quinta-feira, 5 de maio de 2011

Review: A Beautiful Atrocity (Guardians Of Time)

A Beautiful Atrocity (Guardians Of Time)
(2011, Mayhem Music)

Este é já o terceiro álbum para os noruegueses Guardians Of Time, uma banda nascida em 1997 e praticante de uma sonoridade power/progressiva, na linha de nomes como Iron Maiden, Queensryche ou Gamma Ray. A Beautiful Atrocity, o titulo desta nova proposta, mostra uma banda com um elevado nível de criatividade, com dinâmicas muito ricas e um espectro de abrangência muito alargado. Por isso a banda é vista como um dos nomes lideres no panorama melódico do seu país, apresentando um conjunto de músicos com muita experiencia acumulada em coletivos como os Trail Of Tears ou os Nobodies. E é essa experiência que permite que os músicos criem um conjunto de temas muito agradáveis, com um bom desempenho técnico a nível individual e com imensos pormenores de classe espalhados por todo o disco. E com diversos elementos que criam variabilidade. Há partes melódicas, há partes bem puxadas, há partes progressivas e há partes calmas. Os vocais altos cruzados com os twin guitar solos e um conjunto de excelentes composições fazem de A Beautiful Atrocity um álbum a aconselhar. Perverse Perfection, God v2.0, Monster, Altered In Red (soberbo refrão!), Sleep Eternal (fantástica power ballad), Tide Of Time e Only In A Dream é o conjunto de temas que prova o que anteriormente foi dito. Todavia, é para o final que está guardada a melhor peça: The Man, é um tema retirado diretamente do baú das memórias, com um acentuado travo vintage a lembrar Zeppelin’s, Steppenwolf’s e afins. Verdadeiramente delicioso e um final com tanto de brilhante como de surpreendente.

Tracklist:
1. The Beginning Of The End
2. Perverse Perfection
3. God v2.0
4. Monster
5. Altered In Red
6. Mind Divided
7. Heart Of Darkness
8. Sleep Eternal
9. Dreamworld Messiah
10. Tide Of Time
11. Only In A Dream
12. I, Sinner
13. The Man

Line-up:
Bernt Fjellestad – vocais
Paul Olsen – guitarras
Bent Lindebo – guitarras
Jonkis – baixo
Oyvind Vagane - betaria

Internet:

Edição: Mayhem Music

Sem comentários: