segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Entrevista com Qiasmo

Em primeiro lugar, apresentem-nos os Qiasmo.
O projecto Qiasmo surgiu em Abril de 2007, com apenas 3 membros: vocalista, guitarrista e baterista. Não tínhamos uma forma estruturada e fomos explorando a nossa criatividade para conseguir alcançar uma sonoridade que fosse própria e que nos agradasse, visto as diferenças de gosto de cada membro e que queríamos de alguma forma incorporar em algo único. Ao fim de um ano encontrámos o baixista, que trouxe mais influências, distintas das nossas, e ao final de algum trabalho de composição encontrámos um estilo que, apesar de não se poder considerar algo novo, consideramos nosso.

Que balanço fazem destes primeiros três anos de existência?
Acima de tudo, anos de descoberta, em que nos focámos em procurar o que pretendíamos que viesse a ser a sonoridade de Qiasmo, daí não termos começado a gravar maquetas até agora. Resumindo, uma época de procura e aprendizagem.

Participaram no RRW. Como decorreu a experiência e que ilações retiraram para o futuro?
Termos inscrito no RRW acabou por ser um pouco precipitado. Surgiu das primeiras tentativas de divulgação da banda, mas acabámos por, apesar de inscritos, não participar ou dar o devido valor ao mesmo.

Demo 2010, o vosso primeiro trabalho, foi totalmente gravada e produzida por vocês. Sempre foi esse o objectivo ou foi fruto de algumas contingências?
Tal como o nome indica, a demo foi apenas uma muito breve apresentação do nosso trabalho, não só para termos algo para mostrar, como para ver como seria a aceitação
e reacções que surgiriam do público. O facto de ser totalmente gravada por nós, deve-se precisamente a isto.

Sendo um trabalho inicial e apenas com três temas, suponho que o objectivo era dar a conhecer a banda ao maior número de pessoas. Ainda sendo cedo para tirar conclusões, como está a ser a aceitação?
Sim, foi um meio adoptado para estudar e perceber quais as primeiras reacções do público, tal como referimos anteriormente. Até agora, o nível de aceitação e as criticas têm sido bastante agradáveis, superando as nossas expectativas, tendo em conta o objectivo da demo. A verdade é que nos serviu não só para criar interessados no nosso som, como nos abriu novas portas, em termos de contactos. Aproveitando esta curiosidade que já fomos criando no público, preparamo-nos para lançar um EP, este já com o verdadeiro objectivo de divulgação profissional da banda, que será apresentado muito em breve, e que esperamos criar no público um verdadeiro interesse pelo nosso trabalho.

Dois dos três temas são vocalizados em português. Houve algum motivo especial para isso? Há a perspectiva de voltarem a usar a língua materna?
Começámos por compor temas apenas em Inglês, depois juntámos o Português. Agora que começámos a tomar o gosto pela utilização da Língua Mãe, pensamos continuar a fazê-lo, já que consideramos que se enquadra bem na nossa sonoridade e acima de tudo se é a nossa Língua não deve de todo ser excluída. Achamos que esta utilização nas nossas composições deve ser uma das nossas principais características.

Para além destes três temas os Qiasmo já tem mais material composto? Seguem a mesma linha de orientação?
Sim, na verdade já temos material composto em cerca de 10 originais que seguem a mesma linha de orientação, tanto a nível instrumental, como de letras.

E em termos de apresentação ao vivo, como está a ser planificada a vossa agenda?
Estamos a tentar agendar o máximo de concertos possível. Tocar ao vivo é sempre o mais motivante no mundo da música, pelo menos na nossa opinião. Temos algumas datas programadas, que serão expostas brevemente no nosso myspace, que desde já convidamos todos os interessados a acompanhar.

3 comentários:

Ana Rita disse...

Boas! Estou concente por ter novas noticias dos QIASMO! Adorei ver-vos no Transmission
Continuem com muita força
Beijinhos!

E. disse...

Quem os viu e quem os vê, definitivamente no bom caminho!

Boa sorte para o futuro!

Carina C. disse...

Muitos parabéns pelos passos dados até agora! Admiro imenso a força e a vontade com que, aos poucos e apenas por vocês, têm tentado vingar neste mundo de cão que é a musica. Fico muito feliz por saber que, aos poucos, vão atingindo os vossos objectivos. Só é de lamentar os escassos(ou inexistentes) apoios que estas bandas novas têm. Enfim, melhores tempos virão, esperemos...

Desejo-vos o maior sucesso!

Um grande bjinho*