terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Entrevista: Holy Dragons





Uma banda do Cazaquistão não é nada vulgar, mas os Holy Dragons são uma autêntica lenda viva do seu país, fruto do seu historial e de inúmeras gravações. O ano de 2012 fechou com o conceptual Zerstorer, onde a banda estreia um novo vocalista e avança para letras em inglês. A mente por detrás deste projeto, o guitarrista e teclista Jurgen Thunderson concedeu a Via Nocturna uma entrevista bem-disposta e cheia de críticas.

 
 
Viva, obrigado por perderes algum do teu tempo a responder a Via Nocturna. Novo álbum, nova editora, tudo vai bem para os Holy Dragons?
Salvé! Saudações a todos os leitores de Via Nocturna e estamos à espera de perguntas interessantes! Temos um sentimento muito positivo, ao trabalhar com a Pitch Black Records. Na realidade tudo é muito diferente da experiência de trabalho com a editora anterior, que fez muito pouco feito pela banda e pelos seus lançamentos. Na verdade, as coisas foram de mal a pior, por isso mesmo decidimos rejeitar voltar a trabalhar com a editora anterior apostando na distribuição virtual para os nossos discos. Mas, felizmente, com uma abordagem séria e correcta, o tradicional sistema de trabalho com uma editora ainda funciona muito bem, dando a uma banda muito mais possibilidades e vantagens no campo da informação quando comparado com a promoção diretamente feita pela banda, ignorando as estruturas editoriais. Temos o nosso próprio exemplo!

 
Os Holy Dragosn não são uma banda muito conhecida em Portugal. Podes descrever a música que praticam e as vossas principais influências?
Na verdade, tentamos combinar tudo o que havia de melhor na música de metal nos anos 80/90. Quero dizer velocidade, melodia e técnica. Ao mesmo tempo, combinando tudo mas não fazendo uma música muito específica - para um círculo muito restrito de fãs com alguma tendência de subcultura, o que é um erro muito comum em algumas bandas, baseado em algumas influências posteriores. Há hoje em dia um monte de bandas que realmente estão a fazer a mesma coisa, tocando uma espécie de metal 80-90, embora estejam a fazer isso um pouco superficialmente. Como por exemplo: "Nós não vamos tocar desta forma porque vai ser muito complicado. Nós vamos tocar desta forma porque vai ser muito rápido etc... ". Mas não penses que, com essa abordagem irão ser valorizados. E também não é uma boa maneira de trabalhar atualmente.

 
Sendo uma banda do Cazaquistão, podes contar-nos como é a cena rock/metal no teu país?
A situação aqui não é muito boa, para ser honesto. Apesar do fato de haver muitas bandas por aqui, a maioria são muito jovens e acabam por não formar uma comunidade nem uma camada cultural. Não há editoras, nem revistas sobre metal (quero dizer as locais, é claro), nem clubes especializados em música rock. A maior parte das nossas bandas consideram-se como rivais diretos, mesmo que toquem música totalmente diferente. Assim, em vez de cooperação que tentar colocar um raio nas outras rodas à menor possibilidade. Naturalmente, a formação de um som reconhecível de escola não é possível em tais condições. Falando de música metal no mundo, temos uma imagem clara quando dizemos, por exemplo, "o som da Califórnia" ou "escola alemã de metal" e assim por diante. Podes facilmente distinguir uma banda de metal finlandesa de uma alemã ou uma alemã de uma italiana. Aqui todos tentam copiar os projetos do  "top-10" que estão feitos apenas para ganhar dinheiro. Podes perceber que nestas condições o resultado do underground é totalmente insano, na maioria dos casos. Eu não quero parecer uma dor mal-humorada no pescoço, mas não existem processos positivos por aqui. E bandas como Forpost, Triumvirat, Vist, que poderiam ter formado um rosto de cena metal local, desmoronaram-se há 20 anos atrás.

 
Assim sendo não deve ser fácil para os Holy Dragons. Como é o vosso dia-a-dia?
Se for dia de espetáculo, então a banda transforma-se em homens de segurança, (risos)! Vamos para o palco como se tivéssemos acabado de sair de um Jacuzzi com um cocktail nas mãos, mostrando-nos como estrelas de rock que acabaram de acordar e foram chutar o próprio traseiro (risos)! E depois vem a afterparty, que não é sobre gajas e álcool, mas é sobre como mover algumas toneladas de equipamentos do lugar "X" para os lugares "Y" e "Z", sem perder nem partir nada no caminho de volta. Se tivermos tais concertos regularmente, podemos poupar algum dinheiro no ginásio e também esquecer para que é que as armas de fogo foram inventadas uma vez que se cospem balas quando alguém está a bloquear o caminho, quando se está a carregar o pesado amplificador para o 4 º andar do prédio.

 
Neste álbum estreiam um novo vocalista. Como foi o processo de adaptação do Ian quer à banda quer aos temas novos e mais antigos?
Honestamente todas as gravações dos vocais foram virtuais. O progresso técnico permite não estar no mesmo estúdio para fazer este tipo de trabalho. Ian Breeg vive numa cidade russa chamada Tula, a cerca de 4000 quilómetros da cidade onde moro. Naturalmente tivemos desentendimentos e todos os tipos de pequenas avarias técnicas. Além disso, o processo de gravações dos vocais foi mais lento de como seria se trabalhássemos juntos em estúdio. Mas o que podemos dizer? Fizemos assim!

 


Os Holy Dragons
têm uma grande experiência e vários álbuns gravados. Como analisas a evolução da banda em Zerstorer?

Eu considero este álbum muito importante na evolução da banda, uma vez que continua a tradição de Black Moon Rising, álbum que considero a base da banda, continuando todas as tendências que foram feitas nesse álbum e levando-as a um novo nível. Aqui rejeitamos as auto-restrições no processo de escrita. Zerstorer é um passo em frente relativamente a  Black Moon Rising. Uma das razões é porque tem letras em inglês, o que torna compreensível o conteúdo do álbum em todo o mundo. Falando muito francamente, neste álbum tornei um sonho meu realidade, gravando um tema de 14 minutos. Muita gente está cética, mas se fizeres breakdowns rítmicos como os Dream Theater toda a gente vai ser muito tolerante com o riff maçador e chato, que é repetido 250 vezes por música. Muito provavelmente até vão gostar! Mas se seguires as tradições rítmicas de um disco de rock-n-roll-poderoso, a tentativa de fazer uma grande canção conceptual é normalmente rotulada como "monstruosa". Eu não entendo de onde vêm tais barreiras na perceção que algumas pessoas têm da música. De qualquer forma, eu não gosto de tais barreiras e entendo a necessidade de quebrá-las, mesmo se vou ter solavancos na minha própria cabeça, quebrando essas "barreiras mentais".

 
Como tem sido o feedback do novo álbum? Satisfeito com a apreciação global de Zerstorer?
Há uma grande quantidade de pessoas que ficaram muito felizes quando este álbum finalmente saiu! Temos tido um feedback muito positivo, que mostrou que estávamos certos na nossa abordagem a um álbum conceptual como Zerstorer. Ao mesmo tempo, temos um número de criticas absolutamente sem sentido - recontar fatos sobre a banda que qualquer pessoa pode obter no Google em 0,03 segundos e reflexões idiotas sobre o nosso país e o que pode sair do país como tal em termos de valor musical. Eu não entendo o sentido de tais análises. Se uma pessoa ouviu o álbum teria pelo muito sobre o que escrever, como o álbum ter um suficiente conteúdo não-padrão, a rejeição intencional de normas convencionais. Mas se uma pessoa não ouviu, então ocupa o espaço de informação com copy/paste e suposições selvagens (risos)! Pode ser que seja um problema comum hoje em dia, não só da nossa banda, mas também de muitas outras nas condições de abundância de recursos na internet, dedicados à música metal.

 
Zerstorer é um álbum muito longo com a curiosidade de ter vários temas com diferentes partes dentro deles e nomes diferentes para a mesma faixa. Por quê?
Em Zerstorer tocamos um tema muito sério, o tema da Guerra Fria e da sobrevivência da humanidade à beira de um conflito nuclear. Esta situação já se arrasta há anos e todo mundo parece não perceber isso! Não estou muito seguro se alguma banda rock teve álbuns com um conceito semelhante. Pelo menos um vulgar álbum conceptual tem a história de um bom ou mau gajo que foi espancado na escola, em seguida, foi deixado pela namorada, saiu de casa, começou a usar heroína (risos) e depois ele morreu ou ficou curado das drogas. Ou um outro conceito como guerras intermináveis ​​de deuses antigos, nos quais ninguém acredita... Nós não gostamos nem do primeiro nem do segundo tipo de conceitos. Muito do aqui está veio da infância. Este medo de "esperar pelo o final". Quando, nós, sendo crianças dissemos que o "apocalipse nuclear" é inevitável e que isso é apenas uma questão de tempo. Quando nós, sendo crianças éramos ensinadas como sobreviver no epicentro de uma  explosão nuclear e o que fazer no caso de radiação nuclear. Ainda me lembro de um dos meus dias de infância, quando de repente toda a energia elétrica e de rádio e TV acabaram. De repente, a cidade ficou muito quieta... e pôde-se ouvir o barulho de dezenas de aviões pesados ​​em algum lugar sobre as nuvens. Pessoas que esperavam por algo e tinham a sensação de estar condenados, uma vez que não tinham nenhuma informação do que estava a acontecer. Como se viu depois, foi o dia em que a URSS introduziu tropas no Afeganistão. O apocalipse nunca aconteceu, mas todos foram crescendo com esta ideia, nesta atmosfera. E esses sentimentos foram refletidas no álbum. Alice Cooper tinha um monstro debaixo da cama na sua infância. Uma aranha gigante! Eu tinha uma nuvem de cogumelo nuclear debaixo da minha (risos). O que dizes a respeito da divisão das faixas. Eu só queria fazer o álbum parecer perto dos discos de vinil. Quando ouves um disco de vinil, não saltas da segunda pista para a número 5 e a seguir para a 7. Tudo está na ordem correta. Na nossa era digital qualquer pessoa pode ouvir a faixa 6 e depois ir para faixa 2 e nada muda. Eu não queria que todos esses pequenos interlúdios fossem perdidos nesta situação ou que não soassem onde eu queria que estivessem. Por outras palavras, não quisemos fazer um álbum no modo shuffle.

 
Existe alguma ligação entre este álbum e a vossa demo de 2010?
A partir do momento de sua gravação, a banda estava à procura de um vocalista depois da saída de Komarov, que era o vocalista cerca de 8 anos. Foi um momento muito difícil, tentámos muita gente e ninguém conseguia lidar com o material. A maior parte dos candidatos também copiou a forma vocal de Komarov e não soava muito bem. Decidimos seguir em frente e um amigo nosso que não era cantor profissional fez todos os vocais na demo. Ele apenas é um fã de heavy metal da velha escola como Samson, Demon ou Grim Reaper. Devido ao seu trabalho e alcance vocal fomos capazes de mostrar todas as melodias que compunham as linhas vocais. Mas a reação aos vocais por parte dos críticos e do público foi muito sem espírito, então decidimos procurar um vocalista profissional.

 
Podes descrever como funciona o processo de escrita nos Holy Dragons?
É sempre diferente, mas acima de tudo, começa com riffs de guitarra. Em seguida, vêm as linhas vocais, a estrutura e tudo o resto. O "momento da verdade" é a conceção de como vai ser a música. A música também tem alguma informação emocional e contextual definida e não é muito bom ouvir um vocal em que a linha emocional das letras não coincide com a linha emocional da música. Embora, às vezes, essas coisas sejam feitas com algum propósito definido. E, por vezes, este método funciona! Por exemplo, as bandas alemãs gostavam de ter letras sérias, falar sobre o apocalipse e colocá-las numa  alegre melodia (risos)! Temos o mesmo tipo de música, chama-se The Last Day Of Life.

 

Como decorreu o processo de gravação? Sentiram alguma dificuldade em particular?

O processo mais longo e mais difícil foi a gravação da voz. Pode ser devido à essência virtual do trabalho. Trabalhar com Breeg é uma atividade realmente stressante nestas condições (risos), mas conseguirmos terminar este álbum foi uma verdadeira vitória!

 
Já estão a levar Zerstorer para o palco? Como está a vossa agenda para os próximos tempos?
Metade destas canções do álbum está incluída no nosso show ao vivo. O álbum inteiro não para permitir algum espaço para as outras músicas (risos). Falando a sério, aqui não temos muitos espetáculos ao vivo e ir para a Europa requer um investidor. É um problema real para nós. Mas no que diz respeito a trabalhar num espetáculo ao vivo, acumulamos uma grande vontade de trabalhar no palco e fazer o nosso melhor! Portanto, se alguém conta com a nossa participação vai ganhar, tendo em conta a capacidade de trabalho e dedicação. Ainda assim, observo que o mercado de tournées hoje em dia está superlotado.

 
A terminar, queres dizer algo mais aos nossos leitores?
Bem, só quero dizer a todos os teus leitores e público do metal em Portugal que gostaria de fazer esta reunião com os Holy Dragons não a primeira e a última vez, mas mais e mais vezes e fazer boa música para todos os nossos ouvintes em todo o lado! Mantenham o espírito do metal nos vossos corações!

Sem comentários: