sábado, 24 de novembro de 2012

Review: Transgressão (Gazua)

Transgressão (Gazua)
(2012, Raging Planet/Raising Legends)
 
Já o escrevemos que os Gazua são a melhor banda punk rock da história deste género em Portugal. E afirmamo-lo sem qualquer tipo de exageros. A banda lisboeta construiu uma carreira alicerçada em três álbuns de grande qualidade, todos eles com um denominador comum e todos eles sempre a acrescentar algo de novo e interessante. A ideia transmitida era que a evolução iria continuar num 4º álbum. Um álbum que demorou mais tempo a escrever e produzir e que se repercutiu num álbum mais maduro, mais criativo, mais evoluído, mais ecléctico, ou seja e em suma, melhor! Transgressão é o nome deste novo trabalho onde a banda consegue manter a sua costela e atitude punk rock cruzada com o hard rock sem ser minimamente beliscada e ainda consegue enveredar por outros caminhos diferentes, nomeadamente através da criação de um conjunto de temas muito fortes melodicamente. O primeiro sinal de mudança surge logo a abrir com a inclusão de teclados em Último Abraço, embora a velocidade furiosa do punk ainda esteja bem presente num tema como Respira e a energia musculada e a sonoridade bem loud surja em Alma Cinzenta. Do lado oposto temas como o O Segredo, O Rio Embala-me ou Terra Prometida surpreendem pela beleza e riqueza da composição, com as guitarras quase sem distorção a entrar por campos bluesy! Depois ainda há belas faixas de rock melódico como há muito não se fazia por cá. Destacaríamos Negro Opaco, Foste Tu ou Noite Ritual. E também há uma faixa mais experimental, com o poema declamado/narrado como Ritmo das Palavras. Um autêntico manifesto de liberdade. Liricamente, e numa altura em que a contestação social cresce de tom, os Gazua inverteram o seu sentido e deixaram um pouco de lado essas temáticas político-sociais. Agora somos surpreendidos por letras mais pessoais e introspectivas. Uma outra forma clara de evolução. Em jeito de conclusão sempre afirmaremos que Transgressão é um disco enorme de rock, claramente um dos melhores trabalhos do ano, a mostrar que os Gazua têm muito mais que simples atitude e que vem demonstrar que o trio lisboeta acaba por ser um dos mais injustiçados coletivos do nosso país.
 
Tracklist:
1.      Último Abraço
2.      O Inimigo Sou Eu
3.      O Segredo
4.      Respira
5.      Negro Opaco
6.      Foste Tu
7.      Ritmo das Palavras
8.      Alma Cinzenta
9.      O Rio Embala-me
10.  Noite Ritual
11.  Terra Prometida
 
Line-up:
João Corrosão – voz e guitarra
Paulinho – baixo e coros
Paulo Martins – bateria
 
Convidados:
Shela – teclados
 
Internet:
 

Sem comentários: