Reportagem Hellfest 2024: dia 3 - 29/06


 


English Version At The End

Um passeio infernal!

Podemos pensar que a parte mais difícil do Hellfest é conseguir ver todas as bandas que queremos. Bem, isso é verdade. Obviamente que há, muitas vezes, choques entre duas bandas que se quer ver, especialmente quando se ouve muitos subgéneros. Mas esse não é o pior problema... é preciso ter em conta o teu estado físico geral e o que precisas para sobreviver até à próxima hora... Bem, sejamos honestos, não vou poder dar-vos uma receita que eu próprio não possa aplicar.

 

Café, mais café e barras energéticas!

Sábado, tal como sexta-feira, promete ser um dia em cheio. Começa com alguma chuva, para refrescar um Clisson quente. Bem. Muita chuva.


    Tinha grandes expetativas em relação a este dia, e todas elas foram rapidamente destruídas. Chego aos Fallen Lillies em Warzone, um pouco tarde e com o meu primeiro (mas não último) café. Quem me dera chegar mais cedo, estas senhoras têm uma energia tão grande, e mostram o seu prazer em estar ali, num palco que lhes assenta bem! Espero ter o prazer de as ver num local mais pequeno. Mas não era isso que eu mais queria ver hoje.

 

Valley, o lugar para estar

    Primeira explosão do dia: Konvent. Cinco senhoras dinamarquesas, todas de preto, a entregar um doom/death sombrio e lamacento. Não procurem sorrisos nos seus rostos, eles são escassos e não o fariam. Mas é óbvio que estão felizes por estarem aqui, e os seus olhos não mentem!


    Pelo menos este ritual negro enviou uma mensagem aos deuses do céu! Não há mais chuva (bem... menos chuva...) Hora de passar para o Palco Principal para ver alguns jovens (estão na casa dos 20 anos!) kiwis: Alien Weaponry.



Fazem um thrash groovy cantado em maori (mas a sério... entende-se a mensagem mesmo assim!) que detona o MS. Foram talvez uma das bandas mais pesadas do MS no sábado, o que diz tudo. Pego no meu segundo café, duplo, para voltar ao Valley.

 

Em movimento, em movimento, sempre em movimento...

   Há uma coisa muito certa no Hellfest: é preciso ser um andarilho. Seis palcos, 4-5 minutos para andar entre palcos, dependendo da lotação... às vezes mais de 10... É preciso planear com cuidado!  Então, de volta ao Valley para os Spotlights. Eles não se preocupam com os pormenores.


    Sludgy post-metal, ótima atmosfera, mais pesado que no álbum. Seismic é uma paixão! Hyver é enorme! Eu teria ficado triste por não os ter visto. Vêm de Nova Iorque, um trio com uma baixista incrível, Sarah Quintero, cujo som é um estrondo que preenche tanto espaço que nos perguntamos como é possível fazer tanto barulho sem mais baixistas.

    Uma pausa rápida para ir comer e ver amigos com o meu quarto café, volto cedo para Brutus.... bem.... grande erro. O Valley está sobrelotado! 10 minutos para chegar a um sítio bastante bom (a menos de 80 metros do sítio inicial). Demasiado longe para as fotografias, mas Stefanie Mannaerts está feliz e emocionada por estar aqui, perante uma multidão muito grande e entusiasta. O seu sorriso é contagiante, o seu set é perfeito, e os seus êxitos sucedem-se como pérolas. War é um exemplo perfeito da alquimia da banda, capaz de grande violência rítmica e passagens leves, arejadas e religiosas.  O seu post-hardcore faz as delícias dos ouvidos e vai, sem dúvida, conquistar um bom lugar no palco principal nos próximos anos. Tempo para um refill (sede cantante) em frente a Warzone e Total Chaos, banda americana de hardcore punk.



    Warzone é provavelmente uma das cenas mais agradáveis, com o Valley, concebido para um público mais pequeno, com um som incrível mas este ano, o alinhamento não foi do meu agrado por isso...

 

De volta ao Valley para tentar um lugar melhor para os incríveis Kvelertak.

Começando com Krøterveg Te Helvete, eles transmitiram uma energia incrível. Lembram-me Ultra Vomit, cantando em norueguês, com um rock influenciado por um black metal engraçado. É uma loucura e o público responde bem!







O final de Bråtebrann foi incrível! Vamos ver os Extreme, mas... mesmo que o Nuno seja uma besta, e talvez um dos melhores guitarristas do fim de semana, o contraste é demasiado grande entre estas cenas, e eu quero ter um bom lugar para a Goth Goddess, por isso não fico muito tempo em frente ao Mainstage.

 

Descansar um pouco.... antes de o Inferno ser lançado

   Chelsea Wolfe. Oh My... A grande sacerdotisa do goth-metal estava de volta para uma atuação incrível, que valeu a pena esperar. O palco enevoado combinava na perfeição com o seu som sombrio e pesado electro-metal. Começando com a fantástica Whispers In The Echo Chamber, do seu último álbum, ela invocou a chuva, o que aumentou a grandeza da atmosfera. 

    Segue-se Feral Love (ligeiramente modificada) e peças mais introspetivas (House Of Self-undoing e Everything Turns Blue), antes do período mais calmo. A segunda parte do set é mais doom, começando com Carrion Flowers (esta introdução de baixo.... amazing!), After The Fall e Vex, com uma esperada participação da vocalista dos Konvent, Rikke Emilie List, que acrescenta uma camada de guturais por cima... antes de nos deixarem com um Dusk assustadoramente comovente, e Flatlands num solo acústico que pára a chuva (por pouco tempo...).


    Tentamos manter-nos no lugar (quase, e com um café novo) para Mr Bungle mas a chuva está a cair cada vez mais. Isto levará Mike Patton a comentar: "...olá Clisson, não está a secar? Ei, pessoal, vocês estão num festival chamado Hellfest. É normal que Jesus tente mijar em cima de vocês". É um camaleão, capaz de passar do lirismo à saturação, e de canções abertamente engraçadas a covers pop. Ele e os seus amigos (que banda... Scott Ian... Dave Lombardo... Trey Spruance... Trevor Dunn...) deram-nos um set de loucos! Thrash a alto ritmo, misturando músicas originais e covers... Wolfgang Van Halen & Andreas Kisser subiram ao palco para fazer o cover de Loss Of Control de EVH e Territory dos Sepultura. Obrigado por esta cereja no topo do bolo! Louco até ao fim, termina com All By Myself (Eric Carmen, mas tornada conhecida por Celine Dion) com a letra ligeiramente modificada… Go fuck yourselllllllllllllllllllf

Faço uma pequena recarga, ainda debaixo de chuva forte antes do concerto do dia.

Metallica? Não, não, não ! A Raínha está de volta !


    Julie Christmas teve um Valley intimista para o seu regresso. Muita gente veio para os Metallica, por isso as pessoas que vieram ao Valley para a ver já sabiam o que as esperava. 1h20 de set, iniciado por um título antigo (Bones In The Water) de Battle Of Mice, com uma Julie selvagem no seu fato único de feixe de leds, usando a sua incrível máscara.



    Ela alterna gritos furiosos e sussurros assombrosos, alternadamente persuadindo, assustando, movendo-se, furiosa... Pele fina, não é suficiente, sobrenatural... A energia crua que demonstram impulsiona a multidão para outra dimensão.


A banda entrega um enorme post-hardcore em que Johannes Personn traz um toque de peso que pode, por vezes, lembrar Cult Of Luna (The Lighthouse poderia facilmente ter estado em Mariner, por exemplo).


    O final é incrivelmente emotivo, com um encore (July, 31at) e uma Julie comovida que vem à barreira abraçar a primeira fila, chorando nos nossos braços... A Rainha está de volta, e espero vê-la novamente em breve.

    Não sei como será o domingo. Já não me interessa. É o meu melhor dia no Hellfest de sempre, ponto final.

Reportagem por: David Clabaut

Reportagem fotográfica por: Matthieu Chatenay e David Clabaut

 

A Hell of a ride!

One may think that the hardest part of Hellfest is about managing to see all the bands you want. Well, it is rather true. Obviously there are, frequently, clashes between two bands you want to see, especially when you listen to a lot of subgenres. But it's not the worst issue… it's about considering your general physical state, and what you need to be able to survive to the next hour… Well, let's be honest, I will not be able to give you a recipe I can't apply myself.

 

Coffee, more coffee, and energy bars!

Saturday, as Friday, promises to be a huge day. It starts with some rain, to freshen an hot Clisson. Well. A lot of rain. I had great expectations about it, and they all had been shattered quickly. I arrive for the Fallen Lillies in Warzone, a bit late and with my first (but not last) coffee. I wish I could arrive sooner, these ladies have such an energy, and show their pleasure to be there, on a stage that fits them well! I'll have pleasure to see them in a smaller venue hopefully. But that was not what I wanted to see the most today.

 

Valley, the place to be

First blast of the day: Konvent. Five Danish ladies, all in black, delivering a dark, muddy, doom/death. Don't search for smiles on their faces, they are scarce and would not But it remains obvious that they are happy to be here, and their eyes can’t lie! At least this dark ritual sent a message to the sky gods! No more rain (well… less rain…). Time to move to the Main Stage to see some young (they’re in their early 20s!) kiwis: Alien Weaponry. They deliver a groovy thrash that they sing in maori (but seriously… you understand the message anyway!) that blast the MS. They were maybe one the heaviest band in the MS on saturday, which says it all. I take my second, double, coffee to go back to Valley.

 

Moving, moving, always moving…

There is something quite sure at Hellfest: you have to be a walker. Six stages, 4-5 minutes to walk between stages, depending on how crowded it is… sometimes 10+...  One need to plan carefully!  So, back to Valley for Spotlights. They don’t bother with frills.  Sludgy post-metal, great atmosphere, heavier than in album. Seismic is a crush! Hyver is huuuuuuuuuuuuge! I would have been sad to miss them. They come from NY, a trio with an incredible bass player, Sarah Quintero, whose sound is a rumble that fills some much space that one can wonder how it is possible to be so loud without more players. A quick break to go to eat and see friends with my fourth coffee, I’m back early for Brutus…. well…. great mistake. The Valley is overcrowded! 10 minutes to reach a rather OK spot (just less than 80m further from the initial one). Too far for the pics, but Stefanie Mannaerts is happy and moved to be here, in front of a very large and enthusiastic crowd. Her smile is infectious, their set is perfect, and they string together hits like pearls. War is a perfect example of the band's alchemy, capable of great rhythmic violence and light, airy and religious passages. Their post-hardcore delights the ears and will undoubtedly earn a good place on the main stage in the years to come.

Time for a refill (singing thirst) in front of Warzone and Total Chaos, an american hardcore punk band. Warzone is probably one of the nicest scene, with the Valley, designed for a smaller audience, with an incredible sound but this year, line-up was not my taste so…

Heading back to Valley and trying to have better spot for the incredible Kvelertak. Starting with Krøterveg Te Helvete, they have communicated an incredible energy. They remind me of Ultra Vomit, singing in norwegian, with a rock influenced by funny black metal. That’s crazy and the crowd is responsive! The ending on Bråtebrann was so damn incredible! Let’s go to see Extreme, but.. even if Nuno is a beast, and maybe one of the best guitarists of the week-end, the contrast is a bit too big between those scene, and I want to have a good spot for the Goth Goddess so I don’t stay long in front of the Mainstage.

 

Having some rest…. before Hell unleashed

Chelsea Wolfe. Oh My… The great priestess of goth-metal was back for an incredible set, worth the wait. The misty stage was a perfect match with her haunting dark and heavy electro-metal. Starting with a fantastic Whispers in the echo chamber, from her last album, she has summoned the rain, and that adds to the greatness of the atmosphere. Feral love (slightly modified) followed but more introspective pieces (House of self-undoing and Everything turns blue), before the calmer period. The second part of the set is more doom, starting with Carrion flowers (this bass intro…. amazing!), After the fall and Vex, with an expected featuring of Konvent’s singer Rikke Emilie List that adds a layer of growls on top…before leaving us with an eerily moving Dusk, and Flatlands in a solo acoustic which stops the rain (for a short time…). We try to stay in place (almost, and with a new coffee) for Mr Bungle but the rain is falling more and more. This will prompt Mike Patton to remark: “...hello Clisson, not to dry? Hey guys, you’re in a festival called Hellfest. Normal that Jesus tries to pee on you”. He's a chameleon, capable of moving from lyricism to saturation, and from openly funny songs to pop covers. He and his friends (what a band… Scott Ian … Dave Lombardo… Trey Spruance… Trevor Dunn…) gave us a hell of a mad set! Thrash at high tempo, mixing both original songs, to covers…Wolfgang Van Halen & Andreas Kisser came on stage to cover EVH’s Loss of control, and Sepultura’s Territory, thanks for this icing!

Crazy ‘till the end, we finish by All by myself (Eric Carmen, but mostly made famous by Celine Dion) with slightly modified lyrics… “Go fuck Yourselllllllllllllllllllf “

 

I make a small refill, still under some heavy rain before THE concert of the day.

Metallica? No no no ! The Queen is back ! Julie Christmas had an intimist Valley for her return. A lot of people came for Metallica, so people who came in the Valley to see her knew what they were for. 1h20 of set, started by an old title (Bones in the Water) from Battle of Mice featuring a wild Julie in her unique led-beam costume, wearing her incredible mask. She alternates furious screams and haunting whispers, alternately cajoling, frightening, moving, furious…Thin skin, Not enough, Supernatural… The raw energy they demonstrate propels the crowd in another dimension. The band delivers a huge post-hardcore in which Johannes Personn brings a touch of heaviness that can, sometimes, reminds of Cult of Luna (The lighthouse could easily have been on Mariner for instance). The end is incredibly emotional, with an “encore” (July 31st) and a moved Julie that comes at the barrier to hug the first row, crying in our arms. The Queen is back, and I hope to see her again soon.

I don’t know what Sunday will be. I don’t care anymore. That’s my best day at Hellfest ever, period.

Live report by: David Clabaut

Photo report by: Matthieu Chatenay and David Clabaut

Comentários

DISCO DA SEMANA #29 VN2000: Blood On Canvas (DARKNESS) (Massacre Records)

MÚSICA DA SEMANA #30 VN2000: Nocturne (SUNBURST) (Inner Wound Recordings)

GRUPO DO MÊS #07 VN2000: .CRUZAMENTE