domingo, 9 de dezembro de 2012

Entrevista: Oxygene8

Para quem gosta de música desafiadora, sem limites e arrojada, aconselhamos vivamente o novo álbum do projeto norte-americano Oxygene8, loop1. Via Nocturna quis conhecer melhor este eclético projeto e fomos conversar com a simpática Linda Cushma, a principal mentora e líder de uma equipa de músicos de inegável talento.
 
Olá Linda e obrigado por acederes a responder a Via Nocturna. Antes de mais, podes apresentar o projeto Oxygene8 aos fãs portugueses?
Olá, Pedro, Via Nocturna e reverenciados fãs portugueses. Eu gostaria de te agradecer pelo teu interesse em Oxygene8, tocares a nossa música e pelo tempo a ouvir e analisar o novo álbum, loop1. Para introduzir Oxygene8, devo explicar que O8 tem sido há mais de 10 anos a casa de todos os meus projetos de música. Tim Alexander dos EUA foi o baterista de gravação em todos os projetos e o guitarrista chileno Claudio Cordero também tem sido uma parte de Oxygene8 há muitos anos. Artistas/músicos convidados temos o baixista John Humphrey, o guitarrista Joe Myers, a vocalista Fátima Halim e o produtor Steve Parrish que também são escritores e colaboradores em loop1.
 
O famoso tema de Jean Michel Jarre, Oxygene 8, foi inspirador para o nome ou é apenas coincidência?
É puramente uma coincidência, com todo o respeito devido a esse maravilhoso tema de Jean Michel Jarre. Este nome representa uma inspiração muito profunda e pessoal para mim. Oxygene8 e a música de Oxygene8 permanecerá como uma dedicatória para o meu irmão, Larry.
 
Na realidade, os Oxygene8 são uma banda muito eclética. Quais são algumas das vossas influências?
Eu gosto de toda a música e quando se trabalha com muitas pessoas, cada indivíduo tem as suas influências diferentes e sua própria história para contar, o que musicalmente contribui para o "som" de uma banda ou um álbum. Por exemplo, eu tenho certeza que podes ouvir um pouco de influência de Joe Satriani e Steve Vai e talvez até um pouco de Alan Holdsworth no som do guitarrista Claudio Cordero, correto? O baterista Tim Alexander ouve todo tipo de música no mundo e tem sido citado como dizendo que o baterista Neil Peart é a grande influência na sua música. Sabes que eu também adoro a música de Peter Gabriel, Tony Levin, Jaco Pastorius e Alan Holdsworth Band. Se alguma dessas influências se refletissem na minha música, ficaria muito honrada.
 
Como surgiu a ideia de criar um álbum como loop 1?
Pode parecer engraçado, mas realmente foi uma "visão", que eu vi e ouvi na minha cabeça. Desde o início que eu sabia que tinha que ser uma história contada num longo pedaço de música e que todas as pessoas envolvidas não deveriam confiar nas partes, mas no trabalho resultante, como um todo. Eu não estava com vontade de tocar ou escrever músicas songy. Apenas queria tocar muito perto do meu coração e pedi a todos os envolvidos para fazerem o mesmo. Algumas das peças mais interessantes para mim são os solos de baixo e os sons maravilhosos do baixista John Humphrey - quando o ouvi pela primeira vez lembrou-me muito Jaco Pastorius e fiquei tão feliz! Podes ouvir o seu trabalho ao longo do álbum. Claro, Tim Alexander coloca sempre o trovão nos temas e o guitarrista Claudio Cordero é fenomenal na sua guitarra. Eu chamo-o carinhosamente de Claudio A Guitarra-Bomba Chilena. Joe Myers interpreta alguns dos sons mais texturais de guitarra que se ouvem e também toca Mellotron. Fátima Halim acrescentou as partes vocais e a sua voz tem uma impressionante força dinâmica, como qualquer instrumento elétrico. O produtor Steve Parrish assumiu este projeto e introduziu magia.
 
Falando nesse chileno virtuoso, Claudio Cordero, como o descobriste?
Tenho sorte que Claudio Cordero faça parte de Oxygene8, porque ele é um guitarrista impressionante e que está envolvida em muitos outros projetos, incluindo o seu próprio projeto a solo, The Claudio Cordero Band. loop1 seria totalmente diferente sem as suas pistas e, sinceramente, sinto que este álbum não seria "correto" sem ele, aliás o mesmo sentimento tenho com todos os outros elementos. Oxygene8 tocou no México no BajaProg Festival 2004, o mesmo ano em que Claudio tocou com a banda chilena Matraz, e foi aí onde nos conhecemos - éramos fãs um do outro. Foi através da generosidade do fundador da CAST, Alfonso Vidales que Claudio e eu nos tornamos amigos e colaboradores. Podes entrar em contato com o Claudio no seu website claudiocordero.cl e também no Facebook.
 
Na minha opinião, o título do álbum está muito relacionado com a sua música. Muito dinamismo e movimento em espiral. Era o teu objetivo desde o início?
É incrível para mim que tenhas compreendido e ouvido a espiral! Sim, era a intenção e também foi destinado a refletir-se no artwork da capa do CD - a beleza, espiral e equilíbrio nas pétalas da rosa, como na natureza. Eu, pessoalmente, tirei essa fotografia e tenho algumas histórias engraçadas sobre como eu encontrei a rosa perfeita para fotografar. Sim, loop1 foi concebido como uma música que se movimenta em espiral de um coração para outro. Pedro, obrigado pela tua intuição graciosa e reflexão sobre o álbum.
 
Sendo um álbum tão experimental, como é o processo de escrita nos Oxygene8? A improvisação surge frequentemente?
Sim, definitivamente surge, especialmente num projeto como este. É por isso que é tão importante creditar todos os músicos envolvidos como compositores deste álbum. Basicamente, pedi a toda a gente para ouvir e responder musicalmente e pessoalmente sobre as faixas básicas de loop1. Gostaria de dizer que estou muito orgulhosa de fazer parte de loop1, por toda a emoção na música e todas as improvisações/respostas pessoais que ouvi de todos os músicos são provenientes de pessoas muito sinceras.
 
E foi fácil gerir todos os músicos envolvidos no projeto?
Para mim, neste álbum, a comunicação foi minimal - basicamente através da música. Steve Parrish foi o "cérebro central" na medida em que fez a gestão de todas as trilhas. Foi um projeto muito bom para mim, foi fácil para todos colaborar com os outros músicos e todos são músicos incríveis bem como amigos estimados.
 
Existe alguma diferença entre álbum e os teus antecessores?
Sim, há enormes diferenças, principalmente porque a visão para este álbum era apenas tocar forte, divertirmo-nos e não enfatizar o trabalho como "canções". Portanto, houve muito pouco planeamento e muito para tocar. Todos respondemos uns aos outros e criamos este trabalho juntos. Devo dizer que Steve Parrish deve ser creditado para a visão artística, concentração e dedicação necessária para concluir um projeto como este.
 
Loop 1 é realmente um álbum muito ousado e nada mainstream. Seguramente tens essa consciência? É o que podemos chamar realmente de arte, na tua opinião?
Muito obrigado por esse grande elogio. Sim, eu sinto que é um álbum ousado e embora não tenha sido concebido para ser um álbum auto-indulgente por parte de ninguém, definitivamente foi baseado numa "visão" artística na qual todos acreditavam e levado em frente. Houve muita confiança por parte de todos e não digo isso de ânimo leve. Nós apreciamos a tua aceitação e a dos nossos fãs ao nosso trabalho.
 
Como tem sido o feedback de loop1 até agora?
Foi maior do que eu previra. É engraçado, porém, que quando se acredita em algo, as outras pessoas conseguem ouvir isso no trabalho. Honestamente acho que é o que está a acontecer. Estou um pouco chocada, mas muito animada com a resposta. Também acho que diz muito sobre os nossos sofisticados fãs, ouvintes e críticos. Obrigado a todos por essa aceitação para um álbum que não se pode chamar o álbum mais comercial nem previsível.
 
Existe alguma tournée prevista?
Estamos nesta altura a falar sobre isso, pois fomos convidados para ir à América do Sul e também à Europa. Quem me conhece, sabe que tudo o que tem que existir é um convite e, em seguida, as rodas começam a girar para fazer isso acontecer. Dito isso, é meu desejo que num futuro próximo eu possa viajar com Oxygene8 e ser capaz de cumprimentar e agradecer pessoalmente aos nossos fans em Portugal.
 
A terminar, queres dizer mais alguma coisa aos nossos leitores e aos vossos fans portugueses?
Sim, eu gostaria de agradecer a todos e a cada um dos teus leitores por terem tempo para ler sobre nós e ouvir a música de Oxygene8. É um desejo pessoal de que a nossa música possa ajudar a trazer mais paz e amor para ao nosso mundo e, de alguma maneira, ajudar os outros. É a vossa bondade e suporte que ajudam a tornar isso possível. Espero que talvez um dia todos nós nos possamos encontrar num concerto de Oxygene8 em Portugal!
 
Obrigado.
Foi um prazer falar contigo, Pedro, muito obrigado. Desejo a todos vós todas as coisas mais belas da vida. Linda e Oxygene8.

Sem comentários: