




    Agora, esta edição também é uma viragem na história do Hellfest. Hoje em dia, os palcos principais são menos metal do que antigamente; mais rock, e as pessoas que vêm aqui não estão todas habituadas aos códigos do metal.

    Isso empurra os fãs de metal para os palcos menores, mas eles não estão dimensionados para receber tal público (The Hu ano passado, Brutus, Kvelertak este ano...).

    O Axis of Improvement continua a existir, veremos como evoluirá, o sítio está em constante crescimento, iniciaram um Hellfest para crianças, construíram uma cervejaria...

Até para o ano, Clisson. Já tenho saudades vossas.

 

Reportagem por: David Clabaut

Reportagem fotográfica por: Matthieu Chatenay e David Clabaut

 

 Sunday sunny Sunday!

As said yesterday, managing energy is important. But what a Saturday…. I arrived a bit later than expected, missing the lovely Pencey Sloe. After a small check at Media conferences announced today, I move to MainStage to, finally, see some Metal on it. High on Fire is a band that is usually in the Valley (ah ah… you already know I love Valley right?). It’s a heavy metal band founded by Sleep’s guitarist Matt Pike. If you’re familiar with Sleep, you may be very surprised by High on Fire, which is at the other end of the speed spectrum! The set is mainly based on the latest album released in April and the set is, unfortunately, played in front of a too-small audience on the mainstage this morning. I skip the end of the test to have a good spot for Dool.

Those Dutch are amazing. The set is mainly based on The Shape of Fluidity, their latest album released in April 2024. Raven van Dorst, lead singer and guitarist, delivers a powerful doom lurking in post-metal and prog. Dealing with his own demons, the leader of the band explores various dark themes and the music is shaped around that dark melancholy, with the urge to live. Great band that I’ll have the pleasure of seeing again in Paris.

Swift moves to see Scowl in the warzone. Kat Moss, the singer looks like a very, very angry Billie Eilish. This reminds me of noisy hardcore bands, very interesting.

I must move, I want to see the press conference of QOTSA, to know whether I attend their show or focus on Crosses. Well, it will be Crosses (sorry Josh…). Unfortunately, I miss the beginning of Blues Pills, but I manage to see a bit of the end. Too few to make a good report, but this band is giving us a solid psyche blues rock that smells like 70s spirit. Erin Larsson, all in a vaporous blue dress, has such a presence onstage that it eclipses the rest of the band and hypnotizes the crowd.

As of now, the day is rather too calm. I need more raw brutality. Let’s go to Temple to see Wiegedood. Belgian black metal band, composed of members of Church of Ra (AmenRa, Oathbreaker), they have moved from a post-black in their first trilogy, to something more raw in their latest album released in 2022 (There will always be Blood an the end of the road)

This is one of the most brutal sets I’ve seen this year, and only two titles from their past effort De doden hebben het goed II were played. That gave a set like a roller compressor, mighty and harsh. Surprisingly, the sound was good and not muddy, and it is probably because the band has no bass (but two guitars and a battery).

A refill later, I moved to see Corey Taylor. I have to admit that Slipknot/Stone sour frontman is a bit of a pet peeve of mine. I really love his acoustic shows, I’m a fan of Stone Sour, so I was expecting a nice set.

Well, a lot of people were already sitting in front of mainstage for the Foo Fighters, and it was a mess to get closer (and I was planning to see Crosses after) so I stayed rather far away but really enjoyed watching the show, singing along (and losing most of my vocal chords…) to songs I know by heart.

The great thing about Corey is the happiness of being here that he demonstrates! He pleasured us with a rarity, From Can to Can’t, from Sound City a documentary and an album produced by Dave Grohl when he bought the Sound CityNeve console in 2011. God, I love this track! What a gift to see it live! I hoped (in vain) for a cameo from Dave on battery but.. nope (and not even more on QOTSA’s No One Knows)

Heading to the Valley for ††† (Crosses), I’m sad for them. A big amp died, and their set has been reduced by half. Chino’s vocals stay great, but the atmosphere is shattered because of this interruption. Sad, but hey… shit happens, and it’s the only one I saw in the WE.

My last show will be the Foo Fighters. Surprisingly, I managed to arrive rather close, with a good view, on the slope after the pit.

Something weird is they managed to deliver a set of 1h45 with 18 songs. Going through their long career, they’ve played all their hits, with a lot of fun.

Dave is really happy to be here, and though his voice is a bit shot at the beginning, he managed to sing Walk rather ok. It got better after White Limo (their heaviest in my opinion…), and goes on through underrated bangers like Arlandria (I love this song!). A bit sad that they left the stage right after Everlong, I would have expected them to interact a bit more with a huge crowd…

 

What Hellfest is about...

So … Time to wrap up. Hellfest is now one of the biggest festivals in Europe. I’ve discussed this with many travelers from the Netherlands, UK, Germany, Switzerland, and Belgium, and no other big festival, save Wacken, can relate.

Hellfest is about meeting people, sharing memories, and building memories. It is about friendship, spending time with people you have the pleasure to view sometimes only once a year at Muscadeath (My dear fellow Gadz', I cherish these tap's from the bottom of my heart. I love you all guys!), of fellow metalheads traveling from afar.

Hellfest is about serendipity, listening to music you may not usually listen to, going with friends to share a moment, a beer, or lunch.

Hellfest is about impromptu encounters with great people (hello Jean-Charles from Co-libri! The guy behind the Hellfest rhum) with lots of stories about Clisson and the history of Hellfest.

Now, this edition is also a turn in Hellfest history. Mainstages are less metal nowadays than they used to be, more rock, and people coming here are not all accustomed to metal codes.

This pushes the metal fans to the lesser stages, but they are not sized to receive such a crowd (The Hu last year, Brutus, Kvelertak this year…).

Axis of improvement still exists, we’ll see how it will evolve, the site is in constant growth, they have started a Hellfest for kids, built a brewery…

See you next year Clisson. I already miss you.

Live report by: David Clabaut

Photo report by: Matthieu Chatenay e David Clabaut

Comentários

DISCO DA SEMANA #29 VN2000: Blood On Canvas (DARKNESS) (Massacre Records)

MÚSICA DA SEMANA #30 VN2000: Nocturne (SUNBURST) (Inner Wound Recordings)

GRUPO DO MÊS #07 VN2000: .CRUZAMENTE