quinta-feira, 8 de maio de 2008

Review: Tales For Bad Girls (Forever Slave)


Em primeiro lugar convém dizer que os Forever Slave são espanhóis. Isto apesar de toda a sua sonoridade parecer holandesa. E quando se fala em parecer deve entender-se como igual a. De facto, originalidade é o que não abunda neste colectivo que desde há três anos, quando editou Alice’s Inferno pela Armaggedon, perderam o violinista e o baterista oficial da banda. Talvez não sejam estas ausências as responsáveis por agora termos um colectivo menos coeso, menos expansivo, menos intenso. Claramente que faltam os pequenos apontamentos de violino, mas o que mais falta faz, são as incursões black metal, os solos, a forte e, por vezes, tormentosa voz masculina e algum poderio ao nível da guitarra. Tudo que agora é substituído por melodias, algumas interessantes é certo, mas cheias dos clichés do género. A colagem a nomes como Within Temptation ou Evanescence é de tal forma gritante que o colectivo ainda se arrisca a ser acusado de plágio. Vá lá, de vez em quando até mudam de influência: My Girl é uma cópia descarada de Nightwish e dos vocais masculinos de Marco Hietalla! Como facilmente se depreende, criatividade é palavra inexistente no dicionário destes rapazes. Todavia, principalmente na primeira metade do álbum encontramos alguns temas com um sentido melódico apurado e apelativo. Say Good-Bye, apresenta uma melodia deliciosamente pop enquanto que Afterlife e Our Story prometem não deixar ninguém indiferente tal a força da melodia. A voz frágil de Lady Angellyca não espanta ninguém, mas acaba por não comprometer muito o trabalho final. Um trabalho que volta a ter na dupla de guitarristas Oswalth e Servalath, uma mais valia, se bem que agora com uma participação mais limitada. Em resumo, os Forever Slave quiseram fazer um álbum para as vendas. Ninguém os pode condenar por quererem ganhar dinheiro com o seu trabalho. Mas deveriam ter assegurado um rótulo como DOP.


Tracklisting:

1. Dickhead!
2. Say Good-Bye
3. GothiX Girls
4. Pulse
5. Kristen A.I.D.S.
6. Afterlife
7. Our Story
8. Mar, no te vayas
9. The Lovers
10. Larmes et Roses
11. My Girl (She loves her)
12. Gasoline

Lineup: Leal (teclas), Edward Vert (bateria), Lady Angellyca (vocais), Oswalth (guitarra), Servalath (guitarra)

Website: http://www.foreverslave.com/

Myspace: www.myspace.com/foreverslavemusic

Edição: Wacken Records/SPV (http://www.spv.de/)

Nota VN: 15,2 (22º)

1 comentário:

Jeff disse...

Conheci e Adorei Forever Slave ao ouvir Alice's Inferno. Mistura da Voz Feminina suave com o Som Gutural Masculino. Foi o que Me Encantou na Banda. Eles Mudaram com o novo Álbum. E Não Gostei. Mudei, Também! Agora, pra Mim, Eles São mais uma Banda "Progressiva".