Entrevista com Face Oculta

Oriundos de Corroios, os Face Oculta apresentam Presságios o seu primeiro EP que sucede à demo Olhos da Escuridão. Voltando a apostar na língua de Camões, o colectivo surpreende pelo seu heavy rock cheio de ritmos e melodias. Alexandre Kthulhu (guitarra solo e voz) acedeu a contar para Via Nocturna a evolução que a banda sofreu desde Olhos de Escuridão.

Presságios sucede a Olhos da Escuridão. Que diferenças podem ser apontadas entre os dois trabalhos?
As diferenças são notórias. Este trabalho é mais abrangente, pois os Olhos da Escuridão foi uma demo que não teve divulgação nem qualquer lançamento. Presságios foi composto e gravado com objectivo de ser projectado a nível da península ibérica. Em termos de composição, apresentamos temas mais ambiciosos, quer do ponto vista lírico quer do musical. O EP revela o heavy rock que fazemos actualmente, e não aquele som que tínhamos quando começámos. Se escutares o EP com atenção, vais descobrir muitas coisas novas que nunca se ouviu em parte nenhuma, como por exemplo a inclusão de um instrumento experimental que inventámos e lhe demos o nome de Kongomato.

Como decorreu o processo de gravação em Presságios?
Correu bem. Empenhámo-nos nos ensaios para que o processo de gravação fluísse com naturalidade. Durante a gravação, obviamente foram surgindo algumas ideias, que, sendo boas, as aproveitámos, claro. Procurámos um produtor com experiência (Paulo Vieira) e escolhemos os estúdios Mad Dog em Corroios. Houve um grande empenho por parte de todos os elementos para que tudo decorresse dentro dos prazos estipulados. Fomos exigentes connosco, mas ouve alturas em que foi difícil, pois gravámos em alguns dias da semana, e deslocávamo-nos para o estúdio após um dia stressante de trabalho, mas só saíamos de lá quando tudo estava concluído e de acordo com os nossos objectivos - é assim a vida de um musico em Portugal (risos).

Como têm sido a reacção dos fãs e dos media a este vosso novo trabalho?
A reacção tem sido bastante positiva. O público cada vez mais adere aos nossos concertos e no final vêm-nos felicitar pela actuação, falam connosco e compram o EP, (do qual doamos 1 euro à associação SOS Bicharada do Barreiro). Exaltam sempre o facto de cantarmos em Português, pois assim captam as mensagens que as músicas emitem e até cantam os refrães, o que é sempre estimulante. Em relação aos media, têm-nos abordado no sentido de nos conhecerem e de nos darem a conhecer. Tem havido bastante divulgação dos nossos concertos (blogs, fanzines, páginas da net, Jornal do Seixal, Jornal de Noticias - nos concertos do norte, etc). Tivemos inclusive uma crítica muito positiva ao EP no Jornal do Seixal, que até propôs ser nosso patrocinador, o que tem sido bom para promover a banda. 

A edição é da vossa própria autoria, certo? Há expectativas quanto a trabalharem com uma editora num futuro próximo?
Certo. Podemos revelar que a nossa manager já foi contactada por uma editora que demonstrou interesse em trabalhar connosco. Contudo apenas não vamos formar essa parceria para já, mas sim num próximo trabalho de estúdio, que desejamos que seja um álbum.

Como está a decorrer a apresentação de Presságios ao vivo?
Estamos em tournée pelo país fora, e de facto tem superado as nossas expectativas. Pois estávamos habituados a tocar para os amigos e família, e agora estamos a viajar para outras regiões e a dar concertos para um público que não conhecemos. Mas isso tem sido gratificante porque as pessoas (referimo-nos a toda a gente: público, organização, gentes das terras, etc) têm-nos recebido e tratado muito bem. Temos tido oportunidade de contactar com muitas bandas e já partilhámos o palco com bandas estrangeiras (Bucéfalo, Kathaarsys, Cubo Di Mierda, etc). Em termos de actuação ao vivo, tentamos ser do mais profissional possível. Preparamo-nos sempre para cada concerto, e gostamos de dar ao público um bom espectáculo. Em alguns concertos apresentamos uma performance de fogo que não deixa ninguém indiferente.
Uma questão que certamente não vos passará ao lado, diz respeito ao processo judicial a decorrer que tem o vosso nome: Face Oculta. Têm tido histórias engraçadas/curiosas pelo facto de compartilharem o mesmo nome?
Sim, temos tido algumas. No primeiro dia que a noticia do escândalo Face Oculta veio a público, a nossa manager recebeu alguns telefonemas dos media (TVI, TSF, etc) no sentido de descortinarem alguma coincidência entre os nomes. Uma das entrevistas foi para o ar e até tiveram a gentileza de passar um tema nosso. Os nossos amigos também brincam com o assunto, por exemplo, epá, vocês já são famosos! O vosso nome saiu na 1ª pagina do jornal, etc - (Risos).

E quanto ao futuro, que nos podem adiantar? Que projectos têm em mente para ser concretizados?
Por agora, estamos ainda em digressão, pois este ano ainda nos falta ir a Espanha e ao Algarve. Mas já há contactos para 2011, onde incluímos concertos no estrangeiro. Vamos investir no nosso merchandising e estamos também a preparar adereços de palco para tornar os nossos concertos mais atraentes. Temos como objectivo regressar a estúdio em 2012 e estamos a empregar esforços na composição de novos temas, onde já incluímos um novo instrumento - o teclado.

Comentários

  1. Valorizam a língua portuguesa e dizem "Refrães"...

    ResponderEliminar
  2. Caro anónimo: se consultar o Vocabulário da Língua Portuguesa de F. Rebelo Gonçalves, por exemplo, verificará que o plural de "refrão" é "refrães". Por isso agradecia que melhor se informasse antes de criticar.

    ResponderEliminar
  3. Esta banda é um promessa nacional.Talvez por isso suscite comentários de invejosos.

    ResponderEliminar
  4. Incredulidade a minha, peço perdão pela minha falha. De resto, uma banda com pés para andar. Longe de mim invejar o trabalho de alguém! Aguardo a promessa nacional com ansiedade!!

    ResponderEliminar
  5. Tive a oportunidade de os ver no metalpoint e sinceramente não gostei...

    ResponderEliminar
  6. vi esta banda no massive metal fest e curti a brava.

    continuem malta!

    ResponderEliminar
  7. lol, parece que realmente existem opiniões diferentes...

    É que vi-os nas festas populares de corroios e não gostei muito....
    Talvez com um pouco mais de prática e experiência alcancem os objectivos, que é sempre bom para bandas portuguesas

    ResponderEliminar
  8. Eu vi-os no Metalpoint e concordo com o último comentário. Pode ser que com algum esforço e dedicação consigam chegar a algum lado :)

    ResponderEliminar
  9. Boa banda.
    Tem tido boas criticas.

    "Globalmente o trabalho assenta numa forte fusão de ritmos numa faixa só; com bons riffs, letras fortes, uma baixo por vezes marcante e uma bateria com a sua presença bem conseguida.
    banda tem um enorme mérito, que nem sempre é tido em conta neste país que muitas vezes não valoriza a sua cultura, é interpretado totalmente em português o que, apesar de ser um caminho muito mais dificil, quem o assume deve ser enaltecido". -Critica ao EP no jornal do Seixal

    ----------------------
    "A banda de promoção desta semana são os Face Oculta ( http://www.myspace.com/bandfaceoculta ). Excelente banda que tem dado um nome à música alternativa portuguesa". - Radio corrente alternada

    ResponderEliminar
  10. Boas! Vejo que as opinioes estao bem divididas por aqui! Eu gostei do que vi em corroios, ó anonimo!

    ResponderEliminar
  11. Boas!

    Como em todas as situações, não se pode agradar a gregos e troianos, e eu não odiei o que vi em corroios, mas acho que ainda têm algumas coisas a aprender, tudo a seu tempo...

    Acho que as musicas que necessitam de uma revisão urgente são as covers que tocam.
    Achei, sem ofensa, a cover de AC/DC uma desgraça.

    De resto, força nisso.

    Cumprimentos,

    RC

    ResponderEliminar
  12. Já que falam de covers, refiro a música de Radiohead, Creep. Quando os vi no Cave Bar, notei alguma dificuldade nesta música.

    De resto, gostei bastante da música desta banda!

    ResponderEliminar
  13. Informação:

    Os Face Oculta não tocaram o "Creep" no CAve bar.

    Ou não esteve lá, ou então deve estar a fazer confusão.

    venham mais!

    ResponderEliminar
  14. Oi malta! Boa entrevista, gostei! Para quando um concerto em Beja?

    ResponderEliminar
  15. Oi Malta! Gostei da entrevista! Para quando um concerto em Beja?

    ResponderEliminar
  16. olá António Silva,
    muito obrigada.

    Já foram feitos alguns contactos para tocar em Beja,estamos a aguardar respostas.Quem sabe em 2011...
    Yolanda Faleiro

    ResponderEliminar
  17. Olá António Santos,
    muito obrigado.
    Já foram feitos alguns contactos no sentido de irmos tocar a Beja,aguardamos respostas.Quem sabe em 2011...
    Yolanda Faleiro

    ResponderEliminar

Enviar um comentário