terça-feira, 1 de setembro de 2009

Review: Forja (Hyubris)

Forja (Hyubris)
(2009, Ed. Autor)

Quando em 2005, os Hyubris editaram o seu álbum homónimo as bases do metal nacional abalaram. A banda do Tramagal conseguira unir a alma lusitana (já antes usada pelos Moonspell, é certo), as tradições locais e o metal de uma forma soberba. A uma beleza lírica ímpar, o colectivo conseguia associar uma riqueza musical e um arrojo na abordagem de novas sonoridades (de que o fado Mulher do Rio será o melhor exemplo) sem paralelo no passado recente da história do rock feito em Portugal. Quatro anos se passaram, a banda evoluiu, cresceu, adicionou Paulo Jerónimo (gaita de foles) como elemento efectivo do grupo, abandonou (definitivamente?) as vocalizações em Inglês e surgem com Forja, ainda e estranhamente (anda toda a gente a dormir?) sem o apoio de uma editora. Filipa Mota está mais segura e com melhor controlo dos seus agudos e dos vocalizos assumindo claramente a sua vertente folk, os instrumentos (mais ou menos tradicionais) tem todos o seu espaço bem demarcado e perfeitamente perceptível, as melodias estão mais efectivas, a produção assume contornos de eleição (cortesia de Nuno Loureiro, sendo que o trabalho foi posteriormente masterizado pelo mago Mika Jussila nos seus famosos Finnvox Studios) e a componente lírica continua poderosa. Em termos de composição, a banda incorpora no seu metal melódico fortemente inspirado na tradição folk alguns apontamentos de metal sinfónico (Ode à Luna) , progressivo (Pedaço de Céu) e até algo próximo da polka (Ominorej) que só vêm engrandecer a qualidade desta obra. Mas, e acima de tudo, os Hyubris continuam a recorrer com frequência e sem receios a gaita-de-foles, acordeão, flautas e guitarras acústicas para criar temas de uma sensibilidade que estas palavras não conseguem descrever. Ouçam Eternidade, História Perdida, Ominorej, Tempos ou Ode à Luna e deixem-se envolver pela sua ancestral beleza. Sem margem para dúvidas: álbum do ano!


Tracklisting:
1. Pedaço de Céu
2. Ode à Luna
3. Eternidade
4. Orpheu
5. História Perdida
6. Condão
7. Zépico
8. Medeia
9. Tempos
10. Almas
11. Ominorej


Line up: Filipa Mota (vocais e flauta); João David (teclados); Jorge Cardoso (guitarras); Paulo Jerónimo (gaita de foles); Panda (baixo e guitarra portuguesa); Lulla (bateria)
Myspace:
www.myspace.com/hyubrismusic
Website:
http://www.hyubris.com/

Nota VN: 19,0 (1º)

1 comentário:

Cláudio disse...

Este bolg perde toda a credibilidade quando vem a classificação do album do ano. Será que é sempre uma banda melódica? Sim. Não há um critério válido dando sempre tal reconhecimento a bandas apenas desse estilo.