Review: Inert (The Dead Of Night)

Inert (The Dead Of Night)
(2011, Invisible Eye Productions)

Shadow e Morgana Duvessa são as duas mentes responsáveis pelos The Dead Of Night, um projeto de dark ambient que em Inert apresentam um disco tranquilo, cinematográfico, clássico e negro. Mas o que mais salta à vista neste trabalho é a manipulação dos sons através das programações, levando o ouvinte numa viagem através de um filme simultaneamente celestial, religioso, soturno e até fúnebre. Alternando momentos instrumentais com forte ênfase neoclássica e/ou contemporânea com a introdução de vocais enigmáticos e tímidos, Inert é uma obra perfeita para a meditação, introspeção e reflexão. Uma daquelas obras para se ouvirem após um stressante dia de trabalho. O piano é um dos instrumentos mais em destaque, com uma presença muito marcante na forma como é abordada a sua utilização. Por isso, Shallow Imagery acaba por ser um dos mais fortes temas do álbum. Apesar da aparente fragilidade, acaba por ser o piano a transmitir a principal sensação de força deste trabalho. Uma força subtil, que acaba por se substituir nas passagens por momentos negros e angustiantes ou nos sons da natureza. Pontualmente coros fazem a sua aparição, ajudando a acentuar toda uma áurea de infausto e lamentações, já de si bastante vincada pelos sons frios criados pelas programações de Shadow e pelas vocalizações de Morgana.

Tracklist:
1. The Gift Of Witch We Spoke
2. One Breath In Catharsis
3. His Wicked Voice Returns
4. Journey Mine
5. Broken Doll
6. Arcane Preparation
7. Restfulness
8. Shallow Imagery
9. The Black
10. Ghost Of perennial Mourning
11. The Subtle Poignancy Of A Dewdrop
12. Frontier

Line up:
Shadow – programações
Morgana Duvessa – vocais

Internet:

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Um grande projecto musical com excelentes ambiências e um toque charmoso de neoclássico!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário