quinta-feira, 21 de abril de 2011

Entrevista - Web

Veteranos do metal nacional, os Web representam a própria história do género. Vinte e cinco anos de carreira são bem demonstrativos da força de vontade e da coragem dum nome que, seguramente, já faz parte dos compêndios. Deviance é apenas (dizemos nós!) o segundo álbum da carreira. Mas a espera valeu bem a pena: uma mistura única de thrash e doom para criar uma obra obrigatória. Para nos falar deste presente, mas também de um longo e glorioso passado e dum previsível brilhante futuro, a banda nortenha juntou-se e respondeu às nossas questões.

Antes de mais, parabéns pelo vosso excelente trabalho. Agora gostava de saber como analisam e como descreveriam Deviance, o vosso segundo trabalho em 25 anos de carreira.
Deviance é algo do qual nós nos orgulhamos imenso, foi algo em que todos trabalhamos com o maior empenho e dedicação. Em comparação com o World Wild Web, no qual contem “o dedo” de todos os elementos que passaram pelos Web, em termos de composição, este 2º álbum foi inteiramente composto pelas pessoas que o gravaram e mostra realmente aquilo que nós queríamos que ele mostrasse, a nossa força e a nossa paixão pela música. Deviance é o espelho do que queremos e do que fazemos musicalmente. É um álbum com temas bastante rápidos com uma mistura de Doom que é característico da nossa composição.

O vosso primeiro álbum World Wild Web foi lançado há 6 anos. O que mudou desde essa altura?
Principalmente o nosso line up estabilizou o que nos deu tranquilidade para começarmos a compor este segundo álbum. As constantes mudanças não ajudaram em nada a progressão da banda, como é compreensível, por isso penso que foi o mais importante nestes últimos 5 anos.

Há razões justificativas para que uma carreira tão longa (e proeminente, também) tenha um tão curto pecúlio em termos editoriais?
Penso que respondo em 50% desta pergunta na questão anterior. Os outros 50% devem-se ao facto de que na altura em que os Web começaram o seu percurso musical, as coisas não eram tão fáceis no que diz respeito à edição de álbuns e pelo facto de o “serviço militar obrigatório”, pelo qual todos os elementos dos Web passaram, ser na altura de 18 a 24 meses o que impossibilitou que banda pudesse trabalhar a 100%. Nós queremos sempre dar o melhor de nós e não gostamos de nos apresentar se estivermos conscientes de que não vamos dar 100% das nossas capacidades, e isso tanto é válido para os álbuns como para os concertos.

No entanto, a banda tem estado sempre ativa, certo?
Sempre. Apesar das contrapartidas referidas, nunca tivemos descanso. Com mais ou menos concertos temos sempre conseguido ficar no ativo durante este 25 anos.

A festa de apresentação foi no Metalpoint. Como decorreu e como foi a reação do público a estes novos temas?
Tenho aqui de agradecer a todos o que compareceram num dia tão especial para nós. Foi excelente, o público do Metalpoint é sempre do melhor, sempre a apoiar e a puxar pelas bandas que lá vão tocar, e no nosso caso não foi exceção. Casa cheia, o pessoal a aderir aos temas novos e aos não tão novos mas que integram o álbum Deviance, o qual foi tocado na íntegra. O feedback do pessoal foi muito positivo em relação ao concerto e o mesmo está a ser em relação ao álbum.

O tema Awake já está há algum tempo disponível para audição no vosso myspace, sendo que já tocou perto de 1000 vezes. Isso cria em vós muitas expectativas para este trabalho?
Sim, claro que sim. Como disse, as críticas do álbum têm sido bastante positivas e isso só cria em nós tanto um sentimento de orgulho pelo nosso trabalho como um sentido de responsabilidade para com o público que tem de ver os Web no seu melhor, sempre.

Como decorreu o processo de composição e de gravação de Deviance?
A composição dos temas deste álbum, Deviance, passou por todos os elementos da banda. Cada um de nós compõe, traz ideias, propõe arranjos e está aberto às ideias e propostas dos restantes elementos, o que é um processo extremamente positivo e motivador para todos. Muitas vezes surgem ideias durante umas pequenas jams que realizamos no início dos ensaios para aquecer, que depois são utilizadas mais tarde nos nossos temas. Cada música é trabalhada de forma exaustiva. Enquanto não estiver gravado, estará sempre sujeita a pequenos refinamentos. Por isso é um processo muito dinâmico e muito participativo.
Em relação ao processo de gravação/misturas foi muito relaxado, muito divertido e muito produtivo! O Paulo Lopes da SoundVision Studios, que foi quem coproduziu o álbum juntamente com a banda. Foi a escolha acertada, pois é uma pessoa muito profissional, que adora o que faz e muito divertida ao mesmo tempo, desde logo nos sentimos em casa.

E agora, vamos ter os Web na estrada a promover Deviance?
É verdade. A Deviant Tour começou no passado 19 de março com o lançamento do Deviance, e já tivemos a oportunidade de fazer a promoção do álbum no Moita Metal Fest, e seguem-se uns quantos concertos passando pelo SWR Metal Fest, GDL Metal Fest, Gaia em Peso e uns quantos mais ainda este ano. Para o ano vamos continuar a nossa senda de concertos a promover o álbum por todo o país para que consigamos chegar ao maior número de pessoas possível.

Sem comentários: