sábado, 24 de julho de 2010

Review: Contracultura (Gazua)

Contracultura (Gazua)
(2010, Raging Planet/Gazua)


Três álbuns em três anos é o vasto pecúlio deste trio lisboeta que, em Contracultura se baseia no movimento de contestação social vivido nos anos 60. E podemos começar esta análise precisamente por aí: a temática de critica social e politica e de despertar de consciências continua muito presente nos Gazua. O actual cenário nacional e mundial de crises financeiras, sociais e políticas acabam por fazer com que este disco se torne perfeitamente actualizado. No fundo, os Gazua acabam por funcionar como uma versão revista e actualizada dos Zecas e Adrianos de outros tempos, os tempos em que eles se baseiam nesta proposta. Musicalmente, a banda segue a sua linha bem definida dançando naquele limbo tão ténue que é a fronteira entre o punk rock e o hard rock, em que as estruturas e desempenho vocal se situa no primeiro campo mas os riffs e solos entram pelo segundo. Mas os lisboetas não se limitam ao óbvio. Aliás, a experiência de álbuns anteriores diz-nos isso mesmo. Por isso, Contracultura apresenta uma série de pormenores que caracterizam a evolução da banda. O E-Bow em A Mudança Que Queres Ver, a ficção científica em jeito de blues em Chamando Urano (sensacional tema!) ou o curto instrumental Divagueando são os exemplos. Porque tudo o resto já é conhecido: são mais onze hinos com refrães orelhudos, facilmente decoráveis, predispostos para serem gritados a plenos pulmões pelas massas em uníssono nos concertos. Os destaques podem ser apresentados sob a forma de A Mudança Que Queres Ver, uma abertura forte; Preocupa-te, numa toada claramente hardrockeira; Morreu o Coveiro, vocalizada pelo baixista Paulinho e com um curioso trocadilho literário; Mais Significado, eventualmente a faixa mais rica em termos estruturais e rítmicos com nuances melódicas inovativas; a já citada Chamando Urano, verdadeiramente brilhante ou a ritmada e atractiva melodia de Nunca Estou Satisfeito. Como tema escondido (A Minha Droga), Contracultura apresenta ainda uma declamação de uma poesia acompanhada por um instrumental algo psicadélico e noisy. Se dizem que a marca do terceiro álbum é fundamental para estabelecer um nome no panorama, pode afirmar-se, em jeito de conclusão, que os Gazua passaram o teste com distinção. Contracultura é mais uma pérola dentro do seu género que promete ficar para a história.

Track List:
1. A Mudança Que Queres Ver
2. Preocupa-te
3. Ele Já Não Respira
4. Mais Significado
5. Morreu o Coveiro
6. Chamando Urano
7. Perigo Eminente (És o Teu)
8. Corpo Oco
9. Divagueando
10. Casa dos Fantasmas
11. Nunca Estou Satisfeito

Line up: João Corrosão (vocais e guitarras), Paulinho (baixo) e Paulo Corvo (bateria)

Internet:
http://www.myspace.com/gazua

Edição: Raging Planet (
http://www.ragingplanet.pt/) /Gazua

Sem comentários: