quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Review: Autumn Sky (Blackmore's Night)

Autumn Sky (Blackmore’s Night)
(2010, Spinefarm)

O lendário guitarrista dos Deep Purple desde os anos 90 que se tem dedicado a à sua nova paixão musical: a era renascentista. Juntamente com a sua esposa Candice Night recrutou músicos de todo o mundo para combinar, na perfeição, world music, celta, medieval, folk e rock. O inconfudível som da sua Fender Stratocaster continua presente, embora agora o místico guitarrista se tenha dedicado a outros instrumentos acústicos. Autumn Sky é o trabalho que sucede ao excelente Secret Voyage e apesar de já estar disponível na Europa, só no inicio do próximo ano chegará aos Estados Unidos, inclusive com uma capa diferente. E, apesar de a base continuar a mesma em termos estilísticos, levando a nossa imaginação para longínquos tempos de castelos, reis, princesas, duendes e bardos, neste trabalho parece haver um ligeiro retrocesso. Se em Secret Voyage, Blackmore tinha dado mais destaque aos sons eléctricos e tinha acentuado o trabalho da sua guitarra, orientando o álbum para campos mais próximos do hard rock, em Autumn Sky, o colectivo volta a desligar a corrente e a assumir-se fundamentalmente no campo acústico ou, quando muito, no eléctrico mas com uma sonoridade completamente limpa sem qualquer tipo de distorção. Por outro lado parece haver um ligeiro aumento da preponderância dos teclados a assumirem a espaços (Health To The Company) algum destaque como segundas melodias. De resto voltamos a ser deliciados com um soberbo conjunto de temas conduzidos pela superior capacidade vocal de Candice Night, no seu registo quente e tranquilo, longe dos estereótipos das vocalistas actuais e que assume especial relevância em Celluloid Heroes. E voltamos a ser maravilhados e hipnotizados com o soberbo desempenho de Ritchie Blackmore seja em que circunstância for. E voltamos a ser embalados por doces e soberbos pormenores de flautas, bandolins, gaita-de-foles e afins. Como se o álbum tivesse vindo directamente da idade média. Em termos de faixas acaba por haver um par delas (Journeyman e Keeper Of The Flame) claramente mais rockeiras, mas a maioria das canções regem-se por parâmetros folk/medieval sendo que umas mais introspectivas outras mais festivas. E acaba, também, por aparecer o tradicional sentimento gypsy em All The Fun Of The Fayre num dos momentos mais bem conseguidos do disco e em Dance Of The Darkness, um instrumental de carácter altamente festivo, somos surpreendidos por um sensacional solo de baixo. E é com todas estas nuances e surpresas que Autumn Sky se revela mais uma obra fundamental na carreira do veterano guitarrista britânico. Mais uma vez, não se trata de falar de metal, mas sim de boa música. E ela existe em qualquer género.

Tracklist:
1. Highland
2. Vagabond (Make A Princess Of Me)
3. Jorneyman (Vandraren)
4. Believe In Me
5. Sake Of The Song
6. Song And Dance
7. Celluloid Heroes
8. Keeper Of The Flame
9. Night At Eggerberg
10. Strawberry Girl
11. All The Fun Of The Fayre
12. Darkness
13. Dance Of The Darkness
14. Health To The Company
15. Barbara Allen

Line Up:
Ritchie Blackmore – guitarras, bandolim
Candice Night – vocais
Bard David Of Larchmont – teclados
Squire Malcolm of Lumley – bateria
Gypsy Rose – violin
Earl Grey of Chamay – baixo, guitarra, bandolim

Internet:

Edição: Spinefarm

Sem comentários: