Escape Music

Escape Music

terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Review: A Tribute To Michael Been (The Call feat. Robert Levon Been of B. R. M. C.)

A Tribute To Michael Been (The Call feat. Robert Levon Been of B. R. M. C.)
(2014, Label Records/Lightyear Entertainment)
(5.1/6)

Os The Call nasceram em 1980 em Santa Cruz, Califórnia, e entre 1982 e 1990 lançaram sete álbuns aclamados pela crítica até porem um ponto final na carreira. Regressariam em 1997 para mais um álbum e terminariam, agora definitivamente. O principal mentor da banda, Michael Been, vocalista, guitarrista, baixista e teclista dedicou-se então a ser engenheiro de som na banda do seu filho Robert Levon Been – os Black Rebel Motorcycle Club. Nestas funções acabaria por encontrar a morte, devido a um ataque cardíaco, a 19 de agosto de 2010 nos bastidores do Pukkelpop Music Festival em Hasselt, Bélgica. Os The Call regressariam em 2013, precisamente com Robert Levon Been a substituir o seu pai e agora é editado, como forma de homenagem e tributo ao responsável máximo pelo nascimento da banda, esta caixa onde se apresenta o concerto que o quarteto proporcionou no The Troubador em LA, em CD áudio e DVD. São, no total, 14 temas, incluindo os hits Let The Day Begin e I Still Believe (Great Design), entre muitos outros temas emblemáticos da banda como I Don’t Wanna, a bluesy Turn A Blind Eye e as bem roqueiras Modern Romans e The Walls Come Dawn. Este álbum foi registado numa memorável noite com uma incrível prestação dos The Call e de Robert Levon Been e com um forte sentimento de emotividade, presente, por exemplo quando foi apresentada a irmã de Michael Been, vinda diretamente de Oklahoma, bem como nos temas Red Moon, You Run, num registo intimista (apenas voz e guitarra) e, principalmente, o fecho em jeito de oração com Uncovered. Para quem não conhece (ou pelo menos já nem se lembrava deles), fica a informação que se trata de uma banda de rock típico dos anos 80, navegando em ondas próximas de uns INXS, U2, Cock Robin ou Simple Minds (com quem chegaram a compartilhar o palco).

Tracklist:
1.      Everywhere I Go
2.      I Still Believe
3.      I Don’t Wanna
4.      Floating Back
5.      Into The Woods
6.      Turn A Blind Eye
7.      Oklahoma
8.      You Were There
9.      Red Moon
10.  Let The Day Begin
11.  Modern Romans
12.  You Run
13.  The Walls Come Down
14.  Uncovered
       
Line-up:
Jim Goodwin – teclados
Tom Ferrier – guitarras
Scott Musick – bateria
Robert Levon Been – baixo, guitarra acústica, vocais

Internet:

Edição: Label Records/Lightyear Entertainment 

segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

Review: Back From The Edge (MindMaze)

Back From The Edge (MindMaze)
(2014, Inner Wound Recordings)
(5.6/6)

Uma capa de rara beleza, o nome do baixista dos Symphony X, Mike LePond, como músico de sessão, uma bela lista de convidados onde pontifica Jens Jonhansson (Stratovarius), pode afastar a atenção de um dos melhores discos de heavy metal deste ano. Os MindMaze são da Pennsilvânia e Back From The Edge é já o seu segundo trabalho, sucessor de Mask Of Lies de 2013. E se é certo que as female-fronted metal bands já conheceram melhores dias, não é menos verdade que Sarah Teets não pretende imitar nem seguir ninguém e é apenas ela própria. Associado, há um conjunto de músicos capazes de criar um heavy metal de caráter que tanto descai para o power metal como para o prog – sendo que no tema final até um pouco de folk/celta surge – mas mantendo sempre uma forte ênfase na componente melódica e harmónica. Nos momentos rápidos e cheios de power, Vandroya é a principal referência; nos momentos mais prog a coisa varia entre os Symphony X (bem patente em The Machine Stops, por exemplo) e os nossos Blame Zeus. Back From The Edge é um disco cheio de agradáveis surpresas e com um conjunto de temas realmente impressionantes: o tema título, o épico The Machine Stops, Consequence Of Choice e Onward (Destiny Calls II). Bases pesadas com guitarras bem conseguidas, solos de grande efeito, melodias cativantes, inteligente introdução de apontamentos acústicos, breakdows a preceito. Tudo junto num álbum que, como se percebe, se impõe por si próprio sem necessitar de puxar pelos galões dos convidados.  

Tracklist:
01. Back From The Edge
02. Through The Open Door
03. Moment Of Flight
04. Dreamwalker
05. The Machine Stops
06. Consequence Of Choice
07. End Of Eternity
08. Onward (Destiny Calls II)
       
Line-up:
Sarah Teets – vocais
Jeff Teets – guitarras
Kalin Schweizerhof – bateria
Mike LePond – baixo (músico de sessão)

Internet:

domingo, 19 de Outubro de 2014

Flash-Review: My Work Was Not Yet Done (The Joy Of Nature)


Álbum: My Work Was Not Yet Done
Editora: Ship Of Fools Records
Ano: 2012
Origem: Portugal
Género: Ambient/Indie/Folk/Experimental
Classificação: 3.9/6
Breve descrição: Trabalho de 2012 do açoriano Luís Couto marcado pela utilização de diversificados recursos estilísticos e musicais – predominantemente acústicos – para cruzar as vertentes natural e orgânica com a maquinal e experimental. Assim são criadas as mais díspares paisagens sónicas de cariz ambiental, étnico, intimista, minimalista, sacro, multicultural e multilinguístico.
Highlights: El Gran Dia Al Fin Llegó, Lavanda Leite e Mirra, Boneca De Olhos Verdadeiros, Ballarina
Para fãs de: Ataraxia, Arrowwood, Novemthree

Tracklist:
1.      November
2.      No Cambiaras Lo Que No Pudes Cambiar
3.      Song Of Quiet
4.      Interlude From The Garden Of Delights
5.      El Gran Dia Al Fin Llegó
6.      Beyond The Scenery
7.      Lavanda, Leite e Mirra
8.      Once The Dreamer Began To Dream Reality (Only A Glimpse)
9.      A Song To The Sun
10.  The Troubadour And His Lady In The Woods
11.  Boneca de Olhos Verdadeiros
12.  Dream Within A Dream
13.  Waltz From Erased Days
14.  Ballerina
15.  All The Pretty Little Horses
16.  The Flow

Line-up:
Luís Couto – todos os instrumentos
GrMateo – vocais
Mara Naves – vocais
Rui Almeida – guitarra
Helena Ferreira – vocais
Ricardo Farias – bateria

Notícias da semana

Os Viralata, banda punk rock de Lisboa, está de regresso com o seu segundo álbum Doa a Quem Doer, apresentado e lançado no passado dia 27 de setembro com casa cheia no RCA Club em Lisboa. Doa a Quem Doer é um disco de rock cantado em português, com temas fortes, muito humor e muita crítica social. Tudo adicionado a guitarras possantes, refrães orelhudos, muita garra e energia. Destaque para a participação de Kalú (Xutos & Pontapés) no tema Não Há Tachos. O disco tem edição da Rastilho Records e dele já foram filmados três vídeos: Não Há Tachos, E Vai um Copo e Estamos Juntos.




Já está disponível nas lojas o terceiro trabalho dos sinfónicos Winter In Eden, a banda já considerada como a melhor banda britânica no seu género. Court Of Conscience foi gravado na Holanda com produção de Ruud Jolie (Within Tempation) e mistura de Stefan Helleblad (Within tempation). São 11 novas canções com riffs musculados, teclados muito presentes e uma secção rítmica arrebatadora. Um disco com uma sonoridade moderna, poderosa e cheia de groove. Jermain van der Bogt (For All We Know/Ayreon) e Damian Wilson (Threshod/Headspace/Maiden United) colaboram no setor vocal. Já podem, entretanto, visualizar o vídeo do tema With Intent.




Aproveitando uma pausa nas suas tournées, os membros dos The Stooges – James Williamson, Steve Mackay, Mike Watt e Toby Dammit – juntaram-se para gravar algumas canções originalmente escritas por Iggy Pop e James Williamson em 1973/74, e sucessoras do fundamental álbum Raw Power. O resultado é Re-Licked, uma coleção de 16 temas, algumas das quais presentes em alguns bootlegs e lançamentos não oficiais, mas todas nunca gravadas de forma adequada, uma vez que a banda não tinha qualquer contrato discográfico na altura. Em boa altura Williamson resolveu revisitar esses temas e gravá-los com um poderoso conjunto de músico e uma eclética lista de vocalistas convidados – Mark Lanegan, Alison Mosshart, Mario Cuomo, Jello Biafra, Lisa Kakaula, Ariel Pink, Bobby Gillespie, Joe Cardamone, Carolyn Wonderland entre outros. O álbum Re-licked estará disponível em formato vinil, digital e CD a partir de 29 de outubro via Leopard Lady Records. Disponível está já um teaser deste álbum, bem como o vídeo para o tema I Got A Right.




Sob o título Free Nation, os Metal Machine vão, finalmente, disponibilizar as gravações que, há alguns anos, proporcionaram à banda uma série de grandes concertos pela Europa. A banda é liderada pelo vocalista Csaba Zvekan e o lançamento digital terá o selo da Dream Records a 24 de outubro. Deste álbum, o primeiro single Morning Star, está disponível para audição streaming.







Os afro-psyche Vodun apresentaram o segundo excerto do seu próximo álbum, previsto para 2015. Loa’s Kingdom está, então, disponível para audição streaming no The Obelisk e no Bandcamp da banda londrina.






Os lendários District 97 lançam o álbum ao vivo One More Red Night: Live In Chicago, um disco onde apresentam um set de canções dos King Crimson e tocadas pela banda acompanhada por John Wetton. O lançamento é da Primary Purpose, via Cherry Red Records.





Os Kill Ritual anunciaram o substituto de Gee Anzalone que, como se sabe, ingressou nos DragonForce. Trata-se de Koryun Bobikyan, de raízes arménias onde tocou em numerosos grupos (Stryfe, Sacrond, Sworn), tendo, ainda, tocado com Ian Gillan (Deep Purple) pela Armenian Symphony Orchestra. Bobikyan é também violinista professional e professor de bateria.





Já está disponível o lyric video oficial do tema título do novo álbum dos Stud, Dust On The Rose. Este tema é retirado do segundo álbum dos finlandeses com lançamento agendado para o dia 31 de outubro via Cranksonic.





Zero G é o novo drum video do conjunto internacional Exorcism, já com o novo baterista Alexis Von Kraven. Este tema faz parte do aclamado trabalho de estreia I Am God.



Os canadianos Blind Race ofereceram aos fãs o download do tema título do seu próximo EP Come And Get It nas lojas a 18 de Novembro. 




Depois do primeiro single Hit ‘n’ Run que atingiu o #1 da Classic Rock Chart da melodic.net na semana 40, os Wild Rose apresenta Stay, o segundo vídeo retirado de Hit ‘n’ Run, trabalho editado pela AOR Blvd Records.



Desde 14 de outubro que está disponível o vídeo The Roadmovie to Väsby dos Lover Under Cover. Trata-se do filme onde se conta toda a história da participação da banda sueca no Väsby Rockfestival que decorreu nos dia 18 e 19 de julho. Lá poderão ver cenas dos bastidores, muita música, divertimento e até algum material estranho. Confiram tudo no trailer.

Info: Under The Sign Of The Alliance - novo álbum dos Sudden Flames

Os Sudden Flames têm disponível desde junho o álbum Under The Sign Of The Alliance, via Maple Metal Records. A banda de power metal canadiana apresenta, assim, o seu segundo trabalho, produzido por Patrice Dalpé e pelo próprio coletivo e registado nos SF Studio em Quebec City. A masterização esteve a cargo de Pierre Rémillard (Anvil, Kataklysm, Voivod) nos Wild Studio, em Montreal. Atualmente a banda é composta por Jean-Robert Letarte (vocais), Pascal Lacombe (baixo), Sébastien Latulippe (guitarras), Daves Couture (guitarras) e Nicolas Blanchet (bateria). Nos últimos anos os Sudden Flames tiveram a oportunidade de compartilhar o palco com bandas como Dragonforce, Stratovarius, Kamelot, Raven e Paul Di'Anno. Retirado deste novo álbum, Under The Sign Of Alliance, está já disponível o vídeo para o tema Gabriel’s Quest. Disponível está, também, um vídeo retirado da aparição dos Sudden Flames num espetáculo em Quebec City em 2012, intitulado Death Might Be Live. Entretanto, confiram o tracklist de Under The Sign Of The Alliance:
Vendetta
Pilgrims of Steel
Lost
Gabriel’s Quest
Warrior of Hell
Beyond
Freedom
Tormented Mind
Under The Sign Of The Alliance



sábado, 18 de Outubro de 2014

Review: Pés na Estrada (Choque em Cadeia)

Pés na Estrada (Choque em Cadeia)
(2014, Lusitânia Records/iPlay)
(5.6/6)

Os Choque em Cadeia, jovem banda lisboeta, com membros com uma média de idades de 19 anos, estreia-se com o álbum Pés na Estrada, 11 temas de rock ‘n’ roll cantado em português, cheios de ritmo e com letras interessantes. O seu rock varia entre algumas influências mais punk (algumas referências a Xutos & Pontapés) e outras mais clássicas, como The Rolling Stones, tudo muito bem envolvido por uma capa bluesy e sulista – The Allman Brothers Band. Como resultado temos (em muitos momentos) bases eletroacústicas associadas a uma secção rítmica cheia de swing, solos de grande efeito e uma componente vocal bastante expressiva. Aspeto enriquecedor e catapultador de todo o potencial deste jovem coletivo é a natural tendência para contar histórias na música. Histórias que retratam o dia-a-dia, sem artificialismos. E nessas histórias, brincam com as palavras, manipulam as rimas, salteiam a métrica. Como só um nome em Portugal o consegue fazer: Jorge Palma! Por isso se afirma que esta é uma estreia extremamente positiva, excelente mesmo e muito promissora. Os Choque em Cadeia são um autêntico diamante em bruto pronto a ser lapidado. Só falta proporcionar-lhes as oportunidades certas que lhes permitam o crescimento e amadurecimento.

Tracklist:
1.      Deixa Rolar
2.      O Teu Chão
3.      Mentalmente Astuto
4.      Quando Fores Embora
5.      Marilú Fez-se à Estrada
6.      Tivemos Tudo na Mão
7.      Já Estou Farto
8.      Rockinho Mandado
9.      Vou Gritando
10.  Vais Rebentar
11.  Nada a Perder

Line-up:
Carlos Noronha - voz e guitarra
Manuel Parreira – baixo
João Costa - guitarra solo
Luís Morais - bateria

Internet:

Edição:  Lusitânia Records/iPlay