quinta-feira, 9 de junho de 2011

Review - 1912 (ReinXeed)

1912 (ReinXeed)
(2011, Liljegren Records)

Apenas um ano após a edição de Majestic, Tommy Johansson está de regresso com um line up completamente renovado e mais um disco dos seus ReinXeed, o 4º desde 2008. 1912 é um trabalho bombástico como os Rhapsody Of Fire, supersónico como os Dragonforce, melódico como os Stratovarius, com impressionantes cavalgadas épicas como os Iron Maiden e representa um passo em frente em relação à sua anterior proposta. Esse passo em frente nota-se sobretudo ao nível da melhoria das melodias, ao nível vocal com menor recurso aos agudos (ainda assim com o registo de alguns irritantes falsetes, como em Reach For The Sky) e ao nível dos coros, mesmo que voltem a aparecer alguns que parecem estar na rotação errada. No entanto, continua a verificar-se a pecha já apontada em Majestic: Tommy Jonhansson tem tanto de guitarrista dotado como de compositor limitado. 1912 é um disco composto por um conjunto de temas sempre prego-a-fundo, que apresenta três portentos de power metal a abrir (1912, The Final Hour e Terror Has Begun) mas que com a audição vem revelando falta de variabilidade e inovação, regendo-se por um registo muito previsível. O problema é que, na maioria dos temas, entre a camada representada pela poderosíssima secção rítmica (por vezes avassaladora!) e a camada onde se desenvolvem as agradáveis linhas melódicas vocais, pouca musicalidade existe, o que acaba por contribuir para o cansaço e a saturação. Os bons solos, os apontamentos sinfónicos, as melodias memoráveis e a velocidade, quase no limite do humanamente possível, acabam, todavia, por fazer de 1912 o melhor trabalho da carreira dos ReinXeed mas, ainda assim, apenas aconselhado aos fãs do tradicional power metal nórdico.

Tracklist:
1.1912
2. The Final Hour
3. Terror Has Begun
4. Spirit Lives On
5. Through the Fire
6. The Fall Of Man
7. The Voyage
8. We Must Go Faster
9. Challenge The Storm
10. Reach For The Sky
11. Farewell
12. Lost At Sea

Line-Up:
Tommy ReinXeed: vocais, guitarras, teclados
Calle Sundberg: guitarras
Nic Svensson: baixo
Mattias Johansson: guitarras
Björn Edlund: bateria

Internet:

Sem comentários: